Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Integridade física

Adolescentes do Rio podem ser revistados pela polícia

Sustentando a aplicação da Súmula 691, o ministro Joaquim Barbosa arquivou Habeas Corpus impetrado no Supremo Tribunal Federal pela ONG Projeto Legal. O objetivo do pedido era garantir a menores da cidade do Rio de Janeiro, o direito a não serem revistados por policiais. O ministro ainda indeferiu pedido de sigilo do HC, por não haver caso de ato infracional envolvido.

A ONG pedia liminar para restaurar decisão do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. A decisão havia concedido salvo-conduto para três menores, com 4, 11 e 15 anos, extensivo às demais crianças e adolescentes em situação de ameaça de direitos na cidade do Rio de Janeiro. Para isso, tomavam como base o artigo 5º, inciso LXVIII, da Constituição Federal, os artigos 108 e 183 do Estatuto da Criança e do Adolescente e no artigo 647 e seguintes do Código de Processo Penal.

A liminar foi concedida no plantão noturno do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro e cassada parcialmente alguns dias depois. A decisão posterior excluiu da liminar todos os adolescentes, mantendo a decisão apenas para os três menores indicados no Habeas Corpus e para crianças em situação idêntica no Rio de Janeiro.

Os advogados da ONG recorreram ao Superior Tribunal de Justiça na tentativa de rever a restrição. O relator no STJ manteve a cassação parcial da liminar por entender que o pedido se confundia com o mérito do Habeas Corpus. A jurisprudência do STJ prevê que “a provisão cautelar não se presta à apreciação da questão de mérito, por implicar exame prematuro da matéria de fundo, de competência da turma julgadora”. Dessa decisão, a ONG recorreu ao Supremo.

Segundo o relator, ministro Joaquim Barbosa, “é inviável o writ impetrado em face de indeferimento de liminar por relator de outro Habeas Corpus, em tribunal superior, sob pena de supressão de instância e violação das regras de competência”.

Barbosa salientou que tal entendimento, consolidado pela Súmula 691, só pode ser superado em caso de decisão flagrantemente ilegal. No entanto, ele revela que este não é o caso do processo. “Assim, como a superação do entendimento firmado na Súmula n° 691 exige não só a plausibilidade jurídica do direito invocado como, também, a flagrante existência de decisão teratológica, nego seguimento ao Habeas Corpus, nos termos do artigo 21, parágrafo 1º, do Regimento Interno do Supremo Tribunal Federal, ficando prejudicado o pedido de liminar”, entendeu o relator.

O ministro negou pedido da ONG Projeto Legal para a decretação de sigilo do Habeas Corpus, com fundamento no artigo 143 do Estatuto da Criança e do Adolescente. “Indefiro o requerido, por não ser hipótese de ato infracional praticado por menor de idade”, concluiu.

HC 91.488

Revista Consultor Jurídico, 3 de junho de 2007, 0h00

Comentários de leitores

1 comentário

----- Original Message ----- From: Luiz Perei...

Luiz P. Carlos (((ô''ô))) (Comerciante)

----- Original Message ----- From: Luiz Pereira Carlos. To: pgjm.gabinete@mpm.gov.br Cc: pgjm.assessoria@mpm.gov.br Sent: Friday, June 01, 2007 5:26 AM Subject: PETIÇÃO URGENTE - URGENTISSIMO. Rio de Janeiro - Brasil. AO MINISTÉRIO PÚBLICO MILITAR – DISTRITO FEDERAL – BRASILIA. Chefe de Gabinete Dra. Cláudia Márcia Ramalho Moreira Luz Telefone: (61) 3313-6003 Assessoria Lucia Maria Marques de Almeida Telefones: (61) 3223-2948, 3224-2995, 3313-6004 e-mail: pgjm.assessoria@mpm.gov.br Eulálio Pereira Filho Fernando César Queiroz Alessandro Freitas da Rocha Telefone: (61) 3313-6010 Secretárias Daniela Silva Moura Gabriela Dantas Trezi Karla do Nascimento Nóbrega Vanda Aparecida de Oliveira Telefones: (61) 3313-6005, 3313-6006 email: pgjm.gabinete@mpm.gov.br Dra. Cláudia Márcia Ramalho Moreira Luz Luiz Pereira Carlos, .... Vem por meio desta petição, como cidadão residente na cidade do Rio de Janeiro, esclarecer que de acordo com o art. 21,V, da Constituição Federal e art. 137s, em face dos confrontos armados, amplamente noticiados, que excederam os prazos legais a serem considerados como exercício do poder de policia, passam a violação das prerrogativas Federais – ESTADO DE SITIO – que deve ser “imediatamente” declarado com a intervenção militar. Nesse sentido, aguardamos o urgente deferimento deste pedido regimental, visando restaurar o estado de anarquia jurídica e constitucional, a proteção da Democracia e do Estado de Direito. Mui respeitosamente, Luiz Pereira Carlos.

Comentários encerrados em 11/06/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.