Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Risco de epidemia

Pecuarista é multado por atrasar vacina contra febre aftosa

Por 

O criador que deixa de vacinar o gado, colocando em risco a saúde pública e a imagem externa do país, responde pelo risco e não tem direito ao perdão da multa. O entendimento é da 2ª Câmara do Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo, que condenou um pecuarista da região de Presidente Prudente a pagar multa porque não vacinou 29 cabeças de gado no prazo estabelecido pela Campanha de Combate à Febre Aftosa. Cabe recurso.

O produtor alegou que a multa deveria ser reduzida ou perdoada porque, segundo ele, deixou de vacinar o gado porque estava doente. No entanto, o tribunal entendeu que esse motivo não justifica a conduta do fazendeiro.

O desembargador Aloísio de Toledo César, relator do processo, argumentou que basta a presença de um simples foco de aftosa em território brasileiro para emergir como ameaça a todo o rebanho nacional, o maior do mundo, dada a facilidade com que a moléstia se propaga.

“A falta de aplicação das vacinas já provocou a ocorrência de surtos da enfermidade extremamente danosos à imagem externa do país, que assim vê abalada sua posição de maior exportador mundial de carne.” Ele sustentou que é dever dos criadores definir como prioridade a vacinação contra febre aftosa.

Segundo o desembargador, a presença da doença no país resulta em grande parte da negligência de criadores de gado que deixam de aplicar as vacinas existentes e disponíveis nos órgãos públicos e no mercado.

“Apesar de afirmar tratar-se de um pequeno pecuarista e de um pequeno atraso na vacinação de apenas 29 cabeças de gado, as conseqüências desta conduta poderiam ser gravíssimas para toda a população”, alertou o desembargador.

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 17 de maio de 2007, 16h52

Comentários de leitores

1 comentário

Neste caso a multa ainda é pouco. Infelizmente....

Luís da Velosa (Bacharel)

Neste caso a multa ainda é pouco. Infelizmente. Quer dizer: estava doente e talvez por isso não se incomodasse com a vida do próximo... Agora, os compradores de carne (importadores e os da terrinha) vão ficar de orelha em pé...

Comentários encerrados em 25/05/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.