Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Volta para casa

EUA deporta idoso que teria sido guarda de campo nazista

Por 

Uma juíza de imigração de Chicago (EUA) ordenou a deportação de um homem de 81 anos de idade, do estado de Wiscosin, acusado de ter sido guarda de um campo de concentração nazista. A informação é do site Findlaw.

A juíza Jennie Giambastiani determinou que Josias Kumpf seja deportado para a Alemanha, Áustria ou Sérvia. Ele escolheu a Alemanha. O advogado de Kumppf, Peter Rogers, disse que seu cliente apelará da decisão.

Em julho de 2006, o governo federal pediu que a Justiça deportasse Kumpf, cuja cidadania norte-americana foi perdida após um juiz de Milwaukee ter concluído que o acusado “pessoalmente cuidou da perseguição de prisioneiros de campos de concentração”.

Kumpf serviu como guarda armado das SS no campo de concentração de Sachsenhausen, na Alemanha, e no campo de trabalho da SS em Trawniki, na Polônia, e também em postos de trabalho ocupados pelos nazistas na França, segundo o Departamento de Estado dos EUA.

Kumpf nasceu na Sérvia, imigrou aos Estados Unidos vindo da Áustria, em 1956, e se tornou cidadão norte-americano em 1964.

 é repórter especial da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 7 de janeiro de 2007, 18h47

Comentários de leitores

9 comentários

Cumpriram ordens de superiores apesar de atitud...

avante brasil (Outros)

Cumpriram ordens de superiores apesar de atitudes indignas e cruéis.Na minha opinião já carregam o sentimento de culpa daquilo que eram obrigados a fazer.Hitler felizmente, já padece em outras esferas espirituais do todo ato perverso e insano que cometeu.

Alô José Carlos Portella Jr , Inicio inform...

A.G. Moreira (Consultor)

Alô José Carlos Portella Jr , Inicio informando, que não sou nazista, alemão,nem judeu, cigano e nem pertenço à raça negra, que foi o povo mais atingido pela matança histórica, muito embora, as estórias escritas, pelos judeus, não só exageraram na quantidade hebraica sacrificada, como esqueceram, por egoímo, discriminação e absoluta falta de respeito para com as outras raças, de informar que os judeus representaram a minoria das 3 raças sacrificadas. Não obstante, o mundo inteiro , só ficou com dó dos judeus, porque foram os únicos que tiveram e têm poder para exigir e cobrar indenizações financeiras e reparos morais, das gerações futuras alemãs (até hoje), os crimes que aquele governo cometeu . Para os ciganos e negros, não houve justiça, nem reparação alguma ! Ao londo das últimas décadas e até hoje, os judeus , junto com os americanos, têm assassinado um sem número de gente inocente de todas as faixas etárias, invadem e destroem países,com a desculpa, simples, de que estão usando a força , em legítima defeza , tentando atingir, os seus inimigos . E o que fazem a ONU e as nações ? : Nada. - Afinal os judeus são ricos e têm muito poder, como aliados americanos ! Assim, quando é judeu que morre, é um crime hitórico e irreparável, mas quando é o judeu que mata, trata-se de legítima defeza !!! Isto posto, é oportuno esclarecer que, também, não sou árabe ! Apenas acompanho, com atenção, a história da humanidade, me inconformando com a INJUSTIÇA dos homens ! Quanto ao nazismo ser proibido pelas nações (para agradar os judeus), acho isso, altamente hipócrita ! Como acho que o fascismo, stalinismo ou qualquer tendência ideológica, deve ser livre, enquanto se exigir democracia . O que todos têm é de respeitar o ser humano, os seus direitos e as leis que regem a todos . Nada mais .

O que os romanos fizeram em suas colônias obvia...

José Carlos Portella Jr (Advogado Autônomo - Criminal)

O que os romanos fizeram em suas colônias obviamente também deve ser considerado crime. Você me viu dizer que não? O que ocorre é que, até onde eu sei, nenhum romano daquela época está vivo ainda para prestar contas de seus atos à Justiça.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 15/01/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.