Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Uma prova só

Presidente da OAB defende Exame da Ordem unificado

O presidente nacional da OAB, Cezar Britto, defendeu nesta quinta-feira (1/3) a unificação do Exame da Ordem para a obtenção da carteira de advogado. “Só temos a ganhar com a unificação do Exame de Ordem. A mesma prova, aplicada em uma única data e com o mesmo conteúdo em todo o Brasil, evitarão as discrepâncias entre os exames aplicados por seccionais diferentes”, afirmou Britto, na abertura da reunião dos presidentes das Comissões de Exame de Ordem das 27 Seccionais da OAB, realizada em Brasília.

Britto lembrou que nunca se usou o exame com parâmetro oficial para análise do ensino jurídico, pois as provas são diferenciadas, organizadas e aplicadas separadamente. “Uma única prova seria a melhor a melhor referência para o Brasil sobre as faculdades de Direito e teríamos um controle maior da qualidade oferecida pelos cursos”, afirmou o presidente da OAB. “Ajudaríamos a instituição de ensino, que está ruim, a melhorar e, se não melhorasse, teríamos instrumento para fechar todas as faculdades de péssima qualidade”.

O Ministério da Educação já afirmou para a entidade, que, se houvesse a unificação, o exame seria reconhecido como avalizador para os processos de reconhecimento e revalidações das faculdades de Direito.

No entanto, o presidente da OAB garantiu aos dirigentes das Comissões que o Conselho Federal não vai impor a unificação. “Ele tem que nascer da vontade de cada uma das Seccionais. É assim que prevê nossa legislação e é assim o Conselho compreende. Tem que ser fruto do consenso entre as Seccionais”.

Revista Consultor Jurídico, 1 de março de 2007, 18h18

Comentários de leitores

12 comentários

O MEC é que tem que fiscalizar e barrar o númer...

Nanda (Estudante de Direito - Ambiental)

O MEC é que tem que fiscalizar e barrar o número excessivo de faculdades. É um mercado de venda de diplomas. Nos EUA, há mais advogados que no Brasil, mas o número de faculdades não chega a 200, creio eu. O problema não é a quantidade de bacharéis, é preciso qualidade dos alunos e da instituição. Tem muito analfabeto funcional formado, e este problema nasce no ensino primário. Antes de querer melhorar o ensino superior, é preciso melhorar a base escolar. A criança se forma, mas continua analfabeta. O universitário chega na universidade com dificuldade de interpretação e com preguiça de escrever. E quando escreve, assassina a língua portuguesa.

só acho estranho colocarem o Cespe pra fazer a ...

Nanda (Estudante de Direito - Ambiental)

só acho estranho colocarem o Cespe pra fazer a prova da OAB. Nunca mais se falou nada dos gabaritos comprados no concurso do TJDFT. O Exame tomou ares de concurso. Milhares de cursinhos preparatórios, simulados, sem falar que nas provas do Cespe restringiram a entrada de diversos objetos. Os cursinhos dando força no local de prova... Como disseram, a realidade em cada região é bem diferente. É preciso analisar até que ponto o exame cobre o que é útil ou não. Cobrar coisas que só se aprende na faculdade e nunca ocorrem na prática?

Muito bem se houve o Exmº Presidente da OAB Cez...

Luís da Velosa (Bacharel)

Muito bem se houve o Exmº Presidente da OAB Cezar Britto. A unificação tem razões ponderosas. Parabéns, presidente!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 09/03/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.