Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Preço do amor

Indenização por abandono afetivo não aproxima pais e filhos

Por  e 

“Aos pais incumbe o dever de sustento, guarda e educação dos filhos (artigo 22, da lei 8.069/90). A educação abrange não somente a escolaridade, mas também a convivência familiar, o afeto, amor, carinho, ir ao parque, jogar futebol, brincar, passear, visitar, estabelecer paradigmas, criar condições para que a presença do pai ajude no desenvolvimento da criança”1, Mário Romano Maggioni.

Sob essas palavras, o nobre magistrado de Capão da Canoa, Rio Grande do Sul, reconheceu o direito a indenização à filha abandonada afetivamente pelo pai. O processo, em fase de execução, traz em seu teor o preço do abandono: 200 salários mínimos.

A história2, é de uma jovem, fruto de um relacionamento sem sucesso, que desde os seus primeiros anos se relacionou com o genitor apenas em audiências. Apesar do comprometimento, inclusive em juízo, de estar presente durante a criação da filha, o pai jamais demonstrou qualquer afetividade pela criança, pouco se importando com a sua existência, dando-se por satisfeito com a condenação à obrigação material. Infelizmente, casos como esse têm deixado a esfera da exceção. Filhos já não são mais âncoras de responsabilidade, capazes de transformar até a vida dos mais desregrados. Ao contrário, nunca houve tamanha isenção de obrigações. A família há muito não ostenta as vestes sagradas de outrora.

Casos análogos

Por onde surgiu, o tema gerou polêmica. Diferentemente de outras matérias complexas e sem precedentes que vêm surgindo nos Tribunais, em casos de abandono exclusivamente afetivo não tem havido “pisar em ovos” durante os julgamentos. As correntes são sempre defendidas com unhas e dentes, já havendo registros de debates grandiosos entre os membros de certas Cortes (nesse sentido, o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul desponta na vanguarda).

O abandono afetivo não é novidade no meio jurídico. A sua existência é constantemente analisada em hipóteses de destituição familiar, a mais grave pena civil a ser imputada a famílias flagrantemente desestruturadas. Nesses casos extremos, sem qualquer possibilidade de conciliação que resguarde os direitos da criança, temos a ausência de afeto como parte de um conjunto de males causadores de verdadeira tortura ao filho abandonado. Falta não só carinho, como condições de sobrevivência. Desse modo, é incontestável a existência do dano.

Contudo, aqui discuto a indenização pelo abandono unicamente afetivo. O pai, cumpridor dos deveres materiais, acintosamente se desobriga da criação do filho. Todavia, o menosprezo vindo daquele que jamais deveria eximir-se do afeto causa angústia à criança. Se há dano e culpa3, há o dever de reparar. Entretanto, é imprudente essa absorção plena do conflito familiar de natureza afetiva ao campo da responsabilidade civil, sob o risco de invasão dos limites do Direito de Família. Então surge o questionamento inevitável:

Compete ao Judiciário equilibrar através da quantificação pecuniária a relação entre pais e filhos e, concomitantemente, punir os faltosos aos deveres afetivos presumivelmente inerentes à paternidade?

Da compreensão jurisprudencial e doutrinária extraímos duas respostas antagônicas. Temos o dever de afeto como suposta parcela da educação prevista em Lei, em oposição à chamada “monetarização do amor”, fundamentada na cautela. O temor surge a partir do prelúdio de uma enxurrada de ações indenizatórias munidas de interesses mercenários, não havendo como exigir do julgador a faculdade sobrenatural do discernimento entre a real angústia do abandono e a ganância inescrupulosa.

Encruzilhada jurídica

Atualmente, estamos entre a ruína e a glória na responsabilidade civil. Temos triunfado na proteção aos direitos fundamentais que, até então, eram considerados de menor importância. Há pouco tempo, ficávamos surpresos com as indenizações concedidas no exterior. Reparação por dano à imagem? Só para grandes celebridades. Era imperiosa a reformulação do instituto. Por sorte, não faltou quem militasse a favor dessa metamorfose.

Em um exercício mental rápido, é fácil comprovar a transformação. Relembre: há uma década (1997), quantas pessoas próximas a você receberam indenização por dano moral? O advento do novo Código Civil foi a resposta parcial às aflições. Maravilhada com o novo cenário jurídico, extremamente protetor, a vítima passou a exigir o respeito que lhe era devido há tanto tempo. Entrementes, até onde essa comporta pode ser aberta?

