Consultor Jurídico

Comentários de leitores

9 comentários

Como disse o presidente da OAB de São Paulo, Dr...

ruialex (Advogado Autônomo - Administrativa)

Como disse o presidente da OAB de São Paulo, Dr. Flávio D'Urso, é hora de começar a ir no bolso das autoridades. Sugiro ao jornalista que contrate um advogado para ajuizar ação civil contra o autor da injusta decisão judicial. Muito estranha essa tese de "dolo eventual", quando em realidade o jornalista parece ter sido vítima de plágio. E o Tribunal de Justiça de São Paulo, não vai tomar providências contra esse juiz de Bragança Paulista. Vai permitir que serviços jurisdicionais dessa qualidade continuem sendo prestados? Nicolas, Advogado

Parabéns, querido Prof. Rogério, nós que fomos ...

lucineia (Professor)

Parabéns, querido Prof. Rogério, nós que fomos suas alunas sabemos o quanto o senhor é uma pessoa honesta e correta e que não tem medo das arrogâncias. Da ex-aluna, Luci OBS: para saber mais da coragem do Prof. Rogério Basali e de sua honestidade: Ensandecido (Jornal "O Globo"): Os pefelistas estão preocupados com o estado emocional do líder nas pesquisas para o governo de Brasília, o deputado José Roberto Arruda. Na inauguração de um campus da Universidade de Brasília (UnB) em Planaltina, Arruda reagiu com xingamentos quando o professor de filosofia da instituição Rogério Basali perguntou: “Você é o mesmo político envolvido no escândalo de violação do painel do Senado?”

É por essas e outras...

Luís da Velosa (Bacharel)

É por essas e outras...

Leitor pergunta se ocorreu nepotismo: Basta ...

themistocles.br (Advogado Sócio de Escritório - Administrativa)

Leitor pergunta se ocorreu nepotismo: Basta ler a notícia por inteiro, onde há transcrição de trechos da decisão do TCU de que houve "afronta à moralidade administrativa". A tese da sentença que condenou o jornalista de "dolo eventual" na publicação em um jornal que nem conhecia é simplesmente ridícula. Se não fosse trágica, certamente entraria no anedotário forense. Reflexos do ensino jurídico? Quem sabe? Ou seja, jornalista além de ser vítima de plágio, acaba sendo condenado porque um jornaleco qualquer resolveu publicar sem sua autorização um artigo jornalístico publicado em outro órgão de imprensa. E vai saber a serviço de quem estaria esse jornaleco de Bragança Paulista, conhecida "terra da linguiça". Parabéns, Bragança Paulista! Essa é a imagem que você merece. Só podia ser a justiça brasileira, se é que isso pode ser chamado de "justiça". Certamente, os episódios envolvendo Bragança Paulista e Campinas já são notícias de longa data e ainda vão dar muito o que falar. Obviamente, as coisas não vão poder ficar por isso mesmo. As vítimas, vítimas de verdade, devem reagir a esse estado de injustiça generalizada naquela região, onde parece que se concentrou o que de mais bizarro pode ser encontrar na justiça ou injustiça brasileira. Decisões patéticas não causam risadas, causam graves consequências, aliás, bem graves. É brincar com fogo; pode explodir. E o nepotismo, houve alguma responsabilização? Não se sabe de nada neste sentido. E o Ministério Público Federal de Campinas? A luta contra a impunidade é através da condenação de inocentes? Cadê as providências contra os envolvidos em nepotismo? Tais envolvidos parecem que estão a vontade, pois aparentemente não respondem pelo nepotismo e ainda processam jornalistas por artigos que não autorizaram publicar e conseguem condenação. Tudo muito estranho! E por falar em Campinas, seria importante o CONJUR divulgar o que quase que diariamente é manchete no jornal "Correio Popular" de Campinas, referente ao um suposto "aluguel milionário" referente ao Ministério Público do Trabalho de Campinas, denunciado por um vereador. E por falar em Campinas, o desembargador do TRT de Campinas, Ernesto Dória, permanece solto e com presunção de inocência. Polícia Federal, serviço de inteligência, Campinas e Região precisam de vocês, novamente. Tomem as providências necessárias para que as bizarrices que acontecem por ali sejam coisas do passado. Repugnante a decisão da justiça federal de Bragança Paulista. Solidariedade ao jornalista.

Plahaçada. Tá na Internet, tá de dominio públic...

allmirante (Advogado Autônomo)

Plahaçada. Tá na Internet, tá de dominio público. Esses juizes são pessimamente formados. Aliás, são até dispensáveis.

E eu já disse antes: em breve a população não v...

Bertolão (Advogado Autônomo - Dano Moral)

E eu já disse antes: em breve a população não vai mais acreditar no poder público em geral. Vai passar a resolver suas pendências por conta própria e ai eu quero ver alguém discursar achando um absurdo...

