Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Explicação financeira

Carreira Alvim prorroga suas férias em mais 30 dias no TRF-2

O desembargador federal José Eduardo Carreira Alvim, que foi preso durante a Operação Hurricane e denunciado no Supremo Tribunal Federal pelos crimes de corrupção e formação de quadrilha, decidiu prorrogar seu afastamento do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (Rio de Janeiro e Espírito Santo). Ele esticou suas férias por mais 30 dias. A informação é do repórter Marcelo Auler, de O Estado de S. Paulo.

Carreira Alvim é acusado de negociar decisões judiciais a favor da máfia dos bingos. Seu período de férias venceu na sexta-feira (15/6). Ele poderia retomar nesta segunda-feira (18/6) seu assento no plenário do TRF-2, mas decidiu continuar em casa.

A decisão foi provocada pelo seu saldo bancário. “Eu antes complementava o salário dando aulas e fazendo palestra e estas fontes secaram. Preciso receber os abonos legais. Por isto, decidi renovar as férias. Foi meramente por questões financeiras”, explicou.

Em sessão na quinta-feira (14/6), o TRF decidiu por 9 votos a 8 não afastar do cargo o desembargador. Antes de pedir a renovação das férias, alguns colegas prometeram não participar de reuniões presididas por ele.

Outro desembargador preso na Hurricane, José Ricardo Regueira, está também de férias até o fim do mês e, por isso, não foi objeto da deliberação de quinta-feira.

A decisão de levar o caso a plenário foi tomada pelo presidente do TRF-2, Joaquim Antônio Castro Aguiar. Ele dizia que não pretendia analisar a situação dos colegas, pois o Conselho Nacional de Justiça tomaria as medidas necessárias.

Acreditava-se que o CNJ afastaria, na terça-feira, os desembargadores do Rio, o ministro Paulo Medina, do Superior Tribunal de Justiça, e o juiz trabalhista de Campinas Ernesto da Luz Pinto Dória até o fim do processo criminal aberto contra eles após a Hurricane. Mas o CNJ, em reunião secreta, optou por estender o prazo de defesa prévia dos acusados até terça-feira (19/6).

Revista Consultor Jurídico, 18 de junho de 2007, 18h38

Comentários de leitores

6 comentários

Todas as provas se baseiam em escutas telefonic...

Habib Tamer Badião (Professor Universitário)

Todas as provas se baseiam em escutas telefonicas que foram carreadas aos autos interpretadas por funcionários da PF!!! A justiça tem que repelir estes documentos pois é função precípua do Magistrado na interpretação das provas!! Quem garante que é a voz do indiciado? Telefones são criados por computação e acusar em cima desta meleca computadorizada é um jogo temerário e ingrato. Sujar o nome de Carreira Alvim é atentar contra a dignidade da Justiá e da Ordem Pública!!!

Conheço os autos que tentam incriminar o Desemn...

Habib Tamer Badião (Professor Universitário)

Conheço os autos que tentam incriminar o Desemnbargador Carreira Alvim e entendo que é inocente e seu afastamento é prejudicial a Justiça!!! Cabeças como Carreira Alvim enobrecem o País e a Justiça!!! Lamento que estejam crucificando um inocente e rogo a Deus para que parem com estas circenses palhadaçados do Estado Policial.

Nem sei em qual “resort” estará sua Excelência ...

Embira (Advogado Autônomo - Civil)

Nem sei em qual “resort” estará sua Excelência pondo-se a salvo dos comentários da mídia. Se ficasse em casa, porém, estaria a salvo do mesmo jeito. O foco da mídia dirige-se todo contra Renan Calheiros, não porque considere o Legislativo mais importante que o Judiciário, mas porque Renan integra a base política de Lula. Depois desse descanso o desembargador Alvim poderá prosseguir sua carreira.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 26/06/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.