Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Tributo não pago

Law Kin Chong também vai responder por descaminho

O empresário Law Kin Chong vai responder também pelo crime de descaminho. A 4ª Vara Federal de São Paulo aceitou, nesta quarta-feira (19/12), denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal. A Justiça também manteve a prisão domiciliar de Chong.

No último dia 14 de novembro, Law foi flagrado em uma blitz da prefeitura de São Paulo, Polícia Civil e Polícia Federal. Na ocasião, foram apreendidos produtos importados ilegalmente e expostos à venda no Shopping Pari, de sua propriedade.

Chong já é réu em processo que tramita na 2ª Vara Federal de São Paulo pelo crime de lavagem de dinheiro oriundo de descaminho e cumpre prisão domiciliar em virtude de uma condenação pelo crime de corrupção ativa. Ele e um advogado foram condenados por tentar subornar o ex-deputado federal Luiz Antonio Medeiros (PL-SP).

Segundo a denúncia aceita nesta quarta, foram apreendidos produtos ilegais em oito boxes do shopping e numa sala do quarto andar do prédio. Entre os produtos apreendidos, estavam 1.834 relógios de pulso das marcas Puma, Adidas, Casio e Chanel; microfones sem fio; bolsas femininas; 1.990 memory cards do videogame PlayStation 2; bonés; centenas de controles remotos e fones de ouvido; mouses e calculadoras.

De acordo com o MPF, Chong e seus filhos tentaram montar uma fracassada operação para esconder a verdadeira propriedade do shopping. No papel, o estabelecimento pertence à empresa TR 25, de Thomas e Henrique Law, filhos do empresário. O imóvel foi adquirido com R$ 4 milhões emprestados para a TR 25. O empréstimo foi feito pela Calinda, empresa de Law Kin Chong, diz o MPF.

Ainda segundo o Ministério Público, a TR 25 foi constituída em agosto de 2002 com capital de R$ 20 mil. Em novembro do mesmo ano, a empresa registrava capital de R$ 4 milhões e 20 mil.

Além da denúncia, o MPF pediu que a Polícia Federal instaure um novo inquérito para aprofundar as investigações das acusações de lavagem de dinheiro.

Revista Consultor Jurídico, 19 de dezembro de 2007, 21h03

Comentários de leitores

3 comentários

Curioso é ver os Shoppings do seu Law sendo fec...

RBS (Advogado Autônomo)

Curioso é ver os Shoppings do seu Law sendo fechados e no resto da Paulista um monte de camelos vendendo DVD's piratas. Não quero defender o Law, mas é engraçado ver coisas como essas...

FUTUKA: A unica vez que V.S.a. se enganou,foi o...

Phodencius (Investigador)

FUTUKA: A unica vez que V.S.a. se enganou,foi o dia em que ACHOU que estava enganado! Faço minhas vossas palavras! Bom natal!

Esse cara deve estar tão preocupado(?)..que ao ...

futuka (Consultor)

Esse cara deve estar tão preocupado(?)..que ao sair começa tudo de novo.."muambeiro" é "muambeiro" tá no sangue, igual as drogas. Se não permanecer na CADEIA por um longo tempo com o devido tratamento dado a qualquer outro preso, ele não vai mudar

Comentários encerrados em 27/12/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.