Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Respeito às garantias

Interrogatório por videoconferência não ofende garantias, diz STF

Interrogar um réu por meio de videoconferência não ofende suas garantias constitucionais. Com esse entendimento a presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Ellen Gracie, negou liminar a Marcos José de Souza. Ele pede a anulação do interrogatório feito por esse sistema. O pedido de Habeas Corpus foi apresentado contra decisão do Superior Tribunal de Justiça.

A defesa de Souza, que responde processo por tentativa de roubo, alega que a lei estadual paulista que prevê o uso do sistema de videoconferência para interrogatórios, sem a presença do réu, invade a competência privativa da União para legislar sobre Direito Processual. Argumenta também que, ao violar o direito de presença a todos os atos do processo, Souza estaria sendo impedindo de exercer seu direito de autodefesa.

A ministra Ellen Gracie considerou relevante o fundamento da decisão do STJ, de que não existe ofensa às garantias constitucionais do réu no uso do sistema de videoconferência. Ao indeferir o pedido, a ministra lembrou decisão idêntica do ministro Gilmar Mendes, no Habeas Corpus 90.900.

HC 91.859

Revista Consultor Jurídico, 9 de julho de 2007, 19h27

Comentários de leitores

1 comentário

Até concordo, mas o teatro da Justiça deve muda...

Dr. Marcelo Galvão SJCampos/SP - www.marcelogalvao.com.br (Advogado Sócio de Escritório)

Até concordo, mas o teatro da Justiça deve mudar... Pois o que realizamos não passa de uma peça muito mal organizada!

Comentários encerrados em 17/07/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.