Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Livre informação

Jornal se livra de pagar indenização para juiz Beethoven

Se uma notícia publicada está de acordo com os fatos ocorridos e dentro dos limites do direito de informação, não há como impor indenização por danos morais. O entendimento é da 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça. Os ministros confirmaram a decisão da Justiça paulista, que livrou o Jornal de Jundiaí de reparar o juiz Luiz Beethoven Giffoni Ferreira.

O jornal publicou uma série de notícias que mostravam o juiz, à época titular da Vara de Infância e da Juventude de Jundiaí, em uma suposta ligação com a facilitação de adoções internacionais de crianças. O juiz entrou com ação de indenização por danos morais alegando que o jornal publicou reiteradas reportagens ofensivas à sua honra.

A primeira instância condenou o jornal a pagar mil salários mínimos de indenização. Considerou que o periódico “extrapolou o seu poder-dever de informar e não se ateve aos fatos. Publicou impressões pessoais de terceiros interessados em denegrir a imagem do autor, de forma que deve responder pela divulgação desses fatos, já que não cuidou de preservar a honra e a dignidade daquele”.

O jornal apelou. O Tribunal de Justiça de São Paulo acolheu o pedido. Entendeu que “as matérias publicadas pelo jornal editado pela ré, nas edições indicadas (...), não desbordaram de puro sentido narrativo de matéria fática consistente nas reações de pessoas insatisfeitas com a atuação do magistrado, não resvalaram para as subscrever ou apoiar, não emitiram juízo de valor, não encamparam nenhum dos ataques perpetrados contra o autor, por isso descabendo responsabilizar a ré, por suposta conduta ilícita, para que houvesse descambado”.

O juiz recorreu ao STJ. “Se as instâncias ordinárias consideraram que as matérias publicadas estavam de acordo com os fatos ocorridos, dentro, portanto, dos limites do direito de informação, avaliando a prova dos autos, não há como impor a indenização. Casos há, é certo, em que mantida a base empírica do acórdão, pode e deve esta Corte decidir em outra direção sem invadir a Súmula 7. Mas esse não é o caso dos autos”, afirmou o relator, ministro Carlos Alberto Menezes Direito.

REsp 655.357

Revista Consultor Jurídico, 3 de maio de 2007, 10h21

Comentários de leitores

2 comentários

Pelo que eu me lembro do caso, fizeram uma ca...

Dijalma Lacerda (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Pelo que eu me lembro do caso, fizeram uma carga tremenda contra o Juiz na época. Sei lá essa história de jus narrandi ! Será ? Lembro-me muito bem, foi carga pesada mesmo, e a quem lia parecia uma guerra declarada contra o magistrado. O que causa espécie é que os próprios pares do magistrado tenham expiado os pecadilhos dos exageros jornalísticos, entendendo-os inexistentes. Enfim, essa é a nossa Justiça ! Do Ratinho eu não estou sabendo. Por favor, Luismar, me diga.

Vixe! O Ratinho é que se deu mal nessa.

Luismar (Bacharel)

Vixe! O Ratinho é que se deu mal nessa.

Comentários encerrados em 11/05/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.