Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Lei Maria da Penha

Lei Maria da Penha será julgada pelo plenário do Supremo

Por 

O ministro Marco Aurélio, do Supremo Tribunal Federal, negou o pedido de liminar para suspender todos os processos que discutem a eficácia e constitucionalidade da Lei Maria da Penha. O pedido foi feito em Ação Declaratória de Constitucionalidade proposta pela Advocacia-Geral da União.

O advogado-geral da União, José Antônio Dias Toffoli, afirmou que alguns juízes e tribunais do país têm afastado a aplicação da lei por considerá-la inconstitucional. A ação do AGU, que também levou a assinatura do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, pediu concessão de liminar até seu julgamento final pelo Supremo.

Para fundamentar o pedido, Toffoli citou uma série de decisões que apresentam conclusões divergentes e desfavoráveis à lei. Uma delas, da 2ª Turma Criminal do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, declarou a inconstitucionalidade da lei com o argumento de que ela ofendia o princípio da igualdade entre homens e mulheres. Em sentido contrário, a 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais não só reconheceu a lei como também estendeu a sua aplicação também para homens e crianças vítimas de violência domestica.

Além dessas e de outras decisões conflitantes, foram aprovados, em setembro deste ano, enunciados no 3º Encontro dos Juízes de Juizados Especiais Criminais e Turma Recursais que negam validade parcial à lei. Um caso emblemático de contestação à lei Maria da Penha foi o do juiz Edílson Rumbelsperger Rodrigues, de Sete Lagoas (MG). Ele deu diversas sentenças que consideram a lei inconstitucional e, ainda, teceu críticas ao comportamento das mulheres. O juiz se referiu à lei como um “conjunto de regras diabólicas”. No dia 20 de novembro, o Conselho Nacional de Justiça instaurou processo disciplinar contra o juiz para analisar se as expressões usadas em suas decisões caracterizam excesso de linguagem e infração disciplinar.

O ministro Marco Aurélio fundamentou sua decisão em questões processuais. De acordo com ele, o pedido da AGU extravasa o que prevê o artigo 21 da Lei 9.868/99 (sobre ADI e ADC). De acordo com a regra, o “Supremo Tribunal Federal, por decisão da maioria absoluta de seus membros, poderá deferir pedido de medida cautelar na ação declaratória de constitucionalidade, consistente na determinação de que os juízes e os Tribunais suspendam o julgamento dos processos que envolvam a aplicação da lei ou do ato normativo objeto da ação até seu julgamento definitivo”.

Para Marco Aurélio, “o passo é demasiadamente largo, não se coadunando com os ares democráticos que nortearam o Constituinte de 1988 e que presidem a vida gregária. A paralisação dos processos e o afastamento de pronunciamentos judiciais, sem ao menos aludir-se à exclusão daqueles cobertos pela preclusão maior, mostram-se extravagantes considerada a ordem jurídico-constitucional”.

“As portas do Judiciário hão de estar abertas, sempre e sempre, aos cidadãos, pouco importando o gênero. O Judiciário, presente o princípio do juiz natural, deve atuar com absoluta espontaneidade, somente se dando a vinculação ao Direito posto, ao Direito subordinante. Fora isso, inaugurar-se-á era de treva, concentrando-se o que a Carta Federal quer difuso, com menosprezo à organicidade do próprio Direito. Eventual aplicação distorcida da Lei evocada pode ser corrigida ante o sistema recursal vigente e ainda mediante a impugnação autônoma que é a revelada por impetrações. Que atuem os órgãos investidos do ofício judicante segundo a organização judiciária em vigor, viabilizando-se o acesso em geral à jurisdição com os recursos pertinentes”, concluiu o ministro.

Marco Aurélio decidiu remeter ao Plenário do Supremo a análise do caso.

Leia a decisão

AÇÃO DECLARATÓRIA DE CONSTITUCIONALIDADE 19-3 DISTRITO FEDERAL

RELATOR: MIN. MARCO AURÉLIO

REQUERENTE(S): PRESIDENTE DA REPÚBLICA

ADVOGADO(A/S): ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO

DECISÃO

AÇÃO DIRETA DE CONSTITUCIONALIDADE – LEI Nº 11.340/06 – ARTIGOS 1º, 33 E 41 – LIMINAR - INADEQUAÇÃO.

  • Página:
  • 1
  • 2
  • 3

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 21 de dezembro de 2007, 20h01

Comentários de leitores

3 comentários

Totalmente inconstitucional, ao agrado das femi...

silvagv (Outro)

Totalmente inconstitucional, ao agrado das feministas. Espero que haja alguém aí no Supremo, Congresso que queira preservar a honra da família e os valores da sociedade.

Olá, todos, Quem sou eu para tecer comentários ...

Antônio Carlos de Quadros (Advogado Sócio de Escritório)

Olá, todos, Quem sou eu para tecer comentários a respeito de tal lei ? Não atuo na área penal, mas atuo na vida e sei que há mulheres que se prevalecem da situação criada com o advento da "Maria da Penha". A discussão sobre o assunto está apenas começando e não chegará ao seu termo tão logo. Como dizia um jornalista, aqui da minha terra (Bauru): OREMOS!!!

2007 foi um ano pródigo em lançamentos de livro...

Chiquinho (Estudante de Direito)

2007 foi um ano pródigo em lançamentos de livros jurídicos bons, comentando o diploma legal que resultou na Lei Maria da Penha, que trata das agressões sofridas pelas mulheres, como mecanismo para coibir a violência doméstica, prevenindo, punindo e erradicando a violência Tanto o livro "Violência Doméstica", dos juristas Rogério Sanches Cunha e Ronaldo Batista Pinto, Editora Revista dos Tribunais, comentando artigo por artigo da Lei nº 11.340/07, quanto à "A Lei Maria da Penha na Juastiça", da Des. Drª Maria Berenice Dias, da mesma editora, são um olhar estendido à inafetividade da mulher. Tratar a Lei Maria da Penha de diabólica, anticristã e incostitucional, como o fizeram alguns juízes desembargadores por esses brasis afora, só comprova uma realidade constitucional: O Novo Diploma Legal veio para ficar. A sua inspiradora, Maria da Penha Maia Fernandes, cumpriu a parte dela, invocando a Comissão Interamericana de Direitos Humanos, o Comitê Latino-Americano e do Caribe para a Defesa dos Direitos da Mulher (CLADEM)... A senadora que elaborou o projeto de Lei Original nº 4.559/04 fez a sua parte. O Legislador aprovou. O Presidente sancionou. A Lei está posta. Agora, só falta a Justiça cumprir sua responsabilidade. Cícero Tavares de Melo (chiquinhoolem@yahoo.com.br) . Acadêmico em Direito da FACIPE.

Comentários encerrados em 29/12/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.