Toda e qualquer desgraça Nacional emana do Pode...

Luiz P. Carlos (((ô''ô))) (Comerciante)

Toda e qualquer desgraça Nacional emana do Poder Judiciário; se o prefeito não cuida dos hospitais, escolas, idosos, salubridade, moradia, impostos e tributos, só um juiz tem poderes para obrigá-lo a cuidar na forma da lei e ou com lisura e legalidade, se um policial é corrupto, se um político é ladrão, se uma autoridade prevarica, enfim, tudo numa democracia depende deste poder judiciário. Ninguém tem bola de cristal para adivinhar que o candidato mente em suas promessas, mas o judiciário tem poderes para proibi-lo de se candidatar. Depois de eleito, só o judiciário pode intervir e fazer com que se cumpra à Constituição. Reformas constitucionais, alteração de legislação, atos e contratos, licitações, etc., só o judiciário tem poderes para intervir. Nesse caso a miséria nacional se deve aos JUIZES, DESEMBARGADORES, PROMOTORES E PROCURADORES, coniventes com o esquema. “Sem sangue, suor e lagrima não ha mais tempo para o exercício da DEMOCRACIA. Não é ceticismo, não é pessimismo, é a realidade. Os Poderes Públicos constituídos se engalfinharam de tal ordenamento na corrupção, que se tornaram poderosíssimo e neutralizadores dos antídotos democráticos. Ninguém vence com a Justiça pelas próprias razões constitucionais ou legais. Não ha Juiz que resista aos interesses ofertados e se resistir são sumariamente aniquilados pelos corruptos.”

Mas e aí, houve nepotismo ou não por parte do J...

MMello (Promotor de Justiça de 1ª. Instância)

Mas e aí, houve nepotismo ou não por parte do Juiz do Trabalho? Com relação a exceção da verdade, entendo que caberia ao TRF julgá-la nos termos do art. 108, inc. I, letra "a" da CF, anotando-se de que isso já está pacificado na doutrina e jurisprudência.

E VIVA O NEPOTISMO!!!!! Contratar parentes s...

Trans Sem Dente (Outro)

E VIVA O NEPOTISMO!!!!! Contratar parentes sem concurso para trabalhar no Poder Judiciário, no gabinete do marido, apesar de ilegal e imoral, como decidido pelo TCU, não pode ser alvo de divulgação na mídia???? Então a UNIÃO deveria ser processada também, pois o acórdão do TCU que considerou ilegal e imoral foi publicado no Diário Oficial... É realmente lamentável que a exposição de idéias, em um site que restringe a publicação de artigos ali postados somente para fins não comerciais, seja considerada crime caso algum pequeno jornal de intenções não sabidas resolva publicar, depois, sem autorização de ninguém, o texto. Pela notícia, parece que a publicação no site já não poderia ser alvo de punição, pela DECADÊNCIA. Assim, como publicação posterior, sem autorização do autor, pode ser considerada crime? Dessa forma seria admissível que uma suposta notícia publicada pelo Conjur hoje, por exemplo, se for republicada - sem autorização do jornalista - em outro jornal, depois de cinqüenta anos, pode ser considerada crime contra a honra dos que se sentirem ofendidos? Devemos tomar muito cuidado, pois JUSTIÇA ESTÁ CENSURANDO A LIBERDADE DE EXPRESSÃO, coisa que nem mesmo o Governo Lula está conseguindo fazer com facilidade, apesar das diversas fórmulas que se apresentam ao estilo Chaves. Mais cuidado ainda deve ser tomado pelo fato do caso envolver interesses de membros do Poder Judiciário, que, em tese, não estão satisfeitos com a exposição de seus problemas pela mídia... Os jornalistas deveriam se mobilizar para impedir que casos como esse voltem a acontecer, pois o artigo foi publicado sem nenhuma autorização do Autor e, mesmo que essa existisse, relatou uma situação verdadeira, que aparentemente não foi apurada pelo Juiz que julgou o processo, através da Exceção da Verdade. O caso envolvendo a contratação da esposa do ex-Corregedor do TRT15 e o afastamento do Juiz que o processou por isso foi amplamente divulgado por jornais de grande circulação (Folha de São Paulo) e revistas jurídicas eletrônicas especializadas (Conjur): Nepotismo triangular Juiz é processado por contratar a mulher do colega http://conjur.estadao.com.br/static/text/37864,1 Fogo cruzado Juiz que processou corregedor por nepotismo é afastado http://conjur.estadao.com.br/static/text/40408,1 Entidades representativas dos jornalistas, onde estão vocês? CNJ, que providências foram tomadas para punir os Juízes que descumpriram a lei ao contratar seus parentes, quando já existia lei impeditiva? Será que esse país tem jeito?

Comentar

Comentários encerrados em 4/07/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.