Consultor Jurídico

Artigos

Lugar comum

O excesso de informação pode acabar com a ciência

Comentários de leitores

12 comentários

O autor acaba defendendo a felicidade de ignora...

Band (Médico)

O autor acaba defendendo a felicidade de ignorar! Como em tudo, inclusive a liberdade, só se dá valor quando se perde! Assim, um pai sofria conformado enquanto a varíola consumia a sua família! Mas o que fazer, dizia, era vontade de Deus?

Caro Irineu Tolentino “Aliás, a ciência prod...

Band (Médico)

Caro Irineu Tolentino “Aliás, a ciência produziu muitos horrores quando apenas os cientistas a manipulavam.” Onde isto ocorreu? A maioria dos horrores foram feitos por legisladores e políticos, não por cientistas!

Caro Dr. Potiguar: Expurgarem-se as "vulga...

Richard Smith (Consultor)

Caro Dr. Potiguar: Expurgarem-se as "vulgaridades" deste democrático espaço, até que seri afácill, embora bastante anti-democrático. Agora, expurgarem-se as Vulgaridades desse (des)governo "que aí está", do seu chefe abortista e empurrador de Papa e de todas as pessoas que o apóiam, aí é tarefa bastante amis difícil. Mas não impossível! Passar bem

Assunto é sério. Excluam-se as vulgaridades nes...

Ampueiro Potiguar (Advogado Sócio de Escritório)

Assunto é sério. Excluam-se as vulgaridades neste democrático CONJUR. Neste mundo plasmático (gasoso) do consumismo é lamentável que não tenhamos melhoras com os bilhões (onde foram empregados ?) do Bill Gates. A rede Mac Donald´s vende câncer às crianças o aono inteiro. Reserva um dia para o faturamento do dia reservado ser doado às crianças cancerosas. Haja Diógens. No mal sentido. Quem está usufruindo deste nundo gasoso, seria de bom alvitre ler Planeta favela (Planet of Slums) do norte-americano Mike Davis. Certamente fariam uma reflexão sobre o sentido da vida com a galáxia de Gutemberg. A nave terra suportará tantos problemas? Dá no que pensar. Em que pese certos livrinhos que de há muito tempo alervava a humanidade para o perigo da barbárie.

Desculpe, "pesem" e não "pese" (os esforços)

Richard Smith (Consultor)

Desculpe, "pesem" e não "pese" (os esforços)

Caro Dr. Potiguar: Dois comentários apenas...

Richard Smith (Consultor)

Caro Dr. Potiguar: Dois comentários apenas: a)Em que pese os incipientes esforços da Apple, antes de Bill Gates, dispunhamos apenas do sistema DOS, de letrinhas verdes ou brancas sobre os famosos monitores de fósforo verde. Nada de páginas branquinhas, de WORD. Imagens? Nem pensar! b) Salvo engano (por desatualização, claro) Bill Gates já doou DEZESSETE BILHÕES DE DÓLARES! E a sua Fundação, a Bill e Melinda Gates ficará com 95% do seu patrimônio quando eles morrerem. Um "tantinho" a mais do que os nossos bravos capitalistas (geralmente do dinheiro público!) daqui, não? De qualquer forma, de se pensar: dois camaradas em uma garagem e um sistema operacional que revolucionou o mundo moderno. Enquanto aqui, e em que pese a imensa e inegável criatividade do brasileiro, aonde estão as condições para o florescimento dos "bill gates" nacionais? No nosso corrupto (des)governo? Nos remelentinhos e msfaldinhas invasores da reitoria da USP e suas "ideias felômenais"? Nas teorias e idéias fossilizadas de indivíduos ídem, como o nosso professor de poucas letras e muitchas idéias na "máça enssefálica dentro do célebro", como disse recentemente o Homem do "ponto G", o Abortista/Excomungado? Um abraço.

É claro que os poucos livros a que aduz o pro...

Richard Smith (Consultor)

É claro que os poucos livros a que aduz o professor, são os de marx, engels, lênin (se bem que duvido que já tenha lido lênin, principalmente o "Esquerdismo: Doença Infantil do Comunismo"), gramsci, marighella, marilena chauí, emir sáder e outras sumidades (do verbo sumir, claro!). Ai, ai, ai.

Parabéns! O excesso é de fato prejudicial.E ...

