Consultor Jurídico

Máquina de grampear

MJ gastou R$ 25 mil com treinamento sobre Guardião em junho

Pelo menos 24 pessoas, entre agentes da Polícia Federal e colaboradores eventuais, viajaram país afora para participar de treinamentos e cursos de atualização do Guardião. Nessa empreitada, foram gastos cerca de R$ 25 mil com passagens e estadia durante o mês de junho.

Como mostra o site do ministério com as despesas de passagens e diárias. Por exemplo, os “consultores” Evandro Felix, José Cláudio Coelho Nogueira, Loredano de Oliveira Pontes e Marcos Vinícius Sabóia Rattacaso foram enviados no começo de junho deste ano para participar da atualização da administração do Guardião que seria ministrado pela empresa Digitro na cidade de Florianópolis. A consultoria de cinco dias dos quatro especialistas custou R$ 6 mil em passagens e diárias.

Também participou da consultoria em outros dois estados Ruyter Duizit Colin, que instalou o sistema no Ceará em março de 2006. Ele foi enviado depois para o Acre onde colocaria de pé o Guardião no Departamento de Inteligência.

O Guardião, que custa em torno de R$ 700 mil, é um software com funções automáticas como a de monitorar qualquer outra linha que se conecte com o telefone inicialmente visado. Feita a conexão, a segunda linha passa a ser interceptada, antes mesmo que possa ser expedida uma autorização judicial para isso. O sistema permite ainda que as ligações gravadas sejam transferidas em tempo real para algum outro telefone, por exemplo, para o celular do delegado responsável pela investigação. Assim, ele pode ficar da sua casa acompanhando seus investigados.

A Polícia Federal possui mais 28 aparelhos semelhantes ao Guardião. Já as polícias civis estaduais em todo o país têm outros 60. Atualmente, cerca de 20 mil escutas estão em andamento — cinco mil comandadas pela PF e 15 mil, pela Polícia Civil.

Ministério Público

Em junho, a Consultor Jurídico revelou que, enquanto o Supremo Tribunal Federal discute em que medida o Ministério Público pode conduzir investigações no campo criminal, a PGR adquiriu a complexa máquina de interceptações telefônicas.

O ex-procurador-geral da República Cláudio Fontelles admitiu em junho que a Procuradoria Geral da República também comprou o Guardião. “Foi adquirido dentro do contexto da Operação CC5”, disse Fontelles, que dirigia a procuradoria à época em que o equipamento foi comprado em 2004. Concentrada no Paraná, essa força-tarefa investigou suspeitas de ilícitos como crime contra o sistema financeiro, evasão de divisas, formação de quadrilha e sonegação fiscal.

Não é só a PRG que comprou a máquina de grampear. Como também noticiou a Conjur, o Gaeco (Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado) de Mato Grosso já usou o Guardião em pelo menos duas operações este ano. Ele foi comprado em dezembro do ano passado, por R$ 413 mil, da empresa Dígitro Tecnologia, de acordo com documento do Ministério Público. Mato Grosso não é um caso isolado.

“O maquinário é de ponta”, disse o procurador-geral de Justiça de Mato Grosso, Paulo Prado. Ele garante que o sistema é eficiente, embora tenha receio de detalhá-lo por causa da “bandidagem”. E mais: por considerar que quem frauda a lei tem de ser pego de surpresa.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 14 de julho de 2007, 19h29

Comentários de leitores

12 comentários

Num país em que as pessoas dão pouco valor à pr...

João Bosco Ferrara (Outros)

Num país em que as pessoas dão pouco valor à própria intimidade, em que medra a cultura da intromissão, segundo a qual todos se intrometem na vida alheia, e isso é ainda estimulado pelas telenovelas há pelo menos 4 décadas, em que um programa como o BBB goza de uma audiência extraordinária, a despeito de fomentar a alienação onerosa da intimidade, o que no mínimo demonstra desapreço pela individualidade de cada um e a valorização da fofoca, o gosto em saber sobre vida alheia, em dar palpite a respeito do agir de outrem, começo a achar que aqueles que prezam o recato são anormais, os que defendem a intimidade e a privacidade são seres heréticos, que devem ser excomungados pelo resto do povo (ignorante) que vive e se deleita com a intromissão na vida alheia. Que Deus acuda os que não professam dessas mazelas humanas.

Você está certo Leandro. O Guardião não é mági...

www.professormanuel.blogspot.com (Bacharel)

Você está certo Leandro. O Guardião não é mágico. Trata-se de um sistema de recepção e controle de dados. Sem a operadora de telefonia mandar os dados, ele não capta nada. Na sabatina no Senado, o PGR afirmou que, por uma questão de orçamento, o equipamento foi comprado para uso da PF, mas nunca chegou a ser usado. Mas a lenda foi divertida enquanto durou. Por fim, concordo com o Galvão. Não tenho o menor temor de ter minhas conversas interceptadas. Isto fica para os bandidos e seus amigos.

Penso que seja por um acaso o mal entendido, po...

Leandro (Estudante de Direito)

Penso que seja por um acaso o mal entendido, por mim lido no artigo, quando faz menção de que o sistema GUARDIÃO possui a capacidade de "grampear" qualquer telefone antes mesmo de autorização judicial. Mero engano que só ajuda a reforçar esse folclore e que atua mais como propaganda do produto fabricado por tecnologia 100% brasileira... mas que convenhamos, possui seus limites. Na minha visão, penso que o sistema tão somente é um receptor de áudio e dados para ele desviado. Issso é muito aquém do que o artigo afirmou. Penso que o novo produto da DIGITRO se distancia do caminho do Guardião, busca outros orizontes, o que provaria que o Sistema Guardião esta para ser superado em agilidade o que será ótimo para as polícias!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 22/07/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.