Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Peça chave

Zuleido Veras se recusa a depor e é conduzido de volta à PF

Por 

Mal começou e já terminou o depoimento do dono da Gautama, Zuleido Veras. Ele se recusou a falar e saiu do Tribunal algemado de volta à carceragem da Polícia Federal em Brasília. A ministra Eliana Calmon, relatora do inquérito, já pediu à Polícia Federal que envie outros sete suspeitos para depor ainda nesta tarde.

Zuleido Veras, preso na quinta-feira (17/5), é apontado pela Polícia Federal como cabeça do esquema de fraude de licitações e desvio de dinheiro público investigado na Operação Navalha. O depoimento dele começou às 14h30 e durou pouco mais de cinco minutos. Ele pode ser reconvocado a qualquer momento para prestar informações ao STJ.

A construtora Gautama, eixo central do esquema, direcionava editais para fraudar licitações de obras no Governo Federal, nos estados e municípios, segundo afirma a PF. As transações eram feitas por meio de pagamento de propina a servidores, políticos e ex-políticos.

Outros depoimentos

A ministra Eliana Calmon terminou na manhã deste sábado (26/5) o interrogatório com a diretora comercial da Gautama, Maria de Fátima Palmeira, que permanece presa. O depoimento começou no final da tarde de ontem e suspenso às 23h30. Retomado na manhã deste sábado, teve duração total de oito horas. Maria de Fátima é apontada pela Polícia Federal como intermediária no pagamento de propinas, além de viabilizar o direcionamento de obras públicas para a empresa.

Depois de prestar informações no STJ, Maria de Fátima sentiu-se mal e foi socorrida pelo atendimento médico do Tribunal. Uma ambulância chegou a ser requisitada, mas ela deixou o STJ escoltada pela Polícia Federal às 16h. A advogada Sônia Rao, que representa Zuleido Veras, Maria de Fátima e Vicente Vasconcelos, acaba de entrar com pedido de habeas corpus no Supremo Tribunal Federal pedindo a liberação dos três.

Desde segunda-feira (21/5), quando teve início os depoimentos no STJ, a ministra Eliana Calmon ouviu 33 pessoas. Destas, apenas Vicente Vasconcelos, diretor da empresa no Maranhão, permanece detido. Das 48 pessoas detidas na operação, apenas dez permanecem presas. Os envolvidos no esquema de fraude em licitações e desvio de dinheiro público são suspeitos de corrupção e tráfico de influência.

 é correspondente da Revista Consultor Jurídico em Brasília.

Revista Consultor Jurídico, 26 de maio de 2007, 14h51

Comentários de leitores

14 comentários

Pega, pega! Pega, pega ladrâo!! A miséria s...

Armando do Prado (Professor)

Pega, pega! Pega, pega ladrâo!! A miséria só existe porque tem corrupção! Desemprego só aumenta porque tem corrupção! Tira do poder! Bota na prisão!! Tira esse malandro do legislativo! Tira esse malandro do poder judiciário! Pega ladrão! No Congresso! Pega ladrão! No Senado! Pega, pega! Gabriel o Pensador.

Os Waldomiros da vida, Delubios, os dos dólares...

olhovivo (Outros)

Os Waldomiros da vida, Delubios, os dos dólares na cueca, os algozes do caseiro e tantos outros estão "tremendo" há vários anos, pelo visto.

Tremei canalhas do dinheiro público! O povo ...

Armando do Prado (Professor)

Tremei canalhas do dinheiro público! O povo começa a entender quem é quem nessa canalhice de furtar as coisas públicas. Assim, fica mais fácil pegar os chicaneiros, rábulas, filigranistas, formalistas safados e pseudo-defensores do bem público, todos canalhas carimbados, que buscam nos escaninhos dos agravos, embargos, recursos que só prorrogam no tempo os direitos dos oportunistas em detrimento da supremacia pública.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 03/06/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.