Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Recurso improcedente

STF arquiva reclamação de deputado sobre decisão inexistente

O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal, negou ao deputado federal Abelardo Camarinha (PSB-SP) o direito de responder no STF a ação por improbidade administrativa. Em recurso, Camarinha, que tem foro privilegiado, alegava incompetência do Tribunal de Justiça de São Paulo para julgá-lo.

A ação do deputado se baseia na Reclamação 2.138 do STF, ainda sob análise do ministro Eros Grau, que pediu vistas do processo.

Para Celso de Mello, que negou a liminar ao parlamentar, a reclamação não é cabível porque invoca como paradigma uma decisão inexistente.

O ministro ressaltou que o Supremo tem arquivado diversas reclamações nas quais se faz referência a julgamento ainda em curso no tribunal.

Assim, não se poderia alegar a ocorrência, no caso, de risco iminente de suspensão de direitos políticos e de perda do mandato parlamentar, entende Mello. Conforme a Lei de Improbidade Administrativa (Lei 8429/92), a perda da função pública e a suspensão dos direitos políticos, quando decorrentes de condenação em ação civil por improbidade administrativa, “só se efetivam com o trânsito em julgado da sentença condenatória”.

O relator da matéria, ministro Carlos Ayres Britto, foi substituído por Celso de Mello porque se ausentou justificadamente da sessão.

RCL 5.173

Revista Consultor Jurídico, 16 de maio de 2007, 0h01

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 24/05/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.