Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Foro de brinde

Maluf ganha foro e desiste de Reclamação contra atos de juíza

O deputado federal eleito Paulo Maluf desistiu de barrar atos da juíza Silvia Rocha, da 2ª Vara Federal Criminal de São Paulo. Uma vez eleito deputado, o processo contra Maluf e sua família correrá, automaticamente, no Supremo Tribunal Federal. Portanto, não há porquê questionar atos da juíza de primeira instância. Eles respondem por lavagem de dinheiro.

O deputado protocolou no Supremo pedido de desistência da Reclamação feita ao STF. Nela, Maluf questionava ato da juíza que desmembrou parte do processo em uma nova ação.

A ministra Ellen Gracie já havia negado liminar nessa Reclamação. Mas, agora, a defesa homologou o pedido de desistência de Maluf.

RCL 4.899

Revista Consultor Jurídico, 24 de janeiro de 2007, 20h58

Comentários de leitores

5 comentários

LAMENTÁVEL viver neste país sem leis, com a jus...

Cissa (Bacharel - Administrativa)

LAMENTÁVEL viver neste país sem leis, com a justiça acovardada. Marginais surgem todos os dias nesse país e nada nem ninguém pode dar um fim a isso. Esse homem é um cancer, assim como a currupção deste país, assim como a ignorância desse nossos irmãos, principais vítimas dessa doença.

Paulo Maluf será condenado à prisão definitiv...

drummond57 (Professor)

Paulo Maluf será condenado à prisão definitivamente depois de morto. Não tem o que reclamar, pois entra com mandados de segurança e em 24 horas são julgados. Eu mesmo, entrei com um mandado de segurança por ter sido obrigado a mudar de município em pleno período eleitoral e tive que esperar 3 meses para que a juiza de campos julgasse e ,ainda , desconsiderando meu pedido. Justiça só para os Malufes da vida.

É, pretender dar a uma tragédia uma conotação p...

Inácio Henrique (Serventuário)

É, pretender dar a uma tragédia uma conotação política é lamentável. Acredito que as construtoras poderão e deverão no devido tempo explicar o ocorrido. Nestes casos, a Lei 8.666, poderia ser modificada para prevê que empresa que estivessem envolvidas em acidentes como o do buraco do metrô paulistano não participassem de outras licitações, até que tudo estivesse devidamente esclarecido. Vamos aguardar e ver no que vai dar.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 01/02/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.