Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Teto comparado

Justiça dos EUA pede aumento de salário para juízes

Os salários dos juízes americanos vêm sofrendo um grave achatamento nos últimos 35 anos, que coloca em risco o futuro do judiciário dos Estados Unidos. A reclamação foi feita pelo presidente da Suprema Corte, John G. Roberts, em seu relatório anual, divulgado no último dia de 2006. Roberts disse que a negativa do Congresso em aprovar um aumento para os juízes nos últimos anos, leva a uma grave crise constitucional. As informações são do jornal New York Times.

Para Roberts há uma nítida defasagem da evolução dos salários do judiciário em comparação com a média nacional. Segundo ele, enquanto os ganhos dos juízes caíram 23,9% desde 1969, a média nacional dos salários aumentou 17,8%. “Dada a dramática erosão da remuneração dos juízes, está claro que chegou a hora de se conceder um aumento salarial substancial aos juízes”.

Roberts lembrou que William Rehnquist, o presidente da Suprema Corte a quem ele próprio substituiu no ano passado, passou 20 anos batendo na tecla do aumento para os julgadores americanos. Agora, Roberts resolveu transformar o aumento no único tema de seu relatório anual na esperança de que o “povo tome conhecimento de que o problema agora atingiu o nível de uma crise constitucional que ameaça minar a força e a independência do judiciário federal”.

O problema já estaria provocando uma evasão de cérebros da Justiça Federal americana. Segundo Roberts, era raro até alguns anos atrás, que juízes abandonassem a carreira para ir trabalhar no setor privado. No entanto, nos últimos seis anos 38 juízes abandonaram a toga, 17 deles nos dois últimos anos.

Outra tendência provocada pela baixa dos salários é que a maioria dos novos juízes é constituída por advogados que já atuavam no setor público. Menos de 40% dos novos juízes federais vieram da advocacia privada. “Muda a natureza do judiciário federal quando os juízes não são mais recrutados entre os melhores advogados em atividade”, diz Roberts.

A legislação estabelece que um juiz federal deve receber o mesmo salário dos membros do Congresso. Estes valores correspondem hoje a US$ 165 mil por ano (o equivalente a R$ 28 mil por mês) para juízes de primeira instância; US$ 175 mil anuais (R$ 30 mil mensais) na segunda instância e US$ 203 mil (R$ 34 mil) para os ministros da Suprema Corte.

Numa comparação com a iniciativa privada, advogados associados iniciam nos grandes escritórios de Nova York com remuneração aproximada de US$ 175 mil por ano.

John Roberts, que estava longe de ser um principiante faturou US$ 1 milhão em 2003, seu último ano na iniciativa privada. Mas ele mesmo reconhece que este tipo de comparação não faz sentido ou ele não teria como explicar porque trocou a advocacia pela magistratura.

Outro ministro da Suprema Corte, Stephen Breyer prefere comparar os salários do judiciário com os do magistério. Em 1969, um juiz federal ganhava US$ 40 mil por ano enquanto um professor titular de faculdade de Direito recebia US$ 33 mil. Em 2002, o juiz ganhava US$ 150 mil e o professor US$ 250 mil.

Revista Consultor Jurídico, 7 de janeiro de 2007, 7h00

Comentários de leitores

4 comentários

rafael, Ainda bem que é assim. Eu escrevo o ...

Sérgio Niemeyer (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

rafael, Ainda bem que é assim. Eu escrevo o que quero e quem quiser ler, lê, quem não quiser, não lê. São direitos sagrados e inalienáveis. Cada um decide o que quer. Escrevo para contribuir com idéias, pensamentos, reflexões, dividindo-as e compartilhando-as com quem tiver interesse por elas e pelo evolver do conhecimento jurídico na mesma profundidade que eu. Se este não é o seu caso, não me sinto ofendido e espero que o senhor também não. Quem perde com isso? Nós dois. O senhor, porque não lendo deixa de conhecer a opinião alheia. Eu, porque se o senhor não lê, não pode opinar e encetar um debate para melhorarmos nossa condição humana, a menos que o senhor ache que não há nada que melhorar em si mesmo. Aí a questão toma outros contornos, que não me cabem discutir, mas simplesmente respeitar. (a) Sérgio Niemeyer Advogado - Mestre em Direito pela USP - Professor de Direito - Palestrante - Parecerista sergioniemeyer@adv.oabsp.org.br

Se juiz brasileiro pudesse receber o mesmo que ...

Michael Crichton (Médico)

Se juiz brasileiro pudesse receber o mesmo que parlamentar, incluindo a "verba indenizatória", que belo aumento seria. Sem falar naqueles salários de começo e fim de ano.

Professor doutor, comentário longo eu não leio....

Michael Crichton (Médico)

Professor doutor, comentário longo eu não leio. Será que alguém lê? Não sei porque o senhor não pega esses longos comentários e não manda por email para o Conjur, para publicação. Faça isso, por favor. Sai com letra e destaque maior.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 15/01/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.