Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Vantagens suspensas

Juízes não conseguem derrubar decisão do CNJ sobre gratificações

A Associação dos Magistrados do Amapá (Amaap) não conseguiu suspender a decisão do Conselho Nacional de Justiça, que barrou o pagamento de auxílio-moradia e gratificações a juízes que excedessem o teto remuneratório. O pedido de Mandado de Segurança foi negado pelo ministro Marco Aurélio, do Supremo Tribunal Federal.

No recurso, a Amaap alegou violação ao direito constitucional da irredutibilidade de vencimentos (artigo 37, inciso XV, Constituição Federal). Afirmou que não seria competência do CNJ suspender, por decisão administrativa, o pagamento das vantagens.

Assim, contestou a decisão do CNJ que, no início do ano, fixou o teto salarial da magistratura em R$ 24,5 mil. Os tribunais que não se adequaram ao novo teto salarial sofreram sanções do CNJ por meio de procedimentos de controle administrativo.

Os juízes afirmaram que o CNJ está extrapolando suas atribuições e invadindo competência do STF. Assim, pediram liminar para suspender a decisão administrativa do CNJ e, no mérito, o reconhecimento da legalidade do pagamento do auxílio-moradia aos que não ocupam residência oficial.

O relator, ministro Marco Aurélio, observou que, no caso, “tudo recomenda que se aguarde o crivo final da Corte”, ou seja, a análise do mérito da questão pelo Plenário do STF.

Ele acrescentou que o simples cumprimento do teto salarial previsto na Constituição Federal (atualmente R$ 24,5 mil) afasta possível prejuízo quanto à subsistência dos juízes e de seus familiares. “De início, tem-se que a decisão do Conselho Nacional de Justiça goza, no que presente o teto constitucional, da presunção de licitude”, afirmou o ministro. Após negar o pedido, o relator solicitou informações ao CNJ e, em seguida, parecer da Procuradoria-Geral da República.

MS 26.637

Revista Consultor Jurídico, 28 de maio de 2007, 16h52

Comentários de leitores

3 comentários

Parabens ao Conselho Nacional de Justiça...

Paulo Chaves de Araujo (Consultor)

Parabens ao Conselho Nacional de Justiça e ao Ministro Marco Aurélio. É assim aos poucos que o Brasil irá se tornando um país mais justo e afastar o risco de se transformar em uma Venezuela. Se a Constituição estabelece um teto e se o servidor acha pouco R$ 24.500,00 e tem competência para ganhar mais na iniciativa privada é só pedir demissão que há muita gente preparada a procura de uma oportunidade no concurso.

Sem-vergonhices da magistratura! Começou pelo A...

Luiz Eduardo Osse (Outros)

Sem-vergonhices da magistratura! Começou pelo Amapá...

Por essas e outras, é que cada vez mais admito ...

Paulo Jorge Andrade Trinchão (Advogado Autônomo)

Por essas e outras, é que cada vez mais admito a atuação do "salutar" CNJ, em que pese, por óbvio, um ou outro equívoco, porém, in casu, o que de fato se pretende a não ser presumir "fragilizar" o Ilustre Conselho?

Comentários encerrados em 05/06/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.