Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Chance de defesa

Líderes da Renascer prestam depoimento e alegam inocência

Os líderes da Igreja Renascer em Cristo, Estevam e Sônia Hernandes, alegaram ser inocentes da acusação contrabando de dinheiro e falsa declaração. As afirmações foram feitas durante audiência no Tribunal Federal de Miami, nos Estados Unidos, onde eles prestaram depoimento às 10 horas (13 horas de Brasília) desta terça-feira (6/2). A informação é do portal Estadão.

Os advogados do casal também afirmaram que Estevam e Sônia são inocentes e pediram que eles fossem ouvidos em Juízo. Os líderes da Renascer deixaram o tribunal rodeados de seguranças que tentavam impedir que repórteres os fotografassem. Sem falar nada, Estevam e Sônia entraram em um veículo e deixaram o local.

Indiciamento

Na segunda-feira (5/2), o casal foi indiciado por júri popular por contrabando de dinheiro e falsa declaração. Eles foram presos no dia 8 de janeiro no aeroporto de Miami, quando tentavam entrar nos Estados Unidos com US$ 56,5 mil, tendo declarado apenas US$ 10 mil.

Os dois tiveram de entregar os passaportes ao governo norte-americano e estão atualmente em liberdade supervisionada na região de Miami. A pena prevista para o crime é de até cinco anos, mas, na prática, os dois podem ficar presos por no máximo 21 meses.

No Brasil, a prisão do casal Hernandes foi decretada pela 1ª Vara Criminal de São Paulo a pedido do Ministério Público estadual. O casal responde processo por lavagem de dinheiro, falsidade ideológica e estelionato. O caso corre em segredo de Justiça e um pedido de extradição foi entregue pelo Itamaraty à Justiça norte-americana.

Revista Consultor Jurídico, 6 de fevereiro de 2007, 16h15

Comentários de leitores

51 comentários

Irei ficar rico? Eu fui membro da igreja ren...

Ricardo Lima (Outros)

Irei ficar rico? Eu fui membro da igreja renascer da Bispa Sonia. Certa feita ela fez um comentario interessante, todas as lojas de grife davam roupas pra ela, e nisso ela não necessitava gastar dinheiro. Hoje vi uma entrevista onde pediam um diretor de transito dizia que queria que empresas colocassem ambulâncias com médico nas rodovias, o nome da empresa seria colocado em um local que todos iriam ver. Note, como o caso da Bispa Sonia, as pessoas tem um conceito contra a "Igreja Evangelica" ela é errada e o tal diretor de transito é certo... A Lei é cega!

Dani_alpr, ... RBS, Quais são os argum...

Rodrigo (Bancário)

Dani_alpr, ... RBS, Quais são os argumentos jurídicos do MP? Que ele iludem fiéis? Que eles enriqueceram com o dinheiro da Igreja? Como o processo corre em segredo de justiça, as tais provas não foram apresentadas, eles apenas dizem que foram apresentadas, teremos que esperar o desfecho do caso para conferir. Pode ter certeza que, se for apurado e provado que eles são esses bandidos que vocês os julgam ser, estarei aqui para me desculpar, mas não acredito que isso irá acontecer. Amigos de verdade não abandonam nos momentos ruins. A prisão foi decretada com base em um problema que eles tiveram no exterior, nada tendo a ver com o processo que eles respondem no Brasil, portanto, considero essa ordem absurda. Quanto ao HC da revogação da prisão preventiva, este ainda não foi julgado pelo STJ, apenas pelo TJ-SP. Verdade que foi negado pelo TJ-SP, mas não poderia ser diferente, uma vez que o Juiz que apreciou o recurso da defesa é o mesmo que deferiu o decreto de prisão. A defesa priorizou o recurso no tocante a revogação do pedido de extradição, acredito eu que eles entendam ser uma situação mais grave do que a do HC referente à ordem de prisão (isso eu não sei o motivo). Não concordo com a ordem de prisão preventiva pelos seguintes motivos: 1) Possuem endereço fixo no Brasil e atividade profissional amplamente conhecida e, mesmo nos Estados Unidos, possuem endereço residencial fixo e atividade profissional já estabelecida naquele país há anos; 2) Não vejo como eles possam destruir quaisquer provas, uma vez que pode ser apurado de várias formas se eles cometeram ou não os crimes dos quais estão sendo acusados. 3) Eles não continuam cometendo "os mesmos crimes" que o MP diz, pois ainda não foram julgados, portanto, não se pode afirmar que eles cometeram crime algum. Essa é a minha opinião. Bom feriado!

Prezado Rodrigo, " diferente de vc que usa...

RBS (Advogado Autônomo)

Prezado Rodrigo, " diferente de vc que usa um pseudônimo " Nossa !!! Como seu o seu nome fosse diferente do que o meu...Rodrigo...Já viu quantos Rodrigos podem ter no Brasil ? Bom..tudo bem... Ok, estamos discutindo...sem problemas...apenas considero estranho vc. achar que tudo está perfeito com relação as provas apresentados pelo MP...mas é uma opinião sua... Acho desnecessario dar outro argumento juridico além do que foi dado pelos Nobres Colegas do MP. Ninguem melhor do que eles, que estão analisando o caso e buscando provas, para dar argumentos jurídicos que certamente não são tão vagos assim (caso contrario, o pedido de HC já teria sido aceito). Ademais, temos também a questão da Justiça Americana...Até o momento não foram incriminados, porém, já tiveram chance de serem inocentados e não conseguiram... Deixa para lá...não estou aqui para brigar e sei que vc. também não. Vamos aproveitar este Feriado para orar por um País mais justo para nós e para nossos filhos. Pode ter certeza que se cada um fizer sua parte (pagar seus impostos, agir de boa fé com as pessoas, etc.) seremos o maior País do mundo (independente da religião que predominar no momento que isto acontecer). Pois não adianta rezar, dizer que acreditamos em um ser superior (vc. não quer que eu diga Deus) e agir contra sua vontade. Com relação a sua pergunta ao Torre de Vigia Faça esta na página que contem a Reportagem " STJ mantém pedido de extradição do casal Hernandes " Aliás, sugiro continuar a discussão por lá, considerando que a informação é mais recente. Bom Final de Semana,

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 14/02/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.