Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Sem mágoas

Leia a carta de renúncia de Renan Calheiros à Presidência do Senado

“Compreendo que presidir esta Casa é conseqüência das circunstâncias políticas. Entendo também que, quando tais circunstâncias perdem densidade, ameaçando o bom desempenho das atividades legislativas, é aconselhável deixar o cargo. Assim, renuncio ao cargo de presidente do Senado Federal, sem mágoas ou ressentimentos, de cabeça erguida”, disse nesta terça-feira (4/12) o senador Renan Calheiros (PMDB-AL), ao ler carta de renúncia à Presidência do Senado.

Calheiros leu a carta de sua bancada no Plenário do Senado, antes de começar o julgamento do processo contra ele por quebra de decoro parlamentar. O ex-presidente da Casa é acusado de usar “laranjas” na compra de veículos de comunicação em Alagoas.

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Cezar Britto, criticou a atitude de Renan Calheiros de renunciar apenas ao cargo de presidente da Casa. "Os mesmos requisitos éticos de competência e credibilidade exigidos para ser presidente do Senado Federal são os mesmos atribuídos a qualquer Senador da República. Quem não serve para um, não serve para outro reciprocamente.” Britto disse também que “pensar diferente é não compreender o papel relevante do Senado Federal para a manutenção da República.”

Renan já foi absolvido em outros dois processos por quebra de decoro parlamentar. O primeiro foi por suposto uso de dinheiro de empreiteira no pagamento da pensão à jornalista Mônica Veloso, com quem o senador tem uma filha. O segundo por supostamente ter beneficiado uma cervejaria junto ao INSS. O senador pediu licença do cargo de presidente no dia 11 de outubro.

Segundo o senador, ele não renunciou antes porque poderia sugerir uma aceitação do que chamou de “infâmias e inverdades”. A renúncia do ex-presidente do Senado será publicada no Diário Oficial na quarta-feira (5/12), quando começa a contar o prazo regimental de cinco dias para a eleição do novo presidente da Casa, como informa a Agência Senado.

O presidente interino do Senado, Tião Viana (PT-AC), convocou uma reunião de líderes para a próxima terça-feira (11/12) para tratar do assunto. O senador Arthur Virgílio (PSDB-AM) lembrou que cabe ao PMDB, maior partido da casa, indicar um nome para a sucessão de Renan.

Leia a carta de renúncia

Brasília-DF, 04 de dezembro de 2007.

Senhor Presidente.

Agradeço aos ilustres membros desta Casa, que, com sua amizade, seu apoio e, sobretudo, sua confiança, distinguiram-me para ocupar, por quase três anos, em duas eleições consecutivas, um dos postos mais honrosos da República, a Presidência do Senado Federal.

Agradeço, também sensibilizado, aos servidores desta Casa, do mais graduado ao mais humilde, pela dedicação e empenho que tiveram.

Não medi esforços para estar à altura do prestígio do cargo. No seu exercício, mantive excelentes relações e perfeita harmonia com os demais Poderes da República, com todos os senadores e senadoras, com os governadores e prefeitos, sempre em nome do equilíbrio da Federação.

Compreendo que presidir esta Casa é resultado das circunstâncias políticas. Entendo, também, que quando tais circunstâncias perdem densidade, ameaçando o bom desempenho das atividades legislativas, é aconselhável deixar o cargo.

Assim renuncio ao mandato de Presidente do Senado Federal, sem mágoas ou ressentimentos, de cabeça erguida, demonstrando, mais uma vez, que não usei das prerrogativas do cargo para me defender.

Não adotei este gesto antes pois poderia sugerir, naquele momento, uma aceitação das infâmias e inverdades. Desculpem-me se essa interpretação não pareceu a mais conveniente, mas agi de acordo com a minha consciência, convicto de que era a conduta mais correta.

Meu pensamento, nesta hora difícil de minha vida, volta-se para o povo de Alagoas, que, com sua confiança e soberania, me investiu do mandato de Senador da República, de que tanto me orgulho.

Respeitosamente.

Senador RENAN CALHEIROS

Revista Consultor Jurídico, 4 de dezembro de 2007, 18h02

Comentários de leitores

5 comentários

Do Estado de S. paulo do dia de hoje: Por ...

Richard Smith (Consultor)

Do Estado de S. paulo do dia de hoje: Por Eugênia Lopes e Rosa Costa, no Estadão: "Depois da absolvição, Renan Calheiros (PMDB-AL) foi direto para a casa do senador e ex-presidente José Sarney (PMDB-AP) no Lago Sul - considerada o centro do poder do PMDB em Brasília. Ali, Renan foi recepcionado por meia dúzia de peemedebistas. Em setembro, quando foi absolvido no caso Mônica Veloso, a comemoração foi na casa da filha de Sarney, a líder do governo no Congresso, Roseana Sarney (PMDB-MA). Sonoras gargalhadas eram ouvidas do lado de fora da casa. Renan, segundo um dos comensais, mais de uma vez se referiu ao senador Jefferson Péres (PDT-AM), que pediu sua cassação no Conselho de Ética, com a expressão 'pobre relator'. O senador alagoano passou boa parte da comemoração ao telefone, agradecendo os votos que garantiram sua salvação.Experiente em processos e renúncias, o ex-presidente do Senado e hoje deputado Jáder Barbalho (PA) marcou presença na festa. Pouco depois, juntaram-se aos convivas o líder do governo no Senado, Romero Jucá (RR), e Roseana. Cotado para assumir a vaga de ministro de Minas e Energia na cota do PMDB, Edison Lobão (MA), bateu ponto na casa do padrinho Sarney e do aliado Renan. Integrante da cota do parlamentar alagoano na administração federal, o ex-senador Sérgio Machado (CE), hoje no comando da Transpetro, chegou por volta de 23 horas." Que lindo, não? QUANTO TEMPO MAIS OS HOMENS DE BEM DESTE PAÍS VÃO AGÜENTAR COISAS COMO ESSA?!!!

Esse senhor envergonha o Brasil, assim como, aq...

Murassawa (Advogado Autônomo)

Esse senhor envergonha o Brasil, assim como, aqueles que o absolveram e ou aqueles bajudadores, tipo senador wellington e outros tantos iguais ou piores, bem como o Senador Pedro Simon que traiu os eleitores ao bandiar para o lado do renan e governo federal.

Em troca de sua permanencia no maior BORDEL bra...

gilberto prado (Consultor)

Em troca de sua permanencia no maior BORDEL brasileiro, deixa a direção da casa. Entretanto,avisa a todos os interessados que não vai deixar a prostituição, apenas, a partir de agora, estara dando atendimento preferencial em outra dependencia da casa juntamente com os demais pares de profissão.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 12/12/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.