Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Opção de permanência

Juiz de Santos quer ser promovido na comarca de origem

O juiz de direito Gilberto Ferreira da Cruz entrou com pedido de Mandado de Segurança, no Supremo Tribunal Federal, contra decisão administrativa do Conselho Nacional de Justiça que não aceitou a sua opção de permanecer na comarca de Santos (SP) depois que foi promovido. O conselho seguiu decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo. O relator é o ministro Gilmar Mendes.

Cruz informa que uma resolução do TJ paulista reconheceu o direito de permanência a todos os juízes concursados para serem promovidos em comarca ou vara da qual era titular. No entanto, o TJ paulista o teria discriminado “por superada conveniência e oportunidade da administração”.

Alegando constrangimento ilegal, o juiz afirma que “o magistrado que foi promovido no referido concurso teve incorporada a opção de permanência na mesma vara da qual era titular como um direito líquido e certo de livre escolha (direito adquirido), o qual foi antecipadamente deliberado na geral e vinculada Resolução 257/05, do Órgão Especial do TJ-SP, não podendo ser preterido ou discriminado por posterior ato administrativo individual emanado do mesmo órgão”.

A liminar pede que a decisão do CNJ seja suspensa imediatamente. Para o juiz, o conselho não teria atendido o seu direito de ser efetivado na Vara do Júri e Execuções Criminais de Santos. O juiz alega o periculum in mora [perigo na demora] para solicitar que o cargo por ele pretendido não seja ocupado por outro.

No mérito, pede ao STF que seja declarada inconstitucional e nula a decisão administrativa do TJ para garantir a “preservação concreta dos mandamentos pétreos da presunção de inocência, da ampla defesa, do devido processo legal e da inamovibilidade”.

MS 26.502

Revista Consultor Jurídico, 27 de março de 2007, 0h03

Comentários de leitores

2 comentários

É Adriano, ouvi dizer que estava sim...

lu (Estudante de Direito)

É Adriano, ouvi dizer que estava sim...

Esse sujeito não estava respondendo processo ad...

Adriano de Sousa (Advogado Sócio de Escritório)

Esse sujeito não estava respondendo processo administrativo por abuso de poder??

Comentários encerrados em 04/04/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.