Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Acima do peso

Justiça gaúcha condena carroceiro por maltratar cavalo

A Turma Recursal do Juizado Especial Criminal do Rio Grande do Sul confirmou a condenação de um homem a prestar serviços à comunidade, por maltrato animal. Ele agrediu um cavalo e o forçou a puxar uma carroça com excesso de peso.

Conforme a denúncia do Ministério Público, o carroceiro atingiu a cabeça e a cara do bicho com um facão. Ele foi levado à delegacia por um policial que passava no local.

O relator do recurso, juiz Alberto Delgado Neto, destacou que a existência do fato e a sua autoria ficaram comprovadas pela prova testemunhal e pelo boletim de ocorrência. “Houve consciente e evidente prática de maus tratos a animal domesticado, que inclusive estava muito debilitado em função das agressões desmedidas praticadas pelo réu, conforme depoimento do policial militar”, considerou.

Os benefícios da transação penal e da suspensão condicional do processo não foram propostos ao réu, porque ele já tem antecedentes criminais.

Processo 71001193531

Revista Consultor Jurídico, 12 de maio de 2007, 10h46

Comentários de leitores

3 comentários

Parabéns ao Juiz, que demonstrou ser uma pessoa...

cezystar (Serventuário)

Parabéns ao Juiz, que demonstrou ser uma pessoa sensível à causa dos animais, que não sabem se expressar, mas que tanto nos servem... No dia em que a Humanidade acordar e perceber a importância, e que devemos respeitar os seres ditos irracionais, talvez seja tarde demais...

Lamentável... O julgamento desse tipo de açã...

Frank Ricci Rocha (Comerciante)

Lamentável... O julgamento desse tipo de ação no Brasil é considerável um LUXO de eficiência. Sinto pena em perceber que existem tantas crianças que também são mal tratadas e não tem a mesma oportunidade de acesso a justiça. Vejo um contraste social grave.

PARABÉNS ano nobre magistrado Alberto Delgado N...

Manente (Advogado Autônomo)

PARABÉNS ano nobre magistrado Alberto Delgado Neto.

Comentários encerrados em 20/05/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.