Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Roedores no STF

Supremo Tribunal Federal é invadido por ratos e ratazanas

Os funcionários e freqüentadores do Supremo Tribunal Federal, Corte que recentemente vem se dedicando a inquéritos de grande repercussão, como o do mensalão, foram surpreendidos nos últimos dias com a convocação de uma campanha de combate a ratos e ratazanas.

Na intranet — rede interna de computadores — do Supremo, há informações mais detalhadas sobre a campanha. No texto divulgado pelo tribunal, o chefe da Seção de Limpeza e Conservação, Juacílio Pereira Lima, informa que já é realizada uma dedetização trimestral nas dependências do Supremo.

As principais preocupações da mais alta corte do país são ratos e escorpiões, porque a dedetização tem maior efeito sobre as formigas e baratas. “Os ratos chegam ao tribunal pelo lado de fora dos anexos, em frente à via S2, onde estão ocorrendo a reforma no Tribunal de Contas da União (TCU) e obras da Companhia Energética de Brasília (CEB), o que acumula uma grande quantidade de lixo”, informou o STF. As informações são de Estado de S. Paulo.


Revista Consultor Jurídico, 29 de julho de 2007, 10h37

Comentários de leitores

7 comentários

Ué? Ratazanas no STF, qual é a novidade?!!

Richard Smith (Consultor)

Ué? Ratazanas no STF, qual é a novidade?!!

É , o negócio tá feio , deveriam também acabar ...

Dirceu Lopes Machado (Investigador)

É , o negócio tá feio , deveriam também acabar com as ratazanas no stj ,tj , no congresso , infraero ,no p. executivo ,legislativo e judiciário. Esses órgãos devem ser dedetizados constantemente , não é possível conviver com esses animais...eles transmitem doenças que podem levar a loucura e até a morte , é um perigo !!!

O ABRIGO NATURAL DOS POBRES ROEDORES

gilberto prado (Consultor)

O ABRIGO NATURAL DOS POBRES ROEDORES

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 06/08/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.