Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Roberto em Detalhes

Proibir biografia é uma violência cultural sem precedentes

Por 

[Artigo publicado originalmente na Folha de S.Paulo desta segunda-feira, 17 de dezembro]

Foi um "erro de digitação". Essa foi a resposta que o advogado de Roberto Carlos forneceu à Folha ao ser indagado sobre a denúncia de adulteração do conteúdo do livro Roberto Carlos em Detalhes na queixa-crime que seu escritório enviou à Justiça contra mim. Recapitulando: no livro, digo que na jovem guarda havia uma “combinação de sexo, garotas e playboys”. Pois na página 16 da queixa-crime essa frase é citada com a troca da palavra "garotas" por "drogas" e, em seguida, os advogados escreveram: "(...) e por aí vai o querelante, misturando sexo grupal com homicídio, consumo de drogas com corrupção de menores e bestialismo”.

Ressalte-se que não apenas naquele documento como também em entrevistas o advogado Marco Antônio Campos tem atribuído ao livro frases que não escrevi. À revista Aplauso, por exemplo, ele afirmou que no livro está dito que o cantor "era assíduo freqüentador da cobertura de Carlos Imperial, onde as festinhas eram regadas a todos os tipos de drogas", e que, "uma vez, uma menor foi estuprada e morta numa dessas festas". Ocorre que o livro não fala em drogas ou homicídios na casa de Imperial e muito menos associa Roberto Carlos a isso. Narra, sim, um escândalo que abalou a jovem guarda em 1966, com Imperial e outros artistas acusados de se envolver com garotas menores. No texto, enfatizo que aquilo não atingiu Roberto Carlos. Qualquer um pode confirmar isso no livro, da página 306 até a página 311. Basta ler!

É lamentável que Roberto Carlos tenha entrado na Justiça sem ao menos ter lido a sua biografia. "Fizemos um resumo para ele", confessa Campos. Se o resumo que o advogado fez ao cantor foi o mesmo que está na queixa-crime e propaga em entrevistas, está finalmente explicado por que Roberto Carlos ficou tão furioso com um livro que engrandece a sua vida e a sua arte. E agora também finalmente sabemos a que ele estava se referindo quando, na primeira manifestação contra o livro, disse em entrevista coletiva que nele haveria "coisas não verdadeiras". Ou seja, diante de toda a imprensa brasileira, um dos maiores artistas do país desqualifica o trabalho de um profissional apenas baseado num resumo adulterado que lhe foi fornecido por colaboradores.

Campos fala agora em "erro de digitação". Roberto Carlos, assim como o presidente Lula, provavelmente vai dizer que nada sabia. E, aí, estamos conversados? Não, não estamos. Como bem afirmou Paulo Coelho meses atrás em artigo aqui mesmo na Folha, o que está em jogo nessa polêmica não é apenas o meu livro, não é apenas o meu caso. É a liberdade de expressão no Brasil, direito adquirido depois de longa luta contra a ditadura. Porque, se valer para outras figuras públicas o que está valendo para Roberto Carlos, ninguém mais poderá escrever a história deste país. Várias personalidades que já leram Roberto Carlos em Detalhes, como Caetano Veloso, Nelson Motta e Ruy Castro, declararam que se trata de um livro carinhoso e positivo para o cantor.

Em recente entrevista à Veja, o renomado jurista Saulo Ramos afirmou que o livro "é uma biografia perfeita. Não tem um ataque moral contra o Roberto. Ele me consultou e eu o aconselhei a não tomar nenhuma providência. Recusei a causa, e ele procurou outros advogados". Será que todas essas pessoas estão erradas e apenas os advogados que o cantor procurou estão certos? É óbvio que esses advogados estão fazendo o papel deles, mas daí a tergiversar no processo, adulterar o conteúdo da obra para induzir a Justiça a erro vai uma grande diferença. E, diante disso, não posso e não devo me calar. Pois foi baseado no conteúdo dessa queixa-crime que o juiz Tércio Pires, do Fórum Criminal da Barra Funda (SP), julgou que o livro cometia grande ofensa à honra de Roberto Carlos. Acreditando nisso, por duas vezes esse juiz ameaçou mandar fechar a editora Planeta durante aquela fatídica audiência, em 27 de abril. Sentindo-se coagida, a editora decidiu aceitar o acordo, me deixando abandonado. Resultado: o livro foi proibido, 10.700 exemplares do estoque foram apreendidos, e outros tantos, recolhidos das livrarias e entregues a Roberto Carlos para serem destruídos.

É uma violência cultural sem precedentes em países sob vigência do Estado democrático de Direito. Para o cantor, esse imbróglio trouxe desgaste de imagem e nenhum sentido prático, pois o conteúdo do livro está na internet. Além disso, o tempo ficou cada vez menor e até agora ele não conseguiu aprontar um novo álbum ou lançar uma ou duas novas músicas — fato que não acontecia desde que gravou seu primeiro disco, há 48 anos. Portanto, 2007 ficará marcado na história de Roberto Carlos como o ano em que ele não lançou nenhum novo CD, mas, ao contrário, tirou de circulação a sua biografia.

