Consultor Jurídico

Impacto ambiental

Ibama pode ouvir índios sobre licenciamento de usina no Pará

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) pode fazer consultas públicas às comunidades indígenas da região de Altamira (PA) sobre o licenciamento da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, no rio Xingu, assim como dar início ao Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e do laudo antropológico.

A autorização foi dada em recurso ajuizado pela União no Supremo Tribunal Federal (STF). Com a decisão da presidência do STF, passa a vigorar, parcialmente, liminar concedida pelo juiz substituto da Vara Federal de Altamira (PA) na Ação Civil Pública que pretendia impedir o processo de licenciamento para a construção da Usina.

A ação ajuizada pelo Ministério Público Federal (MPF) pretende impedir o processo de licenciamento no Ibama do empreendimento denominado Usina Hidrelétrica de Belo Monte, no rio Xingu. O juiz substituto da Vara Federal de Altamira acatou o pedido de liminar, em 28 de março de 2006, suspendendo quaisquer atos que visassem o licenciamento ambiental da obra, principalmente duas audiências públicas, que aconteceriam em 30 e 31 de março daquele ano.

O juiz titular da Vara de Altamira revogou essa liminar, em 28 de maio, retirando qualquer impedimento judicial à execução dos eventos, especialmente pelo Ibama, na condução do licenciamento da Usina Hidrelética de Belo Monte.

Contra esta última decisão, o MPF interpôs Agravo de Instrumento no Tribunal Regional Federal da 1ª Região. O TRF-1 concedeu, liminarmente, efeito suspensivo sobre a decisão do juiz titular da Vara de Altamira. Com isso, voltou a vigorar a liminar concedida inicialmente pelo juiz substituto, contra a qual a União ajuizou o recurso, que foi acatado em parte pela ministra Ellen Gracie, no último dia 16.

Fundamentos

A consulta do Ibama às comunidades indígenas, de acordo com a ministra, não deve ser proibida nesse momento inicial da verificação da viabilidade do empreendimento. A não viabilização do empreendimento, segundo ela, compromete o planejamento da política energética do país.

Em decorrência da demanda crescente de energia elétrica, para substituir a Usina de Belo Monte, sustenta, “seria necessária a construção de dezesseis outras usinas na região, com ampliação em quatorze vezes da área inundada”.

SL 125




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 27 de março de 2007, 0h03

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 04/04/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.