Consultor Jurídico

Confiança do povo

Presidente Lula toma posse em seu segundo mandato

Precisamos de um sistema político capaz de dar conta da rica diversidade de nossa vida social. Nossas instituições têm de ser mais permeáveis à voz das ruas. Precisamos fortalecer um espaço público capaz de gerar novos direitos e produzir uma cidadania ativa. As formas de democracia participativa não são opostas às da democracia representativa. Elas se complementam.

Meu Governo, atento às manifestações das ruas e, em especial, aos movimentos sociais, construiu grande parte de suas políticas públicas e importantes decisões governamentais, consultando a opinião da sociedade organizada em Conferências Nacionais, Conselhos e Foros.

Continuaremos nesse rumo.

Reafirmamos, finalmente, nossos compromissos éticos em uma perspectiva republicana. Nada mais ético do que a promoção do bem comum e da justiça. A reforma política deve ser prioritária no Brasil.

Convido todos os senhores para nos sentarmos à mesa e iniciarmos o seu debate e urgente encaminhamento, ao lado de outras reformas importantes, como a tributária, que precisamos concluir.

O fortalecimento de nosso sistema democrático dará nova qualidade à presença do Brasil na cena mundial. Nossa política externa - motivo de orgulho pelos excelentes resultados que trouxe para a nação - foi marcada por uma clara opção pelo multilateralismo, necessário para lograr um mundo de paz e de solidariedade.

Essa opção nos permitiu manter excelentes relações políticas, econômicas e comerciais com as grandes potências mundiais e, ao mesmo tempo, priorizar os laços com o Sul do mundo.

Estamos mais próximos da África - um dos berços da civilização brasileira. Fizemos do entorno sul-americano o centro de nossa política externa. O Brasil associa seu destino econômico, político e social ao do continente, ao MERCOSUL e à Comunidade Sul-americana de Nações.

Senhoras e Senhores,

É tempo do nascimento de um novo humanismo, fundado nos valores universais da democracia, da tolerância e da solidariedade. O Brasil tem muito o que contribuir neste debate. Colocamos o respeito aos Direitos Humanos no centro de nossas preocupações.

Ampliamos políticas públicas nesta direção e criamos instituições de Estado fortes e capazes de garantir que este país combaterá de maneira decidida e permanente todas as formas de discriminação de gênero, raça, orientação sexual e faixa etária.

Por isso cresce a participação das mulheres na vida econômica, social e política do país. Cada vez mais, os negros ocupam o lugar que lhes é devido em um Brasil democrático. Assim como os povos indígenas, que reconquistam e consolidam a sua dignidade histórica.

A despeito dos avanços que nossas políticas públicas propiciaram, especialmente na esfera educacional, ainda há muito que fazer pelos jovens, importante segmento de nossa sociedade, a quem caberá conduzir este país nas próximas décadas.

Em um mundo que busca caminhos para o convívio, espaços para o diálogo, para a coabitação do múltiplo e do diverso, o Brasil tem o que oferecer.

Nosso País pode ser uma voz e um exemplo autêntico e poderoso para o mundo na questão da diversidade. Pode ajudar a mostrar que neste planeta desigual, é possível avançar no sentido do entendimento, quando os interesses dos diferentes e, sobretudo, dos excluídos passam a integrar efetivamente a agenda nacional.

Senhoras e Senhores,

Fui reconduzido à Presidência da República pela vontade majoritária do povo brasileiro. A realização do segundo turno deu mais nitidez à escolha, contrapondo projetos de país com contornos bem definidos e diferenciados.O povo fez uma escolha consciente.

Mais do que um homem, escolheu uma proposta, optou por um lado. Não faltaram os que, do alto de seus preconceitos elitistas, tentaram desqualificar a opção popular como fruto da sedução que poderia exercer sobre ela o que chamavam de "distribuição de migalhas".

Os que assim pensam não conhecem e não entendem este País. Desconhecem o que é um povo sem feitores, capaz de expressar-se livremente. O que distribuímos - e mais do que isso: socializamos - foi cidadania. Este povo constitui a verdadeira opinião pública do país que alguns pretenderam monopolizar.

Finalmente, quem tentou desqualificar a opção popular não foi capaz de valorar algo fundamental. A vontade de mudança - que esteve reprimida por décadas, séculos - expressou-se pacificamente, democraticamente e esta manifestação contribuiu de modo notável para o fortalecimento das instituições.

O caminho da política exige paciência, concessões mútuas, compreensão do outro. Exige que sejamos capazes de levar ao extremo a prática da escuta. Pois só assim é possível sintonizar e harmonizar interesses.Mas exige opções, alinhamentos.

Neste dia inaugural de meu novo mandato, não peço a ninguém que abandone suas convicções. Não desejo que a oposição deixe de cumprir o papel que dela esperam os que por ela livremente optaram.

Quero pedir-lhes, apenas, que olhemos mais para o que nos une do que para o que nos separa. Que concentremos o debate nos grandes desafios colocados para o nosso país e para o mundo. Que estejamos à altura do que necessita e deseja o nosso povo.

Só assim poderemos estar todos a serviço deste país que tanto amamos. Eu, de minha parte, governarei para todos, sem olhar para cor, credo, opção ideológica ou partidária. Mais que nunca, sou um homem de uma só causa. E esta causa se chama Brasil.

