Consultor Jurídico

Comentários de leitores

4 comentários

O Wagao e o meu chará tem toda razão. O sujeito...

João de Deus (Técnico de Informática)

O Wagao e o meu chará tem toda razão. O sujeito deve ter formação (curso superior) para praticar e/ou montar uma empresa de esportes radicais. Isso é coisa de corporativista. Então um sujeito que tem preparo físico adequado e tem experiencia no ramo, mas analfabeto está "fora do contexto" ??? Isso é coisa de quem não tem o que fazer. Vamos nos preocupar com o crescimento econômico, mas não com picuinhas de toda sorte.

Entendo que o projeto de lei é totalmente desne...

Wagner Souza (Advogado Autônomo - Administrativa)

Entendo que o projeto de lei é totalmente desnecessário, mas, como o direito pátrio ainda é dominado pelo positivismo jurídico, então é necessário fique expresso em lei que "a prestação de serviços na prática de esportes radicais fica condicionada à comprovação de qualificação específica de instrutores e profissionais responsáveis pela preparação de locais e operação de equipamentos" e por ai vai...

O PROJETO NÃO É RIDÍCULO. PARABÉNS AO SENADOR....

lu (Estudante de Direito)

O PROJETO NÃO É RIDÍCULO. PARABÉNS AO SENADOR.

Mais um projeto ridículo. Esportes radicais são...

João Bosco Ferrara (Outros)

Mais um projeto ridículo. Esportes radicais são praticados individualmente. Não há como obrigar uma pessoa, por exemplo, a usar equipamentos específicos para praticar alpinismo, mergulho, salto, bungee jump etc. O que acontecerá se descumprir a ordem? Será multada? Será presa? Ora, o risco é da própria pessoa. Aliás, esses parlamentares com uma vaidade inchada deveriam saber que o que é atraente nos esportes radicais é exatamente o perigo que eles encerram, o risco. Vencê-los é que dá prazer ao esportista. São esportes amadores, e como tudo que é amador, não se respeitam regras, mas apenas a habilidade do praticante. Tome-se por exemplo o vôo livre, ou asa delta. Não há como obrigar que o voador use equipamentos determinados, pois ele sempre poderá praticar o esporte onde não haja fiscalização, decolando de qualquer morro ou montanha escalável e pousando em qualquer campo aberto, pátio ou rua. Só mesmo na cabeça de um tupiniquim poderia se passar a idéia de coartar a liberdade dos esportes radicais. Tanta coisa mais importante do que isso, e que atenderia a interesses muito mais legítimos, e vão se preocupar com essa bobagem. Mas para aprovarem a Lei 11.444, que autoriza o Governo Federal a desfalcar os cofres públicos em R$20.000.000,00 (vinte milhões de reais) para doá-los ao governo do Paraguai sob o pretexto de auxílio ao desenvolvimento de políticas aduaneiras, em detrimento do que se poderia fazer com esse dinheirão todo no Brasil, para isso os parlamentares fazem vista grossa. É nisso que dá eleger vagabundos para tomar conta do ouro. Com a lei da desvinculação orçamentária ficará mais fácil roubar dos cofres públicos do que jamais foi em qualquer outra época. Será a farra do boi. Bastará um pequeno conluio entre o Executivo e parlamentares das lideranças para aprovarem leis quais a 11.444, doando dinheiro para outros governos e depois ir lá pegar a grana, deixar uma comissãozinha para o governante do país cúmplice e pronto, tudo estará resolvido, todos sairão felizes... Elegeram os PeTralhas, agora agüentem, seus burros, sejam roubados e riam. Minha avó já dizia: quem é burro pede a Deus que mate, e ao diabo, que carregue...

Comentar

Comentários encerrados em 24/01/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.