Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Morte de palmeirense

Julgamento de são-paulino acusado de matar palmeirense é adiado

Por 

Uma viagem do superintendente de futebol do São Paulo, Marco Aurélio Cunha, à Índia adiou o julgamento de Carlos André Amorosino Júnior, o Sukita (ex-presidente da torcida organizada Independente), e de Vivaldo Marcelo Dantas de Souza. A sessão estava marcada para as 9h desta segunda-feira (29/1), no 5º Tribunal do Júri, na Barra Funda.

O dirigente do São Paulo é apontado pela defesa como a principal testemunha de Sukita. O cartola participa de uma excursão do time B do São Paulo à Ásia. O juiz Cassinao Zorzi Rocha, que presidiria o júri, decidiu marcar para 2 de março a sessão de julgamento.

Os réus são acusados de matar a pauladas o palmeirense Mauro Roberto Costa e de não prestarem socorro a Diógenes Fernandes Ventura. Eles respondem pelos crimes de homicídio triplamente qualificado e omissão de socorro e podem pegar pena de 12 a 30 anos de reclusão.

A defesa deverá sustentar a tese de insuficiência de provas de que Carlos André e Valdívio Marcelo tiveram participação nos crimes. Para os advogados, os depoimentos das testemunhas na fase de instrução do processo foram contraditórios.

A defesa já tentou evitar que os acusados enfrentassem o júri popular. Um recurso foi ajuizado contra a sentença de pronúncia, mas a 6ª Câmara Criminal do TJ paulista, por votação unânime, recusou os argumentos apresentados pelos advogados André Guilherme Lemos Jorge e Rodrigo Sensi Ribeiro de Mendonça.

Os fatos

Os crimes ocorreram em 22 de fevereiro de 2003. A confusão começou no Sambódromo do Anhembi quando, antes de desfilar, integrantes do bloco Independentes, composto por torcedores são-paulinos, atacaram corintianos do bloco Pavilhão 9. Testemunhas disseram que cerca de 10 são-paulinos, armados com revólveres e pedaços de pau, cercaram os corintianos.

Ruy Luciano Nogueira, 25 anos, que preparava um carro alegórico do Pavilhão 9, morreu com um tiro na cabeça. Os corintianos Cláudio Cassiano Freguglia, 31, T.P.O., 16, Cássio Terayama, 23, e o são-paulino Itamar Fagundes dos Santos, 20, foram baleados na perna. Olavo José Teodoro, 27, teve os braços quebrados.

Após os desfiles, cerca de 10 ônibus com integrantes do bloco Independentes foram escoltados pela PM. No entanto, na avenida Marquês de São Vicente, quando a Polícia não mais acompanhava o grupo, os torcedores obrigaram motoristas a passarem na frente da escola Mancha Verde, formada por palmeirenses.

Houve briga no local e duas pessoas morreram, o palmeirense Mauro Roberto Costa, 24, e Diógenes Ventura, 20, que seria da Independentes. Cerca de 60 são-paulinos foram detidos.

O ex-presidente do conselho deliberativo da torcida Tricolor Independente foi preso acusado da morte do palmeirense. A Polícia acredita que ele tenha sido também o autor dos disparos no Anhembi. Sukita negou o crime.

Cenas de terror

Testemunhas do confronto entre torcedores são-paulinos e palmeirenses, ocorrido perto da sede da torcida Mancha Verde, relataram cenas de terror à Polícia.

Segundo uma testemunha, um dos líderes do grupo são-paulino teria dito "vamos matar, vamos matar" no momento do ataque.

Momentos antes, de acordo com testemunhas, um são-paulino distribuiu paus e porretes a torcedores que desceram dos ônibus vindos do Anhembi. Há indícios de que foram utilizados cabos de enxada comprados em lojas de material de construção.

O ex-presidente da torcida organizada Tricolor Independente foi preso em flagrante e indiciado por homicídio. Ele negou o crime. Em depoimento disse que, se tivesse participado do ataque, teria manchas de sangue na roupa branca que usava. Uma testemunha, no entanto, o apontou entre cerca de 60 torcedores.

A mesma testemunha esteve no Hospital das Clínicas, onde identificou o corpo de Costa como a vítima que ele viu ser atacada.

O crime aconteceu em um confronto de torcedores no cruzamento das avenidas Marquês de São Vicente e Abrahão de Morais, zona oeste de São Paulo, após um desfile de escolas de samba no Anhembi.

Na ocasião, Carlos André era presidente da Torcida Independente do São Paulo Futebol Clube, e Mauro Costa, uma das vítimas, vestia um uniforme do Palmeiras. A rivalidade entre as torcidas teria sido o motivo dos ataques.

O julgamento será realizado no Plenário 3 do 5º Tribunal do Júri de São Paulo, no Fórum Criminal da Barra Funda, zona oeste da capital paulista.

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 29 de janeiro de 2007, 15h44

Comentários de leitores

1 comentário

Eu acho que crimes desta natureza, devemos ter ...

Gato (Outros - Comercial)

Eu acho que crimes desta natureza, devemos ter cuidado em julgar, pois inumeras injustiças já aconteceram por erros de testemunhas que reconheceram o agressor, mas no fundo não tinham certeza, esse tipo de crime onde se envolveram muitas pessoas, fica díficil de saber e reconhecer acusados com certeza absoluta, por isso este julgamento devê-se juntar testemunhas e argumentos e provas para que no veredito final do Juiz não haja injustiça...aliás que seja feita justiça.

Comentários encerrados em 06/02/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.