Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Revelia involuntária

Parte se atrasa para audiência e é julgada à revelia

O atraso no comparecimento à audiência de conciliação e instrução custou à Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo o pagamento de indenização por dano moral no valor de 100 salários nominais a uma professora e socióloga, além da determinação de reintegrá-la a seus quadros. A fundação tentou, sem êxito, reverter a aplicação da revelia no Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (SP) e no Tribunal Superior do Trabalho. Os ministros rejeitaram o Recurso de Revista.

A reclamação trabalhista foi ajuizada pela professora e chefe do Departamento de Sociologia, com pedido de reintegração, diversas verbas trabalhistas e indenização por dano moral. Segundo ela, a demissão fora irregular, porque não teria observado as disposições regimentais da Escola de Sociologia e Política de São Paulo, mantida pela fundação.

A justificativa para o pedido de indenização por dano moral foi o fato de a notícia de sua demissão haver sido afixada no mural da fundação, juntamente com a informação de que a abertura de novas contratações estava despertando o interesse de “mestres e doutores com excelente formação, o que sem dúvida possibilitará um aumento significativo na qualidade dos cursos oferecidos”. Para a professora, isso significou “ter sido considerada professora sem excelente formação, não estando à altura da qualidade dos cursos oferecidos”.

De acordo com a sentença da 42ª Vara do Trabalho de São Paulo (SP), os representantes da fundação chegaram à audiência de conciliação após o seu término, quando a ata já estava assinada. O juiz aplicou a revelia e a confissão ficta – quando a parte, tendo sido intimada, não comparece nem apresenta defesa, admitem-se como verdadeiros os fatos sobre os quais deveria se manifestar – e acolheu os pedidos de reintegração, pagamento de verbas trabalhistas e indenização por dano moral.

No recurso ordinário, a fundação alegou que o processo foi apregoado pela Vara antes do horário marcado. Seus representantes teriam chegado na hora correta – 9h40 – e aguardaram o pregão. “Passados vários minutos sem que nada ocorresse, foram informados que a audiência já havia começado”, argumenta. O único documento apresentado, porém, foi uma declaração da secretaria da Vara de que os representantes teriam chegado às 9h43.

O TRT/SP manteve a revelia. “Como é público, há uma série de desconfianças quanto aos alegados pretextos dados aos atrasos, na Justiça do Trabalho: dificuldades no trânsito, falta de conhecimento das partes, do local das Varas, impossibilidade de locomoção, doenças de última hora, mal súbito dos patronos e partes, horários cumulativos de audiências e tantos outros fatos corriqueiros que assolam as audiências”, observou o acórdão regional.

No TST, a fundação sustentou que a manutenção da pena de revelia é contrária ao entendimento de outros Tribunais. Questionou, ainda, a competência da Justiça do Trabalho para julgar o dano moral, “muito menos por fatos acontecidos após a rescisão contratual”.

O relator do recurso, ministro Horácio Senna Pires, ressaltou em seu voto que a decisão do TRT/SP se limitou a analisar a revelia, não se pronunciando a respeito da incompetência da Justiça do Trabalho. A ausência de prequestionamento na instância inferior impede o exame da matéria no TST.

Com relação à revelia, o ministro destacou que a decisão está de acordo com o entendimento do TST, uma vez que a Orientação Jurisprudencial 245 da SDI-1 dispõe que “inexiste previsão legal tolerando atraso no horário de comparecimento da parte na audiência”.

RR 49168/2002-900-02-00.0

Revista Consultor Jurídico, 2 de maio de 2007, 13h40

Comentários de leitores

5 comentários

REVELIA - Este instituto deveria ser extinto no...

Julius Cesar (Bacharel)

REVELIA - Este instituto deveria ser extinto no direito patrio. Se alguém atrasa para a audiência , ele não deve ser declarado revel e as alegações da parte adversa ser consideradas verdadeiras. O processo deveria seguir o seu tramite normal. A parte presente deveria ser ouvida e marcada nova audiência para se ouvir a parte faltosa. Se esta vier a faltar novamente o processo prossegue até sentença final. Não é só a parte que se atrasa para audiências. Advogados, Juizes e Promotores também. Assim, não é justo que a lei somente puna a parte com o instituto da revelia. Deveria punir tambem os advogados, magistrados e promotores ou enão extinguir o instituto da revelia.

Não entendo porque a surpresa. Não só na Justiç...

Neno (Advogado Autônomo)

Não entendo porque a surpresa. Não só na Justiça do trabalho, mas também na estadual, prazos e horários somente se aplicam aos advogados. Que mandou querer trabalhar com "Deuses"?

Ouvi dizer que o juiz não atrasa. Quem atras...

Manente (Advogado Autônomo)

Ouvi dizer que o juiz não atrasa. Quem atrasa é o RELÓGIO. rsrsrsrssrsrsrsrssrsrsrssrs

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 10/05/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.