Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Profissão questionada

Fenaj e sindicato de SP desqualificam jornalista assassinado

Por 

Não bastasse o fato de ter sido assassinado em circunstâncias associadas às suas reportagens contra abusos sexuais de políticos de Porto Ferreira (SP), que culminaram na condenação em primeira instância de 10 acusados em 2004, o jornalista Luiz Carlos Barbon Filho, agora, mesmo estando morto, está sendo perseguido pela Fenaj e pelo Sindicato de Jornalistas de São Paulo.

Justamente no momento em que jornalistas brasileiros e entidades como a Abraji unem seus esforços para manter a atenção da opinião pública sobre o caso, conseguindo o apoio rápido de outras entidades nacionais, como a OAB, e também internacionais, como a SIP e o CPJ, a Fenaj e o sindicato paulista preferiram desqualificar Barbon como jornalista em uma nota oficial conjunta divulgada ontem (segunda-feira, 07/05). Vejam os termos dessa manifestação:

“Luiz Carlos Barbom Filho, apesar de se auto-intitular jornalista, não o era de fato e de direito. O jornal Realidade, de sua propriedade, foi fechado pois nunca esteve regularizado e Barbom [sic] Filho não possuía o registro de jornalista, tendo sido, inclusive, processado por exercício ilegal da profissão. No entanto, esses fatos não justificam nenhum ato de violência contra sua pessoa e tampouco desabonam as denúncias que eventualmente tenha feito contra desmandos de autoridades ou grupos.”www.jornalistasp.org.br

Este deveria ser um momento de união de esforços. Mas, não. Essas duas entidades sindicais preferem erguer suas bandeiras sectárias e propalar o ranço de sua visão cartorial do que é jornalismo exatamente no momento em que é necessário o apoio de jornalistas e de veículos de comunicação de vários países.

Não foi à toa que o documento "Attacks on the Press — 2001", do CPJ, relacionou a absurda forma de regulamentação profissional da profissão de jornalista vigente no Brasil ao lado dos processos, prisões, assassinatos e outras agressões à liberdade de imprensa www.cpj.org.br.

Ao ler a nota conjunta das duas entidades sindicais, a impressão que dá é que seus autores devem ter cabulado aulas em seu curso de jornalismo. Parecem que não conseguiram até hoje entender que a imprensa tem justamente a função de “watchdog” diante da omissão do poder público naquilo que é de sua competência. Vejam outro trecho dessa manifestação infeliz:

“Para a realização plena dessas condições básicas de liberdade, os jornalistas têm um papel fundamental a cumprir. Isso é óbvio. Mas é doentio pensar que todo cidadão, para poder exercer esses direitos, deva se arvorar à condição de jornalista”.

O que os autores dessa nota não conseguem entender é que — exceto no Brasil, na África do Sul, Arábia Saudita, Síria, Equador, Ucrânia, Tunísia, Congo, Croácia, costa do Marfim e outros poucos países — a liberdade de expressão entendida também como liberdade de informar, e não apenas a liberdade de opinião, deve ser desembaraçada de exigências que impeçam qualquer cidadão de exercê-la plenamente.

Vale lembrar o que dizem Bill Kovach e Tom Rosenstiel em “Os Elementos do Jornalismo”:

“A pergunta que as pessoas deviam fazer não é por que alguém se diz jornalista. O ponto importante é se esse alguém está de fato fazendo jornalismo. Será o trabalho o respeito aos princípios da verdade, à lealdade aos cidadãos e à comunidade de modo geral, a informação no lugar da manipulação — conceitos que fazem o jornalismo diferentes das outras formas de comunicação? A implicação importante disso tudo é esta: o significado de liberdade de expressão e de liberdade de imprensa é que eles pertencem a todos. Mas comunicação e jornalismo não são termos mutáveis. Qualquer um pode ser jornalista, mas nem todos o são. O fator decisivo não é que tenham um passe para entrar e sair dos lugares; o importante está na natureza do trabalho”.

(Bill KOVACH & Tom ROSENSTIEL – Os Elementos do Jornalismo: O que os jornalistas devem saber e o que o público deve exigir” (Tradução de Wladir Dupont). São Paulo: Geração Editorial, 2003, página 151.

Nessa mesma linha, o professor do Instituto Francês de Imprensa, da Universidade de Paris II, Claude-Jean Bertrand, em "A Deontologia das Mídias", de 1997, afirma:

“A excepcionalidade de que goza o jornalismo, dentre as instituições democráticas, consiste em que seu poder não repousa num contrato social, numa delegação do povo por eleição ou por nomeação com diploma ou por voto de uma lei impondo normas. Para manter seu prestígio, e sua independência, a mídia precisa compenetrar-se de sua responsabilidade primordial: servir bem à população”. [Claude-Jean BERTRAND – A Deontologia das Mídias (Tradução de Maria Leonor Loureiro). Bauru: Editora da Universidade do Sagrado Coração, 1999, págs. 22-23.].

Daria para mostrar ao autores dessa espúria nota oficial dezenas de ensinamentos de consagrados pesquisadores e mestres do jornalismo, mas seria perda de tempo, pois a ética deles em relação ao debate de idéias é a da evasão, sempre sob o argumento de que tudo isso só serve para defender os “interesses dos patrões”.

