Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Segredo de polichinelo

MP-SP denuncia detetives particulares por grampos ilegais

Por 

O Ministério Público de São Paulo denunciou um grupo de detetives particulares acusados de grampear telefones ilegalmente e de quebra de sigilo fiscal e bancário. Seis dos acusados são da família de Eloy de Lacerda Ferreira, conhecido detetive apontado como líder do grupo. Ao todo, são 21 acusados. Sete deles prestam serviços para empresas de telefone fixo e de celular. De acordo com a denúncia, eles eram pagos pelos detetives para auxiliar na interceptação das conversas telefônicas.

A denúncia foi apresentada por promotores do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado). Dos acusados, 15 foram denunciados por interceptação sem autorização judicial e formação de quadrilha. Os outros seis podem responder aos mesmos crimes, mais quebra ilegal de dados sigilosos.

A investigação começou quando Adriano Ferreira da Silva foi preso por policiais civis “em atitude suspeita”, em outubro de 2005. De acordo com a denúncia, depois de uma revista pessoal eles constataram que ele estava fazendo interceptações telefônicas clandestinas. No carro em que estava, foram encontrados gravadores, fitas cassetes e adesivos da empresa Telefônica.

Adriano teria confessado que fazia grampos a pedido da “família Lacerda”. Em seu site, Eloy Lacerda, “especialista em contra-espionagem”, conta que atua há mais de 25 anos no mercado de investigação particular, com absoluto sigilo e confiança, contando com equipes altamente treinadas e qualificadas para solucionar qualquer tipo de problema nas áreas, comercial, industrial e conjugal. Ele diz que pode resolver os problemas com o uso de alta tecnologia, vinda de países como Japão, Estados Unidos, Israel e também da Europa.

Na denúncia consta que o escritório de Lacerda atuava com outros seis, também especializados em investigações particulares, distribuídos por regiões nobres da capital paulista. Todos foram alvos de operações de busca e apreensão. Gravadores, fitas cassetes, CD´s com gravações telefônicas, relatório de monitoramentos telefônicos já realizados e extratos foram encontrados nos sete escritórios de detetives particulares.

“Restou claro, pois, o vínculo associativo e permanente entre os agentes, bem como a finalidade única dos componentes da quadrilha, voltada à rentável realização de interceptações telefônicas sem autorização judicial”, concluíram os promotores na denúncia. Eles pedem a instauração de ação penal contra os acusados e que as vítimas sejam ouvidas.

Leia a denúncia

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA 18ª VARA CRIMINAL DA CAPITAL

Inquérito Policial nº 050.05.103100-0/0000

Consta do incluso inquérito policial que, no período compreendido entre janeiro de 2005 a fevereiro de 2006, em operações concatenadas na cidade de São Paulo, os indiciados ADRIANO FERNANDES DA SILVA, qualificado a fls. 80, EDENILSON DE OLIVEIRA SILVA, qualificado a fls. 314, ELOY DE LACERDA FERREIRA, fls. 450, LUIZ LACERDA FERREIRA, qualificado a fls. 148, CELINA MARIA DOS SANTOS, qualificada a fls. 160, REGINALDO SPERA, qualificado a fls. 356, RENATO FEST FERREIRA, qualificado a fls. 172, SAMIRA HIDALGO DO NASCIMENTO, qualificada a fls. 179, SORAIA HIDALGO DO NASCIMENTO, qualificada a fls. 186, CARLOS UBIRATAN MARTINS, qualificado a fls. 395, RICARDO DE ALICE FERREIRA, qualificado a fls. 205, ALBERTO ANDRÉ AMODIO FILHO, qualificado a fls. 331, ROBERTO LACERDA FERREIRA, qualificado a fls. 229, LILIANA CONCEIÇÃO DE FREITAS, qualificada a fls. 344, RENATO FERREIRA, qualificado a fls. 260, PAULO JOSÉ DA SILVA FILHO, qualificado a fls. 269, MARIEL CÉSAR DE SALES BEZERRA, qualificado a fls. 279, RONALDO TEIXEIRA ANDRADE, qualificado a fls. 292, FELIPE DE LACERDA FERREIRA, fls. 198 e ANDRÉ LUIS PEREIRA DE MATOS, qualificado a fls. 292, com unidade de propósitos, todos voltados para um fim comum, qual seja a realização de interceptações telefônicas sem autorização judicial, juntamente com outras pessoas ainda não identificadas, associaram-se em quadrilha para o fim de cometerem crimes previstos no artigo 10 da Lei nº 9296/96.

Segundo apurado, os indiciados formaram uma quadrilha, cujos membros se congregaram com o fim predeterminado de efetuar o monitoramento clandestino de pessoas, através da realização de interceptações telefônicas ilícitas, acompanhamento pessoal, quebra também ilícita de sigilo fiscal e bancário, dentre outros meios. Tendo plena consciência do papel que cada qual cumpria na organização, puseram em execução o programa de seu recíproco interesse, aproveitando-se para isto de pessoas que prestam serviços a empresas de telefonia móvel e fixa. Assim, para êxito do projeto, houve uma sofisticada divisão de trabalho.

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 12 de julho de 2007, 15h25

Comentários de leitores

6 comentários

É muito interessante, o pesoal do MP descobriu ...

JCláudio (Funcionário público)

É muito interessante, o pesoal do MP descobriu a pólvora. Mais é uma grande novidade esta descoberta. Só agora que eles descobriram que pessoas fazem escutas e outras coisas mais. Parabéns pela eficiência impar. Merecem uma medalha de honra ao mérito. A quem ele querem enganar.

É muito interessante, o pesoal do MP descobriu ...

JCláudio (Funcionário público)

É muito interessante, o pesoal do MP descobriu a pólvora. Mais é uma grande novidade esta descoberta. Só agora que eles descobriram que pessoas fazem escultas e outras coisas mais. Parabéns pela eficiência impar. Merecem uma medalha de honra ao mérito. A quem ele querem enganar.

..quem será o Riberto(?)..eu já vi esse filme a...

futuka (Consultor)

..quem será o Riberto(?)..eu já vi esse filme antes(ex-DEOPS)! No tempo em que se "pendurava" áh, também havia a mágica que se fazia "desaparecer". Separar o "joio do trigo" é importante mais temos que ter uma certa coerência, até bem pouco ouvi em telejornais e em programas de tv esses mesmos detetives particulares pousarem de bons profissionais. Agora os "profissionais" do mp declaram ser esses mesmos detetives particulares criminosos (não existe um sindicato de classe ou algo parecido?). É bom lembrar que muitos promotores públicos utilizaram ou utilizam os serviços dos profissionais que se identificam como detetives. Eles somam aos milhares pelo Brasil afora.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 20/07/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.