Consultor Jurídico

Prisão especial

Suposto chefe de máfia do jogo continua em presídio federal

Fernando de Miranda Iggnácio, acusado de ser um dos chefes da máfia de caça-níqueis, vai continuar preso no presídio federal de Campo Grande (MS). A decisão é do ministro do Superior Tribunal de Justiça, Paulo Gallotti, que negou seu retorno ao sistema prisional do Rio de Janeiro. Iggnácio está preso desde 24 de maio em regime disciplinar diferenciado. O ministro também negou o retorno do preso Rogério da Costa Andrade. Ele é acusado de chefiar outra quadrilha ligada a caça-níqueis

Iggnácio e Rogério respondem a ação na Justiça Federal fluminense por crimes de formação de quadrilha, descaminho e contrabando. Iggnácio foi denunciado pelo Ministério Público por quatro homicídios e duas tentativas de homicídio triplamente qualificado. Os crimes são, supostamente, frutos da disputa entre Iggnácio e Rogério pela hegemonia no negócio ilícito.

Com a liminar, Iggnácio, que é bacharel em Direito, pretendia retornar ao Rio de Janeiro em prisão especial. Alegou que teria “direito público e subjetivo de assistir e participar da oitiva de testemunhas determinadas pela defesa dos demais co-réus”. Ele alegou, também, que os gastos com as viagens de Campo Grande para o Rio de Janeiro seriam elevados.

O Tribunal Regional Federal da 2ª Região negou o pedido. De acordo com o Tribunal, por não ter relacionado testemunhas, Iggnácio não teria o direito de presenciar as audiências dos co-réus. O TRF entendeu improcedente a afirmação de gasto excessivo com viagens, já que Iggnácio teria feito apenas uma até então. Argumentou, também, a alta periculosidade do preso, o que justificaria sua segregação em regime disciplinar diferenciado.

A defesa recorreu ao STJ, mas não obteve sucesso. O ministro Paulo Gallotti considerou que o constrangimento alegado pela defesa não está claro, o que exigirá exame detalhado na análise do mérito do Habeas Corpus por parte do relator.

HC 86038




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 17 de julho de 2007, 13h16

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 25/07/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.