Sobre o questionamento, explica o desembargador Luiz Felipe Brasil Santos:

“A matéria é polêmica e alcançar-se uma solução não prescinde do enfrentamento de um dos problemas mais instigantes da responsabilidade civil, qual seja, determinar quais danos extrapatrimoniais, dentre aqueles que ocorrem ordinariamente, são passíveis de reparação pecuniária. Isso porque a noção do que seja dano se altera com a dinâmica social, sendo ampliado a cada dia o conjunto dos eventos cuja repercussão é tirada daquilo que se considera inerente à existência humana e transferida ao autor do fato. Assim situações anteriormente tidas como "fatos da vida", hoje são tratadas como danos que merecem a atenção do Poder Judiciário, a exemplo do dano à imagem e à intimidade da pessoa”.

  • Página:
  • 1
  • 2
  • 3

 é servidor da Defensoria Pública de Rondônia

 é servidora do Tribunal de Justiça de Rondônia.

Revista Consultor Jurídico, 6 de dezembro de 2007, 19h11

Comentários de leitores

8 comentários

Nobre magistrado??? É engraçado. Falou-se no...

silvagv (Outro)

Nobre magistrado??? É engraçado. Falou-se no texto sobre a obrigação da ampliação, pelo pai, que difilmente tem a guarda dos filhos, da educação, levando afeto, brincar no parque, essa coisa romântica. Esquecem que o pai também tem seus direitos e suas carências, querem receber um presente no dia deles, um abraço verdadeiro do filho, assim como certamente ele faz com a mãe, pois nossas leis as isentam do mais difícil de se fazer: colocar dinheiro em casa. E ainda o obrigam a pagar indenização. Pois bem, pais, mostrem que vocês são dignos, que, diferentemente de juízes que dão essas sentenças, vocês honram suas calças e a dignidade de serem homens e pais. Pague, dê a ela o dinheiro que ela quer, mas nunca dê a ela aquilo que nenhum juiz nunca vai obrigá-lo a proporcionar a ela: o reconhecimento, o amor e o carinho, que ela não teve por você. Até que legisladores e juízes modifiquem a lei que privilegia a mulher: ela sempre fica com a guarda do filho e ainda recebe pensão para cuidar deles. E aos pais, conforme já tive oportunidade de ver, cabem os fins de semana, feriados e sempre a iniciativa de ir até o filho. Eles nunca imaginam que o pai também é gente, tem sentimento e, para ser pai de verdade e dar aos filhos carinho e afeição, precisam receber deles isso também. Amor é troca, e nenhum papel cheio de baboseiras vai dizer o contrário. Paga a pensão e dê um gelo nessa filha. Quando chegar a hora, cobre dela o que a lei lhe dá de direito: ser atendido, com dignidade, pelos filhos, inclusive pecuniariamente, quando não puder trabalhar e, se principalmente, se for doente. Seria abandono de incapaz. Faça com que ela curse uma boa faculdade com o seu dinheiro, depois não tenha vergonha de cobrar. Vá à luta!

Francamente! Os brasileiros de minha faixa etá...

Neli (Procurador do Município)

Francamente! Os brasileiros de minha faixa etária eram tratados pelos pais com beliscões,varas de marmelo,chineladas e pontapés,a juventude de hoje é tão paparicada. E,somos gente! E,outra coisa: os homens/mulheres deveriam parar de fazer filhos,como são irresponsáveis,se não sabem criá-los pq colocá-los no mundo?

O fecho do artigo resume com maestria tudo quan...

Radar (Bacharel)

O fecho do artigo resume com maestria tudo quando se podera sobre o tema: "O dinheiro não é a resposta para tudo." Exigir dinheiro para compensar afeto numa seara tão peculiar como a do direito de família, apenas favorece o enriquecimento sem causa, e em nada colabora para a solução dos graves conflitos que envolvem uma relação familiar sem amor. Não cria laços, mas apenas cristaliza os nós. Imagino dois pais num bar, discutindo sobre o assunto. Um diz: estou sendo obrigado a pagar 200 salários mínimos àquele rapaz que sequer considero como filho, pois o juiz diz que essa falta de amor deverá ser compensada em dinheiro. O outro responde: Já eu, batia constantemente no meu filho. Fui destituído do pátrio poder, e assim não vou ter que pagar nada.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 14/12/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.