Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Crucifixo liberado

Uso de crucifixo não fere caráter laico do Estado, decide CNJ

Por 

A maioria dos membros do Conselho Nacional de Justiça entende que o uso de símbolos religiosos em órgãos da Justiça não fere o princípio de laicidade do Estado. O entendimento ficou expresso no julgamento de quatro Pedidos de Providência que questionavam a presença de crucifixos em dependências de órgãos do Judiciário.

O relator dos processos, conselheiro Paulo Lobo, votou pela realização de consulta pública, via internet, pelo período de dois meses, com o objetivo de aprofundar o debate sobre o assunto. No entanto, o conselheiro Oscar Argollo abriu divergência, apreciando o mérito da questão, no sentido de permitir o uso de símbolos religiosos.

Argollo defende que o uso de tais símbolos constitui um traço cultural da sociedade brasileira e “em nada agridem a liberdade da sociedade, ao contrário, só a afirmam”. O conselheiro foi seguido por todos os conselheiros presentes, à exceção do relator.

O conselheiro Paulo Lobo se disse sem condições de julgar o mérito da questão. “Isto seria uma violação à minha consciência, porque ainda tenho muitas dúvidas”. Em razão disso, embora o entendimento sobre a questão tenha sido majoritário, os Pedidos de Providência não puderam ser concluídos, o que acontecerá em sessão próxima, com a proclamação do resultado da decisão, quando o relator apresentar seu voto.

Cruz da Justiça

Em outubro de 2005, em um congresso de juízes estaduais no Rio Grande do Sul, foi decidido que os crucifixos poderiam continuar adornando as paredes das salas de audiências gaúchas. A decisão foi apertada: 25 votos pela manutenção e 24 contra.

Na ocasião, os juízes entenderam que a ostentação do crucifixo “está em consonância com a fé da grande maioria da população brasileira” e que “não há registro de usuário da Justiça que tenha acusado constrangimento em razão da presença do símbolo religioso em uma sala de audiência”.

A proposta de retirar os crucifixos foi apresentada pelo juiz Roberto Arriada Lorea. Os defensores da idéia argumentaram que a presença do crucifixo causa constrangimento aos seguidores de outras religiões.

De maneira geral, juízes podem optar livremente pela permanência de crucifixos nas paredes de suas salas de audiência. No Supremo Tribunal Federal, dois ministros já se manifestaram contra a manutenção do crucifixo localizado no plenário: Celso de Mello e Marco Aurélio.

Embora manifestem respeito à Igreja Católica, os dois ministros entendem que, desde que Igreja e Estado se separaram, não faz sentido projetar a idéia de que um tribunal que se pretende neutro em relação aos movimentos e manifestações sociais do país projete a noção de que se subordina a algum deles.

Pedidos de Providência 1.344, 1.345, 1.346 e 1.362

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 29 de maio de 2007, 21h18

Comentários de leitores

31 comentários

O Estado brasileiro não é ateu, é laico. Sala d...

Regis (Professor Universitário - Dano Moral)

O Estado brasileiro não é ateu, é laico. Sala de audiência não é propriedade particular de juiz, é do povo.

Como escrevi ontem: o Estado brasileiro não é l...

Neli (Procurador do Município)

Como escrevi ontem: o Estado brasileiro não é laico! Há a imunidade tributária para todas as religiões;e mais: no preâmbulo da Constituição de 88 há menção ao nome de Deus. Então alguém se arvorar que o estado brasileiro é laico e retirar um Crucifixo da sala é,com a devida vência,falta do que fazer...poderia retirar as crianças pobres das ruas,etc,etc. Mais: há um projeto de lei do senador crivela que quer dar dinheiro para as Igrejas via Lei Rouanet...às nossas custas,pois,para quem não sabe,pela Lei Rouanet :num projeto de um milhão,a empresa põe 200 mil,e oitocentos mil quem arca somos nós,pois a empresa poderá abatê-lo do imposto de renda(ou ISS,ou ICMS...município ou estado),então era contra isso que todos nós devemos criticar e não um mero Crucifixo. Disse Jesus: Dê a César o que é de César:vamos tirar a imunidade tributária de todas as igrejas,seitas,etc. ET: sou Católica Apostólica Romana

Gadu, por gadu, sou mais o Nosso Senhor Jesus...

Richard Smith (Consultor)

Gadu, por gadu, sou mais o Nosso Senhor Jesus Cristo, Aquele por quem tudo foi feito e sem Ele nada foi feito. O Alfa e o Ômega. O Caminho, a Verdade e a Vida.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 06/06/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.