Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Troca na direção

Ministro Rider Nogueira de Brito é o novo presidente do TST

O ministro Rider Nogueira de Brito é o novo presidente do Tribunal Superior do Trabalho. A sessão extraordinária para eleição dos novos dirigentes do tribunal para o biênio 2007-2009 aconteceu na manhã desta quinta-feira (8/2). O pleito foi motivado pela aposentadoria dos ministros Ronaldo Leal, atual presidente, e de Luciano de Castilho.

A cerimônia de posse está marcada para 2 de março, às 18 horas. Até lá, Rider de Brito responde, cumulativamente, pela presidência e vice-presidência do TST, e também pela Corregedoria-Geral da Justiça do Trabalho. O vice-presidente eleito é o ministro Milton de Moura França. O novo corregedor-geral será o ministro João Oreste Dalazen.

O presidente eleito do TST ressaltou que a escolha da nova direção foi marcada por tranqüilidade. “Este é o nosso maior patrimônio: o clima de cordialidade e respeito”, afirmou. Segundo Rider de Brito, no TST, “a fogueira das vaidades se encontra apagada há décadas”.

O novo presidente do TST nasceu no município paraense de Óbidos, que fica às margens do Rio Amazonas. Formou-se em Direito pela Universidade Federal do Pará e ingressou na Justiça do Trabalho em 1968. Dezessete anos depois, passou a integrar o Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região (Pará e Amapá), onde ocupou os cargos de presidente e corregedor regional.

Desde dezembro de 1995, Rider de Brito atua como ministro do Tribunal Superior do Trabalho, tendo sido corregedor-geral da Justiça do Trabalho no biênio 2004/06 e vice-presidente desde abril de 2006 até sua eleição para a presidência.

O ministro Milton de Moura França, eleito vice-presidente da corte, nasceu na cidade paulista de Cunha. Tornou-se bacharel em Direito pela Universidade de Taubaté (SP). Atuou como advogado e como procurador do estado de São Paulo. Começou na Justiça do Trabalho de São Paulo em 1975, onde presidiu a Junta de Conciliação e Julgamento de Guaratinguetá (1979). Em junho de 1987, ingressou no Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região (Campinas-SP). Há pouco mais de dez anos é membro do TST, em que presidente a 4ª Turma.

O novo corregedor-geral João Oreste Dalazen é gaúcho, do município de Getúlio Vargas. Graduou-se pela Universidade Federal do Paraná. Foi procurador da Caixa Econômica Federal e promotor de Justiça substituto. Ingressou na Justiça do Trabalho em dezembro de 1980. Presidiu a Junta de Conciliação e Julgamento de Maringá, de Guarapuava e de Curitiba. Empossado no TST em julho de 1996, preside até o momento a 1ª Turma. É professor universitário e, atualmente, leciona na Universidade de Brasília.

Revista Consultor Jurídico, 8 de fevereiro de 2007, 17h26

Comentários de leitores

6 comentários

Foi dito anteriormente, por um ex-aluno orgulho...

Trans Sem Dente (Outro)

Foi dito anteriormente, por um ex-aluno orgulhoso, que: "Quando era nosso professor nos bancos acadêmicos de Direito do Trabalho, o Ministro RIDER BRITO, em que pese todas as suas atribulações como Magistrado, já naquela época como Juiz Togado do E. TRT 8a. Região, nunca faltou nenhum dia durante o ano todo, e além para compensar SEMPRE chegava 15 minutos antes da aula e nos dispensava SEMPRE 20 minutos depois do normal horário." Se não havia faltas, qual o motivo da compensação? Ademais, mesmo que a universidade efetuasse o pagamento de horas extras ao professor, como ficavam os alunos em relação aos períodos extraordinários impostos pelo mestre (pelo menos 35 minutos diários além do horário normal)? O expediente extraordinário era imposto aos alunos? Ficou a dúvida no ar.

E mais, se é para fazer Justiça, devemos lembra...

themistocles.br (Advogado Sócio de Escritório - Administrativa)

E mais, se é para fazer Justiça, devemos lembrar do saudoso Jurista e Ministro ORLANDO TEIXEIRA DA COSTA, que foi Presidente do TST, e um grande amigo, sobretudo intelectual, que tive, também paraense. Sempre o visitava quando em Brasília e o encontrava quando vinha a São Paulo e mantinhamos uma correspondência intelectual. Esse seria outro nome de orgulho que os paraenses deveriam lembrar, infelizmente esquecido por todos, não apenas paraenses, sendo que destacou-se como teórico da flexibilização, onde corria o Brasil fazendo palestras a respeito, sendo pessoa realmente humilde e que fez excelente gestão no Tribunal Superior do Trabalho. Que se faça Justiça ao nome de ORLANDO TEIXEIRA DA COSTA, que foi Presidente do TST e grande Jurista.

Favor substituir "portuguêsa" por "portuguesa" ...

themistocles.br (Advogado Sócio de Escritório - Administrativa)

Favor substituir "portuguêsa" por "portuguesa" e antes de "Justiça do Trabalho" acrescentar "a". Equivoquei-me.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 16/02/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.