Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Assento livre

Presidente do STJ afasta do cargo prefeito de cidade do Paraná

O prefeito Paulo Homero da Costa Nanni, da cidade paranaense de Jaguariaíva, deve ficar afastado do cargo. Ele responde a diversas ações por improbidade administrativa. O presidente do Superior Tribunal de Justiça, ministro Raphael de Barros Monteiro Filho, atendeu pedido do Ministério Público para suspender a decisão que mantinha o prefeito no cargo.

Nas ações civis públicas, o Ministério Público estadual requer, além do afastamento do prefeito, o bloqueio de suas contas e a indisponibilidade de seus bens. O MP aponta irregularidades em licitações, tais como contratações diretas ou simplesmente simulação de procedimento para dar aspecto de legalidade aos desvios de dinheiro público.

O juiz da comarca de Jaguariaíva determinou o afastamento do prefeito, mas ele tem sido mantido no cargo até agora graças a Mandado de Segurança. Segundo a decisão que mantinha o prefeito no cargo, “a possibilidade de influenciar testemunhas ou de impedir acesso a documentos que permanece no campo hipotético e que não tem respaldo fático preciso não se presta para fundamentar decreto de afastamento de agente público do exercício do cargo, emprego ou função”.

No pedido de suspensão da decisão dirigido ao STJ, o MP alega que a sucessão de decisões decretando o afastamento e depois a recondução ofendem a ordem pública e causam comoção social. “O interesse público está evidente, pois se cogita de lesão à ordem pública em situação de repercussão, que afeta diretamente toda a comunidade de Jaguariaíva”, diz o MP.

Em parecer, o Ministério Público Federal opinou pelo afastamento. “A existência de indícios concretos de malversação do patrimônio público distancia a presunção de legitimidade do mandatário para o exercício do cargo público, comprometendo o voto de confiança dado nas urnas.”

O presidente do STJ, ministro Barro Monteiro, concordou com os argumentos do MP. “Verifica-se, no caso, risco de grave lesão à ordem pública, consubstanciada na manutenção no cargo de agente político sob investigação por atos de improbidade administrativa, na qual há veementes indícios de esquema de fraudes em licitações, apropriações de bens e desvio de verbas públicas.”

Para o ministro, o afastamento do prefeito de suas funções objetiva garantir o bom andamento da instrução processual na apuração das irregularidades apontadas.

SLS 467

Revista Consultor Jurídico, 20 de julho de 2007, 15h15

Comentários de leitores

1 comentário

Esse caso conheço bem, morei em Jaguariaiva, co...

José Brenand (Outros)

Esse caso conheço bem, morei em Jaguariaiva, conheço o vice-prefeito, que é analfa,e fuma no mesmo cachimbo do Prefeito cassado, mas como somos um povo, cuja maioria come xuxu e arrota perú, certamente essa situação, é no Brasil Inteiro, vejam nosso Congresso Nacional; são poucos que escapam, se gritarmos pega ladrão, ficam poucos meu irmão. A culpa de certo, é de todos nos, que nada temos, e temos medo de sermos roubado.Desejamos uma masmorra para os filhos do vizinho, quando esse comete erros, porem o nosso ao bater em uma mulher na rua, acreditando ser ela uma decaida na estrada da vida, o defendemos com unhas e dentes, e o elogiamos. É o fim da picada. José Brenand 65 anos de vida, sem eira e beira, porem sonha com uma civilização mais civilizada, em que corruptos de toda espécie, devam serem presos, e o fruto de sua bandidagem, devolvida ao Estado, para bem de todos

Comentários encerrados em 28/07/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.