Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Povo cansado

Liderados pela OAB, entidades lançam Movimento Cívico

Um grupo de entidades da sociedade civil, lideradas pela OAB-SP, lança na sexta-feira (27/7) uma campanha publicitária chamada Movimento Cívico pelo Direito dos Brasileiros. A intenção do grupo é “sensibilizar” os brasileiros a pararem durante um minuto, às 13 horas do dia 17 de agosto, quando o acidente com o avião da TAM completará 30 dias. O slogan do movimento é “cansei”.

“Não se trata de um ato político, mas de uma manifestação cívica de cidadania e de amor ao Brasil”, afirma Luiz Flávio Borges D’Urso, presidente da OAB SP. A articulação inicial foi feita por um grupo de empresários, entre eles João Dória Jr., organizador de eventos, Sérgio Gordilho, presidente da agência África, e representantes da Fiesp. Mas só a OAB vai "assinar" os comerciais.

O protesto silencioso deverá reunir artistas, personalidades, empresários, formadores de opinião e representantes de várias correntes religiosas em frente ao prédio da TAM Express, em São Paulo. O grupo acredita que o gesto será replicado em outras cidades.

Na campanha, as peças publicitárias mostrarão pessoas de todas as idades, raças e classes sociais descrevendo situações e fatos que contribuem para a sensação de “caos”.

No site, também será possível fazer comentários e divulgar ações programadas para o dia 17 de agosto. A meta é gerar um fórum virtual que fomente a manifestação democrática.

As peças não levam a assinatura de agências ou produtoras porque resultam da contribuição voluntária de publicitários, câmeras, fotógrafos, atores e produtores. Os organizadores não querem que o movimento seja caracterizado como antigoverno. No entanto, os "alvos" declarados (crise aérea, corrupção, violência) estão relacionados de forma direta ao poder público.

Revista Consultor Jurídico, 26 de julho de 2007, 20h10

Comentários de leitores

14 comentários

Indignar-se é natural e necessário ao bem comum...

Augusto J. S. Feitoza (Estudante de Direito)

Indignar-se é natural e necessário ao bem comum. O que não se deve tolerar é o casuísmo, o oportunismo e a exploração dissimulada e cínica da desgraça e da dor alheia. Disso nós estamos verdadeiramente cansados.

Ainda que este movimento tenha conotação políti...

Issami (Advogado da União)

Ainda que este movimento tenha conotação política - e por que não poderia ter? - é muito bem vindo para todos aqueles que ainda possuem alguma capacidade de indignação. Tachá-lo de elitista ou golpista é, no fundo, uma postura antidemocrática, ou por acaso a classe média não faz parte da sociedade? Será que somente os "pobres", devidamente instrumentalizados pelas esquerdas, possuem o monopólio das reivindicações? Aliás, não vi ninguém pedir a deposição do Lula ou a volta dos militares. O que existem, sim, são críticas - justas ou injustas, políticas ou apolíticas, pouco importa - ao governo: incompetência, corrupção, carga tributária, falta de segurança etc. etc. etc. Ora, isso é democracia! Aos que criticam este movimento, tentem se lembrar do que o PT fazia quando era oposição. Coisa muito pior, pois várias vezes gritaram "Fora FHC"...não estavam sendo golpistas também?

Quando será a Marcha da Família, com Deus e pel...

Haroldo (Advogado Sócio de Escritório)

Quando será a Marcha da Família, com Deus e pela Liberdade?

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 03/08/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.