Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Dever do credor

Produtor pode prolongar quitação de dívida de crédito rural

Produtor tem direito de prolongar a quitação da dívida originada de crédito rural. O entendimento é da 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça. Os ministros acolheram o pedido de um grupo de mutuários para que o Unibanco alongue as dívidas objetos da ação.

No caso, os mutuários fecharam com o Unibanco, em fevereiro de 1997, contratos de financiamento rural no valor de R$ 230 mil Amparados na Lei 9.138/95 e nas alterações nela instituídas pela Lei 9.866/99, eles propuseram ação de obrigação de fazer contra o banco para obrigá-lo a alongar a dívida oriunda do crédito rural. O caso foi parar na Justiça.

A primeira instância negou o pedido. Considerou que “a securitização dos débitos, conforme previsto em lei, é mera faculdade das instituições financeiras, que estão autorizadas a fazê-lo segundo critérios discricionários.”

O Tribunal de Justiça de São Paulo manteve a decisão. No STJ, a relatora do processo, ministra Nancy Andrighi, destacou que, conforme a Súmula 298 do Tribunal, o alongamento do pagamento de dívida originada de crédito rural não constitui faculdade da instituição financeira, mas direito do devedor nos termos da lei. A renegociação, no entanto, somente é obrigatória se forem atendidos os requisitos legais.

“Dessa forma, demonstrada a insubsistência dos argumentos que serviram de amparo para as decisões das instâncias ordinárias, bem como tendo ficado configurado o direito subjetivo dos produtores rurais ao alongamento dos débitos agrícolas, o provimento do recurso especial, nesse particular, é medida que se impõe”, concluiu a ministra.

REsp 905.404

Revista Consultor Jurídico, 14 de maio de 2007, 11h07

Comentários de leitores

2 comentários

Em tempo, segue súmula nº 298/STJ: "O alonga...

VALDIR (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Em tempo, segue súmula nº 298/STJ: "O alongamento de dívida originada de crédito rural não constitui faculdade da instituição financeira, mas, direito do devedor nos termos da lei". Valdir F J vfj.adv@pop.com.br

Entendo ser válido destacar e informar que, qua...

VALDIR (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Entendo ser válido destacar e informar que, quando o produtor rural tem sua capacidade econômico-financeira de adimplir o mútuo especial prejudicada, ou minimizando-a de forma a impossibilitar seu fortalecimento econômico, tais como: I - por frustração de safra, II -dificuldades de comercialização do produto rural, III - comercialização que não venha existir ou se realize com prática de preços em valores incompatíveis com o custo de produção, assiste-lhe o direito de ver modificada sua exigibilidade, estabelecendo-se novo calendário de pagamento. O Manual de Crédito rural impõe ao agente financeiro a modificação do cronograma de pagamento todas as vezes que a capacidade de pagamento do mutuário é diminuída em razão dos eventos que enumera (Manual de Crédito Rural 2.6). Da Lei 7.843/89 também se observa. “Art. 4º. Parágrafo único. Fica assegurada a prorrogação dos vencimentos de operações rurais, (...)” Cumpri destacar, que a modificação do cronograma de pagamento do financiamento rural é competência do Conselho Monetário Nacional, e que o agente financeiro se obriga a submeter-se a toda a disciplina lançada pelo mencionado Conselho. Senão vejamos a Lei 4.829/65: “Art. 14. Os termos, prazos, juros, e demais condições das operações de crédito rural, sob quaisquer de suas modalidades, serão estabelecidos pelo Conselho Monetário Nacional, observadas as disposições legais especificas, não expressamente revogadas pela Lei, inclusive o favorecimento previsto no art. 4º, inc. IX, da Lei 4.595, de 31.12.1964, ficando revogado o art. 41, do Dec. – lei 2.611, de 20.09.1940”. Assim, quando o agente financeiro pretende praticar créditos especiais, se obriga a submeter-se a toda a disciplina lançada pela legislação e pelo Conselho Monetário Nacional, a qual se faz presente no Manual de Crédito Rural. Valdir De Freitas Junior Pós-graduando em Direito Agrofinanceiro.

Comentários encerrados em 22/05/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.