Consultor Jurídico

Instâncias superiores

Condenado por desvio de verba na obra do TRT-SP pode recorrer

O Superior Tribunal de Justiça acatou o pedido do empresário José Eduardo Corrêa Teixeira Ferraz, sócio da construtora Incal, para suspender a decisão da vice-presidente do Tribunal Regional Federal da 3ª Região. Ela negou seguimento ao recurso especial e extraordinário apresentados pelo empresário.

O ministro Ari Pargendler ressaltou que a desembargadora do TRF-3 já havia participado do julgamento da ação penal contra o empresário. Portanto, prosseguiu, na condição de vice-presidente do tribunal, não podia apreciar mais uma vez a questão.

Diretor-executivo da Incal, o empresário foi condenado por envolvimento no desvio de R$ 169,5 milhões na obras do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo. Ele foi denunciado, juntamente com o sócio Fábio Monteiro de Barros Filho, o juiz aposentado Nicolau dos Santos Neto e o ex-senador Luiz Estevão.

Em primeira instância, Nicolau dos Santos Neto foi condenado a oito anos de reclusão. Os outros acusados foram absolvidos por falta de provas. O Ministério Público recorreu dessa decisão e a apelação foi julgada parcialmente procedente para condenar os outros envolvidos. Inconformado, o empresário entrou com recursos especial e extraordinário.

Na prática, a decisão do ministro Ari Pargendler impede que corram os prazos previstos para a apresentação dos recursos próprios no STJ e no Supremo Tribunal Federal até que o Habeas Corpus seja julgado.

O processo foi distribuído ao ministro Hamilton Carvalhido, da 6ª Turma do STJ, atualmente em férias coletivas.

HC 87.132

Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 14 de julho de 2007, 0h00

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 22/07/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.