Consultor Jurídico

Fraude em licitação

Não há fundamento nas prisões da Operação Navalha, diz STF

Por 

Além das referências na decisão que decretou a prisão preventiva, há registros de diálogos telefônicos no quais o ora paciente (LUIZ CARLOS CAETANO) é indicado como um dos interlocutores e, ainda, algumas vezes citado por outros investigados nos diálogos de no 69, 70, 72 e 75, os quais ocorreram em algumas oportunidades no período compreendido entre maio de 2006 e março de 2007, verbis:

“DIÁLOGO 69:

ZULEIDO pergunta como é que faz para encontrar com ‘PREFEITO’ (cadastro: Prefeitura de Camaçari), ele diz que vai está em SALVADOR até as 14h00min... ZULEIDO fala que está em SALVADOR também... ‘PREFEITO’ pede que ZULEIDO ligue as 12h30min que vai encontrá-lo... ZULEIDO fala que tá bom. (09/05/2006 09:06:53)

ZULEIDO liga... PREFEITO pergunta onde ele está ZULEIDO fala que está no escritório, pergunta onde PREFEITO está, ele diz que está na LAYOUT, próximo ao BARBACOA... ZULEIDO pergunta se pode passar lá... PREFEITO fala que é no 1º andar do edifício COSTA ANDRADE... ZULEIDO fala que está indo lá... (09/05/2006 12:22:26)

ZULEIDO diz a TEREZA que está em reunião. TEREZA diz que liga mais tarde. (09/05/2006 12:52:19)

[...]

DIÁLOGO 70:

...ZULEIDO fala que saiu da reunião com CAETANO agora... RODOLPHO diz que se falam pessoalmente... ZULEIDO pergunta se ele está em BRASÍLIA, RODOLPHO diz que está em SÃO PAULO... ZULEIDO fala que com CAETANO foi bem... foi uma reunião com ele sozinho... RODOLPHO fala que está ótimo... ZULEIDO fala "eu tinha botado ontem essa reunião com o JW... então aconteceu hoje meio dia... tô saindo de lá agora...", RODOLPHO pergunta se ficou tudo bem... ZULEIDO diz que foi tudo bem, agora ficou de "arrematar amanhã de tarde uma ligação minha pra ele...", RODOLPHO diz que está combinado... ZULEIDO fala que amanhã "arremata com ele...", diz que ele (CAETANO) falou "... eu não saio sem isso resolvido... eu tenho um compromisso com você... você tá vendo aí meu problema...", RODOLPHO pergunta "e o negócio do MS lá... o que ele queria?... aquela conversa dele, que tinha de ser dele... foi dentro daquela linha?...", ZULEIDO diz que nem falou... nem falou porque "aquilo é inimigo né... é conversa deles lá...", RODOLPHO pergunta se ele justificou o porquê de nada até agora... ZULEIDO diz que não, ele teve vontade de dizer, mas não teve coragem de dizer... ZULEIDO diz que ele (CAETANO) sentou, ‘aí eu disse... eu tenho duas coisas pra falar com você, a primeira é que o ... (inaudível) tá do nosso lado e quer resolver... e a segunda, aí eu conversei até com JAQUES... mas eu converso com você amanhã...’, RODOLPHO pergunta se só foi isso a conversa... ZULEIDO diz que foi... que não falou nada a mais do que isso... RODOLPHO fala ‘... então não achei boa, não, pai, porque isso daí é enrolação dele... é o jeito dele...’, ZULEIDO fala que não... que não falou mais nada porque não adianta falar mais nada... enquanto ele não chegar para sentar, e disser vamos resolver, não adianta falar... ‘naquele outro lado que nós conversamos...’, RODOLPHO pergunta se ZULEIDO vai ligar para ele (CAETANO) ou vão se encontrar... ZULEIDO diz que vai encontrar com ele... ‘foi muito boa à conversa, eu nunca o vi tão positivo...’, RODOLPHO diz ok... (09/05/2006 13:26:56)




Topo da página

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 23 de maio de 2007, 16h36

Comentários de leitores

44 comentários

Então o dinheiro publico some, fazendas sem don...

Bira (Industrial)

Então o dinheiro publico some, fazendas sem dono, passeios de lancha e muitos mimos e tudo está na mais perfeita ordem?

Saber jurídico incontestável do Ministro Gilmar...

dinarte bonetti (Bacharel - Tributária)

Saber jurídico incontestável do Ministro Gilmar Mendes. E condições de dar seu conteúdo pessoal, fazendo da Constituição uma Carta interpretada. Dr. Ulisses Guimarães dando voltas no túmulo. Estamos assistindo, impávidos, a soltura de uma quadrilha, tanto quanto outras que já estão devidamente “aguardando o termino do devido processo legal”, e que tranqüilamente desfilam e desafiam nossa paciência. Aonde esta o erro? Ou será que estamos destinados a assistir tantas e quantas quadrilhas se usarem das interpretações pessoais, jurídicas, feitas sob medida para que Sergios Naya, Malufs, Collor, Caciolla (H.B. da lavra do Ministro Mello), e tantos outros que desafiam nossa paciência e credulidade no sistema. Neste caso, o Supremo Tribunal de Justiça, através de ilustre Ministra, foi vilipendiado pelas “interpretações” do ilustre ministro em pauta. A policia federal esta por terminar esse episódio como a malfeitora, a grande e incompetente artífice de prisões injustas. Oras, como contribuinte, e fazendo analogia com o Código do Consumidor, pergunto: quem vai devolver minha grana, paga em impostos pesadíssimos, e que foram claramente roubados, afanados, extorquidos, de nós, indefesos contribuintes? Precisamos de Ministros do Supremo que nos defendam, e não defendam larápios dos cofres públicos. Ou será que posso começar a pensar que seus salários, de Ministros, não são exatamente o que consta nas folhas de pagamento do Judiciário? Com que facilidade, esses senhores, que deveriam defender o país, acabam por abortar qualquer tentativa séria de se mexer na ferida que é a corrupção ? Será que nunca veremos, no Brasil, uma ‘mani pulliti’ italiana? A policia federal foi expurgada de tantos e tantos bandidos que por la sempre abundaram, e hoje ostenta uma folha de policia de primeiro mundo, com ações magistrais, uma agradabilíssima novidade neste país. Mas e o Supremo? Continua o reduto que salva a pátria desses marginais? Quando, oh meu Deus, veremos as coisas mudarem?

Como tem gente que se arrisca a processos jud...

Ramiro. (Advogado Autônomo - Criminal)

Como tem gente que se arrisca a processos judiciais expondo opiniões com veemência, esquecendo que há a figura da responsabilidade civil... Viuvas de Leonid Brejnev e de Stalim? Na extinta URSS advogados e processo legal eram "desnecessários".

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 31/05/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.