Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Saída e entrada

Nelson Jobim cede e vai assumir Ministério da Defesa

O ex-presidente do Supremo Tribunal Federal Nelson Jobim (PMDB) aceitou, na noite de terça-feira (24/7), o convite para assumir o Ministério da Defesa em substituição a Waldir Pires (PT). A informação é do jornal Folha de S. Paulo.

Segundo a Folha, o anúncio da saída de Waldir Pires, desgastado por dez meses de crise aérea e pelo acidente com o Airbus-A320 da TAM, que matou quase 200 pessoas no último dia 17, deve ser feito no início da tarde desta quarta-feira (25/7) pelo governo federal.

A reportagem informa, ainda, que foi a terceira abordagem do presidente Luiz Inácio Lula da Silva a Jobim desde a tragédia em Congonhas. Nos dois primeiros convites — feitos em março e na semana passada —, ele recusara a proposta. Jobim ouviu de Lula que terá liberdade para fazer as mudanças que considerar necessárias na Infraero e na Anac (Agência Nacional de Aviação Civil).

Perfil

O ex-ministro também foi parlamentar, relator da Comissão Especial relativa à Denúncia contra o ex-presidente Fernando Collor de Mello, em 1992, e relator da revisão constitucional entre 1993 e 1994. Antes, foi deputado Constituinte, pelo Rio Grande do Sul, entre 1987 e 1991 e ainda líder do PMDB, em 1989. Jobim foi, ainda, ministro da Justiça, durante o governo Fernando Henrique Cardoso, entre janeiro de 1995 a abril de 1997.

Revista Consultor Jurídico, 25 de julho de 2007, 11h03

Comentários de leitores

13 comentários

Embora apenas parte de um artigo de Helio Ferna...

Blasco (Médico)

Embora apenas parte de um artigo de Helio Fernandes na Tribuna da Imprensa , o mesmo não está truncado e nem perde o sentido dado pelo articulista. O Brasil nã merece tanta mediocridade, tanto carreirismo, tanto fisiologismo Lula teve várias oportunidades para substituir Waldir Pires sem desgastá-lo, o que não queria fazer. Podia ter tido a idéia luminosa quando a embaixada do Brasil em Portugal ficou vaga com a saída de Paes de Andrade. Waldir seria grande embaixador, Lula não percebeu. Continuou desprestigiando o amigo, alimentando o caos, Waldir não era chefe ideal, não tinha comando, gosto ou autoridade. Pressionado fortemente pela opinião pública, seqüestrado pela imobilidade, obrigado a mudar de qualquer maneira, o presidente Lula, anestesiado pelo tempo em que ficou apático e negligente, teve que resolver às pressas. E como um presidente não pode nem deve ser enjaulado pelos fatos, acabou se movimentando, escolhendo um novo ministro da Defesa. Imprensado e apressado, indicou, nomeou e empossou um dos mais contraditórios, carreiristas e controversos personagens da vida pública brasileira, Nelson Jobim. Este encenou a farsa da não aceitação. Desde os rumores até à concretização, sabia que ia aceitar. E curiosamente, de passado altamente duvidoso, derrotado e execrado em todos os cargos pelos quais passou e por todos que não conseguiu conquistar, é rigorosamente O HOMEM CERTO PARA O MOMENTO INCERTO. 1 - Traiu a constituinte e a Constituição, "introduzindo" um princípio que não existia nem foi votado. 2 - Deslumbrado pelos holofotes, mais tarde confessaria a fraude. 3 - Mas já estava no Supremo Tribunal Federal, depois de uma passagem pífia e inútil pelo Ministério da Justiça. 4 - Pelo sistema de rodízio chegou a presidente do Supremo, com atuação desgastante, delirante e decadente. 5 - Agiu sempre diferente de um ministro do Supremo, desagradou a todos. 6 - O movimento de magistrados do seu Estado, o Rio Grande do Sul, liderado perante o Supremo pelo grande advogado Ivan Nunes Ferreira, obrigou Nelson Jobim a se aposentar precocemente do Supremo 11 anos antes do obrigatório. 7 - Ficou vagando pelo espaço (aéreo?), derrotado em todas as ambições (e sua vida é cheia de ambições), não conseguiu ser vice de Lula, chefe da Casa Civil, presidente do PMDB, fortemente apoiado e sustentado por Renan Calheiros. Essa é a sua vida. Vejamos o outro lado. Sem nenhuma contradição, tendo mostrado o herói sem nenhum caráter, a conclusão seguinte: se alguém tem condições para controlar o caos e o apagão aéreo, não há dúvida que é Nelson Jobim. Por tudo o que representa, pelo comando que tem o ex-ministro da Justiça e ministro aposentado do Supremo, pode colocar ordem no espaço. Se o seu comando tiver que chegar à truculência, na certa que o fará sem qualquer constrangimento. PS - Como digo no título, Jobim é Nelson sem a importância do almirante que derrotou o gênio Napoleão. Jobim é um Nelson que nem de longe se junta a Mandela, que preso durante 27 anos destruiu o apartheid e o preconceito. PS 2 - Sendo apenas Jobim, disse que não vai "partidarizar", que seu partido não foi consultado. Mas sabe que ele, pessoalmente, se inseriu no mapa geográfico do futuro. Gagarin disse "a Terra é azul". É o sentimento de Jobim, no momento em que volta ao palco. Se obtiver sucesso de crítica e de público, o Brasil ficará satisfeito.

No discurso desta quarta, o Presidente Lula dis...

www.professormanuel.blogspot.com (Bacharel)

No discurso desta quarta, o Presidente Lula disse que nunca da história deste país um Governo fez tanto pelas forças armadas. Afirmou também que as forças armadas sofreram um processo de sucateamento por 20 anos até ele ser eleito. Como Lula assumiu em janeiro de 2003, o período negro das forças armadas, segundo Lula, foi do começo de 1983 até dezembro de 2002. Este período, portanto, engloba os 8 anos de FHC como presidente, mas também o mandato dos aliados Collor e Sarney. Itamar Franco, diplomata de Lula no seu primeiro mandato, também seria um dos acusados de sucatear as forças armadas. Por fim, fechando o período de vinte anos, teria o ex-presidente Figueredo, também ele, segundo Lula, sucateado as forças armadas. Trata-se de uma acusação interessante, já que Figueredo era militar. Pelo que entendi, Lula quis dizer que o caos aéreo é derivado da falta de investimento nas forças armadas em governos anteriores, ou seja, nos mandatos de Figueredo, Sarney, Collor, Itamar e FHC. estes seriam os culpados pelo caos aéreo, não Lula. De concreto, no entanto, sabemos que o atual governo gasta metade do que gastava FHC com segurança aérea. É o tal contingenciamento de despesas.

Um dos principais estelionatários do plano cruz...

allmirante (Advogado Autônomo)

Um dos principais estelionatários do plano cruzado, colaboracionista no STF e em vários governos, não podia ficar ao largo. Agora integra esta corte de medíocres e irresponsáveis.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 02/08/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.