Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Credibilidade em risco

Julgamento sobre concurso anulado para juiz no AP é suspenso

O julgamento que trata da anulação de concurso público para juiz substituto do Amapá foi interrompido por pedido de vista do ministro Marco Aurélio, do Supremo Tribunal Federal. O Mandado de Segurança é de seis candidatos aprovados para o cargo, mas impedidos de assumir por decisão do Conselho Nacional de Justiça, que invalidou o concurso em agosto de 2006.

Os candidatos argumentam que os princípios constitucionais do contraditório e da ampla defesa foram lesados, uma vez que não puderam se manifestar perante o Conselho.

Alegam também que o autor da representação no CNJ (que, segundo os advogados, não tinha qualquer interesse na causa) teria sugerido um possível favorecimento aos aprovados por serem todos amapaenses e possuírem algum vínculo com o TJ-AP.

Para a relatora, ministra Cármen Lúcia, não houve cerceamento à defesa. Ela ressaltou que a sessão, que anulou o concurso, teve sua pauta tornada pública. A defesa escrita do TJ também foi considerada no procedimento. Não teria havido recusa de sustentação oral, muito menos lesão aos princípios do contraditório e da ampla defesa.

Quanto ao fato do Conselho ter decidido pela anulação do concurso, mesmo após o requerente ter sido desqualificado, a relatora afirmou que esta possibilidade encontra previsão nos artigos 95 e 97 do regimento interno do CNJ. A decisão do CNJ teria sido fundamentada no comprometido da lisura do concurso.

Acompanharam a relatora até o momento, os ministros Ricardo Lewandowski, Joaquim Barbosa e Carlos Ayres Britto.

MS 26.163

Revista Consultor Jurídico, 4 de maio de 2007, 0h01

Comentários de leitores

1 comentário

Já começa por aí! O cuncurso para juízes do Rio...

 (Advogado Autônomo - Civil)

Já começa por aí! O cuncurso para juízes do Rio é denunciado por apadrinhamento. Isto quer dizer, já entram, alguns, de forma ilícita, por atos, de alguns que já são juízes, desonestos. Precisamos de uma constituição que seja como a citada por Capistrano. A falta de vergonha na cara é tanta que nos envergonha. E envergonhados ficamos, porque nada melhora, pois o povo brasileiro é muito pacífico e acomodado. Não é p'rá menos, isso já vem da época de Rui, que dizia sentir vergonha de certos atos já daquelas paragens.

Comentários encerrados em 12/05/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.