Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Direito de cobrar

Advogado pode cobrar honorários com boleto bancário, diz OAB-SP

Por 

Nada impede que advogados e sociedades de advogados usem boleto bancário para cobrar honorários por serviços prestados, contanto que haja previsão contratual e que o cliente concorde. O que é vedada é a emissão de duplicata ou título de crédito pelo advogado credor (letra de cambio e a fatura) e o seu protesto.

As conclusões são da Turma de Ética Profissional do Tribunal de Ética da seccional paulista da OAB, que foi instada a se manifestar sobre a possibilidade de os honorários serem pagos através de boleto bancário. A Turma interpretou o artigo 42 do Código de Ética e Disciplina da Advocacia, que trata da cobrança pelos serviços advocatícios. O relator do caso foi o advogado Cláudio Felippe Zalaf.

O dispositivo mencionado prevê o seguinte: “O crédito por honorários advocatícios, seja de advogado autônomo, seja da sociedade de advogados, não autoriza o saque de duplicatas ou qualquer outro titulo de crédito de natureza mercantil, exceto a emissão de fatura, desde que constitua exigência do constituinte ou assistido, decorrente de contrato escrito, vedada a tiragem de protesto”.

Segundo o relator, o boleto bancário não é titulo de crédito, mas documento compensável e destinado a servir como meio de cobrança de valores líquidos e certos, contratados e aceitos. Por isso, pode ser usado normalmente.

O cliente pode pagar pelos serviços com cheque ou nota promissória, que podem ser levados a protesto quando os prazos estipulados não forem cumpridos. “Atualmente a vida econômica seria incompreensível com a ausência dos títulos de crédito e sua circulação atendendo aos limites de tempo e espaço a fim de transportar mais facilmente as relações sociais, econômicas e psico-sociais do relacionamento humano”, diz o parecer.

Leia o parecer

TRIBUNAL DE ÉTICA SE PRONUNCIA SOBRE COBRANÇA DE HONORÁRIOS POR BOLETO BANCÁRIO

Parecer recente da Turma de Ética Profissional do Tribunal de Ética e Disciplina da OAB SP expressa que não é vedado ao advogado enviar carta de cobrança ou notificação extrajudicial para recebimento de seus honorários, sendo que o contrato de honorários constitui instrumento apto à fixação e possível cobrança de serviços advocatícios.

O relator Cláudio Felippe Zalaf ressalta que o boleto bancário não é titulo de crédito, mas documento compensável e destinado a servir como meio de cobrança de valores líquidos e certos, contratados e aceitos, sendo que pode ser usado para cobrança simples de honorários advocatícios quando houver previsão contratual e expressa concordância do cliente, sem a discriminação dos serviços prestados, vedada qualquer instrução ao banco recebedor sobre penalidade em caso de inadimplência.

Veja a íntegra do Parecer:

Indaga o consulente se é possível à emissão de boleto para cobrança de honorários advocatícios.

A dúvida do consulente diz respeito à cobrança de honorários advocatícios por meio de boleto bancário.

É preciso uma avaliação mais ampla do caso vertente submetido a esta Corte para conceituar o que pode e o que não pode o advogado e como deve ele proceder o advogado para o recebimento de seus honorários, seja por serviços já prestados ou por aqueles ainda em andamento profissional.

O Código de Ética e Disciplina – CED determina, no artigo 42:

“O crédito por honorários advocatícios, seja de advogado autônomo, seja da sociedade de advogados, não autoriza o saque de duplicatas ou qualquer outro titulo de crédito de natureza mercantil, exceto a emissão de fatura, desde que constitua exigência do constituinte ou assistido, decorrente de contrato escrito, vedada a tiragem de protesto”.

1. - A primeira leitura desse dispositivo sugere que o advogado não poderia sequer receber um título de crédito em pagamento de seus honorários (nem mesmo um cheque ou nota promissórias, que são títulos de crédito), e se o recebesse, não o poderia jamais protestar. Essa interpretação foi sedimentada no âmbito de nossa classe, e prevalece ainda hoje. Mas uma nova avaliação do mesmo dispositivo indica, todavia, que não é bem assim.

2. - Com efeito, a análise sistemática do artigo 42 acima transcrito permite uma nova abordagem interpretativa, à luz dos conceitos jurídicos que norteiam o direito cambiário, e definem a natureza jurídica dos títulos de crédito.

3. - Na lição de Vivante[1], “título de crédito é o documento necessário para o exercício do direito [de crédito], literal e autônomo, nele mencionado”. São atributos comuns a quaisquer títulos de crédito: incorporação (a própria cártula), literalidade (vale pelo que nela está contido) e autonomia (o direito do possuidor do título independe de quaisquer outras razões ou direitos dos possuidores anteriores do título, aos quais não se vincula).

  • Página:
  • 1
  • 2
  • 3

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 12 de dezembro de 2007, 17h31

Comentários de leitores

3 comentários

A decisão é correta. Acredito que não se trata ...

Émerson Fernandes (Advogado Autônomo - Civil)

A decisão é correta. Acredito que não se trata de mercantilização da profissão. Ao contrário, a viabilidade da cobrança dos honorários por meios mais eficientes e cômodos ajuda a valorizar o relevante serviço prestado pelo advogado, na medida que demonstra profissionalismo e organização em sua atuação, bem como educa o cliente a honrar os seus compromissos, muitas vezes esquecidos.

De fato, não há dinheiro no mundo que pague a c...

Alexandrino (Estagiário)

De fato, não há dinheiro no mundo que pague a comodidade, seja do cliente, seja do profissional que presta o serviço. Aliás, coloca-se necessário que a prática financeira de emitir boletos seja adotada de forma geral, o que só vem a corroborar, inclusive, com as palavras do Dr. Toron.

A decisão do Tribunal de Ética da OAB-SP, a des...

toron (Advogado Sócio de Escritório)

A decisão do Tribunal de Ética da OAB-SP, a despeito da primeira impressão, coloca-se inteiramente de acordo com os padrões vigentes nas relações que se estabelecem entre clientes e advogados, sobretudo quando se trata de bancos e grandes empresas. Aliás, até mesmo a pessoas humildes torna-se mais fácil usar do boleto como meio de pagamento em qualquer banco. Alberto Zacharias Toron, advogado, Secretário-Geral Adjunto da OAB.

Comentários encerrados em 20/12/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.