Minhas Senhoras, meus Senhores,

Reconheço que Deus tem sido generoso comigo.

Mais do que mereço. Eu pedi forças... e Deus me deu dificuldades para fazer-me forte. Eu pedi sabedoria... e Deus me deu problemas para resolver. Eu pedi prosperidade... e Deus me deu cérebro e músculos para trabalhar. Eu pedi coragem... e Deus me deu perigos para superar. Eu pedi amor... e Deus me deu pessoas com dificuldades para ajudar. Eu pedi dádivas... e Deus me deu oportunidades. Eu não recebi nada do que pedi, mas eu recebi tudo que precisava.

Muito obrigado.”




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 1 de janeiro de 2007, 20h40

Comentários de leitores

6 comentários

Engraçado esta deste Presidente tomar posse ago...

allmirante (Advogado Autônomo)

Engraçado esta deste Presidente tomar posse agora. Isto ele já tomou há 5 anos.

"VIOLÊNCIA: LULA E O DISCURSO PICARETA ...

Richard Smith (Consultor)

"VIOLÊNCIA: LULA E O DISCURSO PICARETA Há uma hora em que temos de dizer: “Chega de picaretas!” Lula afirmou nesta terça [02/jan]que gente que põe fogo em ônibus para matar fritado um grupo de pessoas inocentes não pode ser enquadrada na mesma lei que pune crimes comuns. Ah, é???? Que este senhor nos diga, então, por que seu ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, militou contra a lei dos crimes hediondos. O próprio Apedeuta assinou uma portaria criando dificuldades adicionais para a aplicação do Regime Disciplinar Diferenciado nos presídios. O que ele quer? Qual é a sua proposta? Lula quer sentir a indignação do cidadão comum, mas não quer sentir o peso de governar. Qual é a proposta, meu senhor?" Do "blog" de REINALDO AZEVEDO.

Noooossa! Essa zurrada do professor PeTr...

Richard Smith (Consultor)

Noooossa! Essa zurrada do professor PeTralha, fujão e borra cuecas quase rebentou os meus tímpanos! "Taxar exemplarmente" a Zelite! Uau, que sabedoria do "fessô". Só assim vamos descer ao nível de "igualitarismo" de Cuba: Os pobres com um pouquinho e a Zelite com um pouquinho só mais do que eles (isso para aqueles que não puderem fazer as malas e "puxar o carro", não?) Isso é que é "diminuir a desigualdade" para os PeTralhas mistificadores e adoradores do Abortista/Excomungado e do seu partido! També, com o "espetáculo" do crescimento médio de 2,6% em quatro anos, mais também não dá, né? Dados recentes mostram que, em seis anos, foram criados 8 milhões de empregos para a faixa de renda de 0 a 3 salários mínimos (pobres portanto), quantidade essa insuficiente para fazer frente ao crescimento vegetativo dessa mesma faixa (faltam 5 milhões de empregos) e cresceu a sua renda em 26%. Enquanto isso, no mesmo período, SUMIRAM dois milhões de empregos da faixa entre 3 e 15 salários mínimos (classe média baixa)e DECRESCEU a renda do segmento em 46%!. Ou seja, não apenas não surgiram novos empregos como diminuiu pela metade a renda! Isso para a classe média, que carrega este País nas costas! Está explicado o porque de tantas lojas fechadas ou com placas de "aluga-se"? As compras de comida em três vezes com cheques pré-datados? A estagnação da produção automobilistica e da chamada linha branca"? Eu hoje faturo menos de 40% (em valores NOMINAIS, sem correção!) do que eu faturava há nove anos atrás! Mais impostos? Que tal este (des)governo "que aí está" gastar melhor a montanha que arrecada todos os dias? De utilizar totalmente os recursos consignados nas diversas rubricas do orçamento e não apenas 10 ou 15% como vem acontecento (ô incomPTência, hein?)? De criar oportunidades de investimento externo e não de afugentamento de capital produtivo externo, como vem acontecendo, ano a ano, hein? De reduzir juros, ao invés de provisioná-los dos impostos, por pura incomPTência e falta de "culhão" para com os bancos e capital especulativo? De ter uma mentalidade inovadora e pensar o BRasil para daqui a 20/30 anos, ao invés de tentar cooptar os congressistas-ladrões com "mensalão" para a foramção de uma "maioria" inútil e dispendiosa (além de corruptora e criminosa, claro!)? É, é muita areia para o caminhãozinho do IncomPTente, não? Humilhados (pé na bunda por parte da China e dos "hermanos" do Mercosul, palhaçadas na OMC, estupro do Evo Morales, etc.) e sofridos estamos todos nós há já mais de 4 anos, viu mané?! Assim, antes de ficar opinando acerca de economia e de política interna, você deve apresentar a sua defesa ao Abortista/Excomungado que hoje freqüenta a cadeira presidencial e do seu partido, à covarde e sub-reptícia liberação TOTAL do ABORTO no País, contrariamente ao que pensa nada menos do que 92% da população brasileira (dados do Datafolha de agosto/06). (E não vale dizer que eu sou único "aborto da natureza" que você conhece, porque isso não responde ao DESAFIO público que lhe fiz, viu mané?)

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 09/01/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.