Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Profissionais úteis

USP inova e muda grade curricular do curso de direito

Por 

Mais autonomia e opções na escolha do conteúdo e da área que o estudante pretende atuar. Essa é a principal mudança que os alunos da faculdade de Direito da Universidade de São Paulo irão encontrar quando ingressarem na próxima turma, em 2008. A nova estrutura curricular, aprovada em maio, traz mais disciplinas optativas e a possibilidade de o estudante montar um currículo com assuntos mais específicos, ainda no início do curso.

“É uma grade mais dinâmica que permite o aperfeiçoamento do aluno e um novo modo de pensar”, diz João Grandino Rodas, diretor da Faculdade de Direito da USP. “O que buscamos, a médio prazo, são métodos mais efetivos, avaliações mais rígidas, para que possamos formar profissionais mais bem preparados”.

Na grade curricular antiga os quatro primeiros anos eram gerais. Somente no último ano do curso era possível escolher a área de especialização. A partir de agora, das 2.600 horas de aula do curso 40% serão escolhidas pelo aluno entre disciplinas de formação complementar e 60% devem ser obtidos nas disciplinas de formação fundamental (obrigatórias). O estudante poderá escolher a especialização, de acordo com seus interesses.

“É uma boa iniciativa que vem para melhorar a formação do aluno. Abre um leque de possibilidades para que ele se especialize na área de seu interesse. Isso irá reforçar sua posição profissional no mercado de trabalho”, diz Álvaro Villaça Azevedo, diretor da Faculdade de Direito da FAAP.

Esse tipo de especialização já ocorre na Europa e nos Estados Unidos. Nas universidades americanas, por exemplo, os alunos de direito podem escolher 90% das disciplinas que querem cursar. Dessa forma, eles já saem da faculdade com a especialização definida.

Outra novidade no curso da USP é o aproveitamento de atividades culturais, extensão universitária e de pesquisa. Passa a ser possível, também, a utilização de créditos em outros cursos da instituição, que possibilitam a formação interdisciplinar.

Na opinião do Presidente da comissão de exame da OAB de São Paulo, Braz Martins Neto, o novo currículo é um grande avanço. “Para o ensino mercantilizado que temos no Brasil, essa iniciativa apresenta um horizonte para o profissional de direito”.

Para acompanhar a mudança e conseguir aproveitar as novas possibilidades, a carga das disciplinas obrigatórias será remanejada, de modo que o aluno consiga cursar as disciplinas que escolher. Além disso, a proposta é que as salas de aula tenham menos alunos, cerca de 50 por turma.

De acordo com João Grandino, a mudança reflete o objetivo da faculdade de formar profissionais úteis para a sociedade, com conhecimentos humanísticos e interdisciplinares e não puramente técnicos.

“Estamos repensando o processo educativo jurídico no Brasil. Sabemos que é um processo longo. Mas acreditamos que com classes menores, aulas mais pessoais e, principalmente, a escolha das matérias, o interesse dos alunos pelos estudos irá aumentar”, declarou Grandino.

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 29 de julho de 2007, 0h00

Comentários de leitores

2 comentários

Dada a opção pela matéria que melhor interessa...

Lívio Aquino (Bacharel)

Dada a opção pela matéria que melhor interessa ao aluno e partindo como regra imposta na grade curricular mister seria que o exame da ordem, possibilitasse avaliação dentro das especializações anteriormente escolhidas.Não faz sentido especializar-se antes do exame e ser avaliado de forma genérica.

Quando comecei meu curso de Direito, em 1975, t...

Luiz Guilherme Marques (Juiz Estadual de 1ª. Instância)

Quando comecei meu curso de Direito, em 1975, tínhamos as matérias obrigatórias e algumas poucas opcionais. Por mais que os alunos quisessem montar seus currículos atendendo a interesses pessoais, não havia como fugir da programação limitativa imposta por quem organizava o currículo básico... A grande liberdade de escolha que a USP concederá significa um imenso progresso no ensino do Direito. Afinal de contas, cada aluno visa aprender determinadas matérias na Faculdade de Direito. E cada aluno tem seus propósitos particulares para depois dela. Desde antes de entrar na Faculdade de Direito, minha meta era futuramente ingressar na magistratura estadual. As matérias que procurei estudar melhor foram Civil, Penal, Comercial, Processo Civil e Processo Penal, relevantes para o dia-a-dia daquela profissão. As demais não me interessavam tanto quanto aquelas. Mas nem todos alunos escolherão a magistratura estadual... Os destinatários dos cursos de Direito são os alunos, obviamente. Então, aos alunos deve ser dada a possibilidade de montarem seus currículos. O grande problema para a implantação generalizada do novo programa da USP é a carência de professores. Se, para a maioria das Faculdades de Direito funcionar, contratam-se muitos professores sem grande conhecimento das matérias mais corriqueiras, imagine-se onde se conseguirão professores, em número suficiente, para disciplinas como Direito Ambiental, Direito Comparado, Direito Comunitário, Formas Alternativas de Resolução de Litígios, Informática Jurídica etc.? Pelo fato do magistério ser muito mal remunerado, a maioria dos professores encara o magistério como bico... Todavia, a novidade que será implantada pela USP, que parece ter-se baseado nos modelos americano e europeu, já é um grande passo, que deverá ser seguido, gradativamente, pelas outras entidades de ensino jurídico.

Comentários encerrados em 06/08/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.