Ampueiro Potiguar (Advogado Sócio de Escritório)

Parabéns! O excesso é de fato prejudicial.E alienador. Obriga-nos a sermos "cientistas" para separar toda essa parafernália de informações num cadinho e usar, quando possível, o que é útil. Prometeu, quando foi buscar o fogo no céu, partiu com um totem na mão e um sorriso hipócrita nos lábios. De lá para cá (o fogo como símbolo do progresso), chegamos onde estamos.Numa entropia social. Perdidos em meio a tantas informações. Pricipalmente as pseudocientíficas. Entretanto o progresso meteórico da ciência é inversamente proporcional à miséria do mundo, ao progresso social. Ou da humanidade. Representada pela infância perdida; violência insuportável;desemprego alarmante. Enquanto isso, para mencionar apenas um, Bill Gates doa anualmente alguns milhões. Que servem apenas para manter o status quo da miséria. Milhões que sobram dos seus bilhões estocados. Mas circulando pelo mundo e pruduzir mais bilhões. Pergunta ingênua: para quê? Seria o dono da Microsoft e seus descendentes imortais? Enquanto isso, também, a chamada Ciência do Direito, refratária a absorver conhecimentos das demais, está sentada num pódio da Idade Média. No Brasil, o Direito, que se pretende puro, adota comportamentos mediavais. Procedimentos e resultados que fariam corar um Diógenes, o pai da filosofia tida como Cínica. Que, na verdade, era o supra-sumo da virtude.

digo, viver

Armando do Prado (Professor)

digo, viver

Complementando: quanto a doenças terríveis, dev...

Armando do Prado (Professor)

Complementando: quanto a doenças terríveis, deve-se ao fato de começarmos a vive mais do que o necessário. Nossa carcaça não resiste bem a 100 anos.

Discordo. Apenas volume. Quantidade. Na verdade...

Armando do Prado (Professor)

Discordo. Apenas volume. Quantidade. Na verdade, continuam valendo os esforços, não mais que uma dúzia de livros, alguns escritos há vários séculos. A vida se mede pela qualidade e não pela quantidade. Vive-se intensivamente pela qualidade, não extensivamente pela quantidade.

Caro Nehemias, Gostei da sua reflexão! ...

Hipointelectual da Silva (Outros)

Caro Nehemias, Gostei da sua reflexão! Mas não fique triste, pois a Ciência não sairá perdendo. Ao contrário, ela se desenvolverá de forma mais rápida e em progressão geométrica. Note, por exemplo, o período em que os grandes avanços se deram: da TV de tubo para a de plasmas e LCD, da analógica para a digital, da conversão do telefone como artigo de luxo para o artigo de camelô, os alimentos transgênicos, células-tronco, clonagem, viagens espaciais cada vez mais comuns, cirurgias que antes eram complicadas e agora são microcirurgias, etc.etc.etc. É certo que o setor de embalagens, o automobilístico, como outros, estão muito atrasados ainda, detém-se muito em designer, mas em breve, muito em breve mesmo, você verá “carros inteligentes” circulando pelas ruas, embalagens biodegradáveis, etc., pois serão forçados a mudar. É certo que estamos num estágio em que perdemos muito tempo com o excesso de informações, mas vamos encontrar uma forma de resolver esse problema, como encontramos quando ainda não existia carros e havia um “excesso de estrada”, quando a medicina não estava desenvolvida e havia “excesso de doenças”, etc. Assim, embora a quantidade de informações disponíveis seja muito grande (parecendo que não nos vai levar a lugar nenhum), o que está ocorrendo é o contrário. A quantidade imensa de informações dispostas, ainda que aleatoriamente, forçam o método da serendipidade: as conclusões brotarão naturalmente, ainda que do subconsciente, de forma vigorosa. E assim, o povo, seja com sua “criatividade técnica” ou “chute científico”, participará ativamente do processo evolutivo. Aliás, a ciência produziu muitos horrores quando apenas os cientistas a manipulavam. Hoje, brincamos de ciências todos os dias. O mundo está virando um grande laboratório. Mas é justamente brincando de “internetar” que mudaremos o mundo. Aprende melhor quem brinca de aprender. Lembra-se dos sites e blogs quando pareciam algo inútil? Hoje pessoas importantes e instituições expõem seus produtos ou pensamentos de forma eficiente, trocam informações úteis com seus interlocutores no mundo inteiro. O Orkut tornou-se hoje numa necessidade para muitas instituições, embora contenha realmente muita coisa que não tem tanto valor. O “Second Life” é mais uma brincadeira que estimulará a produção de informações aparentemente sem importância, mas hoje você encontra lá (naquilo que deveria ser uma brincadeira), instituições bancárias, companhias área, universidades, instituições oficiais, e pessoas comuns também, pois o mundo é nosso, das pessoas comuns que “chutam”, acertam, erram, e por aí vai. As crianças nascem hoje sabendo operar computadores e isso será algo cada vez mais comum, como é comum na China crianças de dois ou três anos falar chinês. A humanidade vai encontrar uma forma de selecionar o que é útil e tudo voltará a se equilibrar. Com o tempo o inútil na internet perecerá, pois não é possível que alguém sobreviva por muito tempo produzindo o inútil. Mas, insisto, gostei da sua reflexão. Pensando a respeito, deu-me até uma certa nostalgia de quando eu vivia em uma cidade de 5.000 habitantes e as crianças brincavam de roda nas ruas, onde o simples badalar dos sinos das igrejas funcionavam como jornal da comunidade. Mas, fazer o quê né? O progresso está aí e não vejo o que possa pará-lo. Saudações científicas! Itg@ig.com.br

Comentar

Comentários encerrados em 23/05/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.