Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Regras radicais

Projeto de lei cria normas para a prática de esportes radicais

As regras para o exercício de esportes radicais, como bungee jump e escaladas, poderão ser estabelecidas em lei. Uma proposta, de autoria do senador Efraim Morais (PFL-PB), prevê normas para reduzir o número de acidentes, distribuição da competência para fiscalizar entre os poderes públicos e a criação de regras para responsabilização de pessoas envolvidas com a prestação dessas modalidades esportivas. O projeto aguarda análise e parecer da Comissão de Assuntos Sociais do Senado.

O objetivo do projeto é preencher uma lacuna na prática de esportes radicais, apontada por especialistas no setor. O senador aponta o risco como ingrediente emocional de certas modalidades esportivas, mas alega que o exercício da aventura pode e deve existir com práticas salutares que não descaracterizem esses esportes. Entre as justificativas do projeto, cita acidentes fatais noticiados pela imprensa.

"Alguns representantes desses segmentos chegam a atribuir a existência da aventura de risco à ausência de normativo legal prevendo a responsabilização dos provedores desses esportes. Para eles, o recurso ao Código de Defesa do Consumidor e a legislação penal vigente não têm tido a força necessária para impedir a oferta irregular dos serviços", argumenta Efraim Morais.

O projeto classifica como esportes radicais ou de aventuras as atividades de caráter recreativo oferecidas comercialmente, com riscos avaliados, controlados ou assumidos. A prestação de serviços na prática de esportes radicais fica condicionada à comprovação de qualificação específica de instrutores e profissionais responsáveis pela preparação de locais e operação de equipamentos.

A qualificação será comprovada por meio de certificação, obtida em curso aprovado pelos órgãos do governo, e ficará sujeita à renovação periódica. Para acesso aos equipamentos usados na prática de esportes radicais, o projeto institui o Certificado de Comprador, que será emitido pelo Poder Público em favor de profissional autônomo ou entidade habilitada a prover a oferta das modalidades esportivas.

As penas previstas em casos de desobediência das regras são o pagamento de multa e prisão de seis meses a dois anos.

Revista Consultor Jurídico, 16 de janeiro de 2007, 0h01

Comentários de leitores

4 comentários

O Wagao e o meu chará tem toda razão. O sujeito...

João de Deus (Técnico de Informática)

O Wagao e o meu chará tem toda razão. O sujeito deve ter formação (curso superior) para praticar e/ou montar uma empresa de esportes radicais. Isso é coisa de corporativista. Então um sujeito que tem preparo físico adequado e tem experiencia no ramo, mas analfabeto está "fora do contexto" ??? Isso é coisa de quem não tem o que fazer. Vamos nos preocupar com o crescimento econômico, mas não com picuinhas de toda sorte.

Entendo que o projeto de lei é totalmente desne...

Wagner Souza (Advogado Autônomo - Administrativa)

Entendo que o projeto de lei é totalmente desnecessário, mas, como o direito pátrio ainda é dominado pelo positivismo jurídico, então é necessário fique expresso em lei que "a prestação de serviços na prática de esportes radicais fica condicionada à comprovação de qualificação específica de instrutores e profissionais responsáveis pela preparação de locais e operação de equipamentos" e por ai vai...

O PROJETO NÃO É RIDÍCULO. PARABÉNS AO SENADOR....

lu (Estudante de Direito)

O PROJETO NÃO É RIDÍCULO. PARABÉNS AO SENADOR.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 24/01/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.