Mas, para aqueles que vêm claramente o desvio de finalidade que assola nosso sindicalismo, fica a pergunta: por que o jornal Realidade, de Luiz Carlos Barbon Filho, foi fechado justamente no final de 2004? Por que isso ocorreu nesse ano, em que, por causa de suas reportagens, foram condenados os seis vereadores, três empresários e um funcionário público municipal a penas que variam entre 4 e 45 anos de reclusão por corrupção de menores, favorecimento da prostituição e formação de quadrilha ou bando?

www.conjur.com.br

Não foram acusações sem fundamento. Apenas oito dos dez condenados foram absolvidos em segunda instância, em outubro de 2005. Poucas das penas aplicadas foram reduzidas, e outras, de até 45 anos de prisão, foram mantidas. www.conjur.com.br.

Por que, em vez de perseguirem jornalistas como Luiz Carlos Barbon Filho, essas duas entidades sindicais, que dispõem de departamento jurídico e infra-estrutura administrativa, não denunciam a prática descarada de publicação de matérias pagas por parte de centenas de jornalecos vagabundos que existem no Estado de São Paulo? Só porque quase todos eles têm a chancela de um "jornalista responsável" que aluga seu MTb?

“Doentio”, em vez do que afirma essa nota oficial repugnante, é o corporativismo que pisa cegamente sobre o preceito ético profissional de estar sempre ao lado do interesse público. “Doentio”, na verdade, é o desrespeito ao preceito jornalístico de jamais frustrar o debate de idéias. “Doentio” é o limitado horizonte da visão de mundo predominante em nosso sindiclismo, que ignora o que é o jornalismo fora do ridículo círculo das regulamentações profissionais nos países apontados acima.

“Doentio”, portanto, é o desvio deontológico que revela outras prioridades neste momento em que deveria prevalecer a união de esforços para esclarecer o assassinato de Luiz Carlos Barbon Filho. A nota oficial da Fenaj e do sindicato de São Paulo merece repúdio.

Texto originalmente publicado no blog Laudas Críticas

 é jornalista.

Revista Consultor Jurídico, 8 de maio de 2007, 13h02

Comentários de leitores

13 comentários

Interessante om momento em que vivemos, desqual...

Bira (Industrial)

Interessante om momento em que vivemos, desqualificamos denunciantes de pedofilia, mas, hum...

Até então conhecida pela qualidade e beleza d...

tyba (Advogado Autônomo - Empresarial)

Até então conhecida pela qualidade e beleza de suas cerâmicas, Porto Ferreira hoje é vista mundialmente como berço da pedofilia, da prostituição infantil, da impunidade, do desvio do serviço público e do crime de pistolagem. Junto das informações históricas e geográficas, tem-se na Wikipédia a cronologia do escândalo. Um garçom, quatro empresários e cinco vereadores são os responsáveis pela vergonhosa imagem. A esta altura, pouco adianta os mais de 100 anos de história. Ou a honradez da maioria dos quase 60 mil habitantes. Um vereador, quatro empresários e cinco vereadores jogaram por terra os sonhos de uma cidade agora desrespeitada. A idéia de acumpliciamento de parte da população com os crimes — e daí o desrespeito — se materializa por meio da reeleição de um vereador condenado a 45 anos de prisão, com ele na cadeia. A morte sem choro e sem protesto (exceto da família) do jornalista que revelou o escândalo para o país e o mundo mostra uma população medrosa ou conivente, reprimida ou covarde. O Sindicato dos Jornalistas de São Paulo e a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) também oferecem uma contribuição significativa para o descrédito do município. Num momento de dor, em que o jornalista sem registro já pagara com a vida pela arriscada profissão, as duas entidades —símbolo de lucidez e liberdade nacionais — vêm a público para enxovalhar a memória do porto-ferrense morto. Pior do que isso. Agem como se quisessem traçar para o perfil da população de uma cidade doentia: de um lado, pedófilos e assassinos. Do outro, trapaceiros processados inclusive por elas próprias. A favor do município, porém, emerge este juízo: a Fenaj e o Sindicato de São Paulo não devem ser levados tão a sério. Aparentemente, se guiam farejando anuidades. À cata delas ignoram até a liminar do ministro Gilmar Mendes, do STF, garantidora aos precários do exercício da atividade. Para o Brasil e a comunidade internacional, o JORNALISTA (em caixa alta) Luiz Carlos Barbon Filho é um herói. Que dele se orgulhem a mulher, os filhos, os amigos e toda a família. E os porto-ferrenses livres para reverenciar o conterrâneo valente. Quanto a Porto Ferreira, seu destino vai depender da Justiça. Se os tribunais continuarem benevolentes com criminosos porqueiras — mas graúdos para o modesto padrão do lugar — talvez o município leve outros cem anos para tirar a mancha da história. Enfim, minha homenagem ao jornalista Maurício Tuffani. Seu belo texto, esculpido com sabedoria e coragem, me leva a experimentar uma emoção diferente. A mesma que diante do ocorrido povoa o espírito dos que lutam pela liberdade de expressã. Uma mistura de tristeza e de alma lavada.

Pode deixar, busca-la-ei o mais cedo possível...

Richard Smith (Consultor)

Pode deixar, busca-la-ei o mais cedo possível, com o emir sáder, com a marilena chauí ("quando o lulla fala, tudo se ilumina!") e com o homem do "Ponto G", tá?

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 16/05/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.