Paulo Cesar de Araújo é historiador, jornalista e autor de Roberto Carlos em Detalhes.

Revista Consultor Jurídico, 17 de dezembro de 2007, 15h15

Comentários de leitores

12 comentários

eu acho que todo cidadão,tem o direito de repug...

orlando (Comerciante)

eu acho que todo cidadão,tem o direito de repuguinar aquilo que ele acha que esta o prejudicando(de uma maneira ou de outra)nos vivemos em um país "democrata". eu lí o livro "detalhes",eu não vi nada demais em meu enteder,mais roberto carlos tem o direito de proibi-lo,pelo fato dele se achar ofendido,a liberdade que o paulo cesar teve de escrever,é a mesma liberdade que o roberto tem de impuguinar. mais o que eu vejo,são pessoas que não gostam de roberto carlos,e aproveitam para critica-lo de uma certa forma,acusando de coisas que roberto é acusado.coisas que são acusações,não fatos. aroberto tem uma carreira de 50 anos(com muito trabalho e honestidade) o tempo é a resposta,e ele esta aí(sendo elogiado ou criticado)sempre estão falando em seu nome. temos que ter respeito ao seu trabalho e pessoa,ele é um exemplo de como de dignidade. não precisa fazer sensacionalismo em relação em ajudar as pessoas,pois conheço muitas pessoas que foram ajudadas por ele,(mais aqui no brasil,precisamos aparecer na tv,para sencibilizar as pessoas pelo que fizermos ao proximo)(como muitos fazem) unanimidade não existe,pois jesus tenta aaté hoje e não consegue. VIVA ROBERTO CARLOS!!!!!!!!!!!!

Roberto Carlos afonta a Carta Magna Roberto ...

Chiquinho (Estudante de Direito)

Roberto Carlos afonta a Carta Magna Roberto Carlos, o maior representante do Movimento Besterol Jovem Guarda, sofre de Psique Despombalizada, que pode ser def num conjunto de nóia, contradição, mania, mumunha, muganga, que os maiores teóricos psicanáliticos do mundo, como Sigmund Freud, Carl Jung... jamais ousariam em decifrá-lo, tamanhas as inconformidades de suas ações pessoas de 1980 para cá.., principalmente depois que começou suas incursões oníricas num catolicismo exacerbado. Junto a isso, a chegada da indesejada da gente, que levou sua consorte, Maria Rita, para “além do horizonte.” O quiproquó tornado público em torno do livro biográfico, Roberto Carlos em Detalhes, Editora Planeta, 2006, com mais de 500 páginas saídas das penas sensíveis do jornalista, historiador e professor de História paulistano, Paulo César de Araújo, só vem confirmar esse despombalizamento do “rei” da jovem guarda, quando acusa o autor de ter entrado na intimidade dele de forma desonesta e desleal, o que, segundo o “rei”, isso é calúnia, difamação e aleivosia! Fatos despombalizados como esse já ocorreram com o “rei” Roberto Carlos em priscas eras: o inconstitucional impedimento de uma séria de reportagens veiculadas pelo jornal “Notícias Populares”, editado pela FOLHA DE SÃO PAULO, à época, exemplificando sua obstinada determinação na busca pelo sucesso, mesmo sem uma perna, mesmo o cupim querendo-lhe comer; a proibição do livro do seu mordomo em 1979, que informava, no livro, que o Roberto Carlos Santinho, comia todas as “marias banguelas” que aparecessem; a acirrada disputa judicial contra o maestro Sebastião Braga, compositor da música “Loucuras de Amor”, transformada por Roberto Carlos e Erasmo em “O Careta”, que os acusava de plágio, segundo cons

Rui Castro Estreando com “Chega de Saudade” ...

Chiquinho (Estudante de Direito)

Rui Castro Estreando com “Chega de Saudade” (1990), uma pesquisa percuciente, inteligente e refinada das histórias da bossa nova, seguindo-se uma seqüências de biografias de personagens revolucionários da nossa história, tais como: Nelson Rodrigues (O Anjo Pornográfico (1992), Garrincha (Estrela Solitária – Um Brasileiro Chamado Garrincha (1995), Carmen Miranda (Carmen – Uma Biografia) (2005), além de outros livros maravilhosos que permeiam histórias de músicos e cantores extraordinários, Rui Castro, nosso maior biógrafo da atualidade, nos traz a lume um romance colonial, “Era no tempo do rei”, que já é uma obra-prima sobre as irresistíveis e rocambolescas ações da Corte de D. Pedro e da vingativa princesa Carlota Joaquina, onde o erotismo, a crítica, a sátira, o puxa-saquismo, o jeitinho, o sadismo, os excessos palacianos e o humor sarcástico já profetizavam a nação que ia se construindo a partir daquela sordidez palaciana. Cícero Tavares de Melo (chiquinhoolem@yahoo.com.br). Acadêmico em Direito da FACIPE

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 25/12/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.