Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Menor abandonado

Governo abandona mãe que tenta trazer filho da Itália

A maranhense Civanilde Marques, mãe do menino Isaac Marques de Carvalho, está prestes a perder a última chance para tentar reaver, na Justiça italiana, a guarda do seu filho de 13 anos. O Ministério das Relações Exteriores parou de pagar o advogado italiano Maurizio Irrera, que acompanha o processo na Corte de Turim.

O diretor do departamento das comunidades brasileiras no exterior do MRE, Eduardo Gradilone, enviou oficio à procuradora federal dos direitos do cidadão, Ela Wiecko de Castilho, dizendo que o governo federal sairia do caso. Civanilde é carente e não possui recursos para bancar as despesas.

Grandilone alega que o ministério não poderá continuar a conceder auxílio financeiro à mãe por causa de limitações orçamentárias. “Outros despêndios em favor da senhora Civanilde Marques exigiriam realocação de recursos destinados à assistência consultar e poderiam comprometer o atendimento das demandas de outros cidadãos brasileiros desvalidos no exterior que também enfrentam necessidades e requerem auxílio financeiro”, diz o oficio.

A afirmação foi contestada pela procuradora em outro ofício. Na avaliação de Ela Wiecko, a assistência jurídica gratuita deve ser ampla, irrestrita e integral, sob pena de não ser garantida a ampla defesa ao brasileiro no estrangeiro.

“Por se tratar de uma situação em que a violação de direitos fundamentais está em jogo, temos por certo que as chances de uma reviravolta no caso sejam bem maiores nos tribunais superiores italianos, pois evidentemente são cortes mais sensíveis a possíveis violações de garantias fundamentais”, argumenta Ela Wiecko.

São necessários pelo menos € 4 mil (aproximadamente R$ 10,6 mil) para pagar os honorários do advogado e as despesas com o recurso da decisão da Justiça italiana.

No dia 11 de outubro deste ano, o juiz de primeira instância não aceitou pedido da mãe para reverter o processo de adoção e permitir o reencontro com o filho.

Desde então, Isaac vive com uma família italiana. Em julho deste ano, Civanilde foi entrevistada por uma psicóloga designada pela Corte de Turim para avaliar o seu pedido de encontro entre ela e seu filho.

Na penúltima audiência, realizada em 12 de julho, a Justiça italiana negou o pedido, com base no laudo apresentado pela psicóloga, alegando que o eventual encontro entre eles seria prejudicial ao menino.

Isaac não tomou conhecimento da presença de sua mãe biológica na Itália e de sua luta para manter contato com ele. É o processo de adoção mais longo na história da Justiça italiana.

Entenda o caso

Isaac Marques de Carvalho nasceu em São Vicente Férrer (MA), em agosto de 1994. Quando tinha quatro anos, foi levado, com o consentimento dos pais, para a Itália pela tia Maria Magnólia Castro, casada com o italiano Alberto Toffoli.

Em 2003, o menino passou a viver com uma família italiana e, por decisão da Justiça daquele país, deveria ser adotado na Itália, uma vez que o garoto encontrava-se em situação de abandono pelos pais brasileiros.

Em outubro de 2006, após intervenção do Ministério Público do Maranhão, o governo estadual arcou com as passagens aéreas para que Civanilde fosse à Itália, para participar de audiência do processo de adoção. Na época, a mãe de Isaac foi deportada por autoridades francesas para o Brasil quando fazia conexão no aeroporto de Paris, sob o argumento de imigração ilegal.

Revista Consultor Jurídico, 6 de dezembro de 2007, 0h00

Comentários de leitores

6 comentários

Se os Pais concentiram porque quer reaver "arre...

Murassawa (Advogado Autônomo)

Se os Pais concentiram porque quer reaver "arrependeu", portanto, deixe o menino lá na italia.

Sem querer desafinar o côro dos contentes, mas ...

anat (Advogado Assalariado - Administrativa)

Sem querer desafinar o côro dos contentes, mas já o fazendo: uma mãe que permitiu a ida do filho para o exterior; que sequer pode pagar por um advogado, deveria tentar tirar o filhos de um país de primeiro mundo, onde ele terá muito mais condições de ser um cidadão feliz? Sabe aquela história de dividir o filho em 2 para contentar as duas mães? Acho que a brasileirra aceitaria ficar com metade da criança, por puro egoísmo! É a mentalidade subliminar que sempre predomina neste país...Ela prefere ver a prole na miséria para poder pedir bolsa família... Quanto à CPMF... petista´só é a favor por que carrega o próprio dinheiro na cueca... E quem só tem os filhos que pode criar que continue trabalhando 4 meses por ano para sustentar os filhos dos outros... para ser assaltado por eles no farol... "O Brasil é isso aí, mesmo!"

Sem o intento de entrar no mérito da questão mo...

Comentarista (Outros)

Sem o intento de entrar no mérito da questão moral, é de se estranhar - e muito! - o fato de pais consentirem que tios levem uma criança de apenas quatro anos ao exterior... Noves fora...sei não!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 14/12/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.