Consultor Jurídico

Notícias

Peso da notícia

Eu é que estava com a faca no pescoço, afirma Lewandowski

Comentários de leitores

66 comentários

Aqueles que pagam seus impostos na fonte é que ...

Bira (Industrial)

Aqueles que pagam seus impostos na fonte é que estão com a faca no pescoço...

Que pena que não escorregou!

Richard Smith (Consultor)

Que pena que não escorregou!

Deprimente. É fato conhecido a proximidade do m...

Rodrigues (Outros)

Deprimente. É fato conhecido a proximidade do ministro Lewandowski com o nosso atual presidente, razão pela qual tentou vergonhosamente excluir o Zé Dirceu. Mais do que a faca no pescoço, o mesmo está sem moral perante os seus colegas de STF, especialmente o digníssimo relator Joaquim Barbosa e o ministro Eros Grau, estes sim verdadeiros exemplos perante o povo.

1) Essa faca pareceu enferrujada diante do resu...

Luiz Fernando (Estudante de Direito)

1) Essa faca pareceu enferrujada diante do resultado; 2) Apesar disso, é bom saber quem colocou-a no pescoço de S.Excia. ? Alguém filmou ? É possível identificar o agressor ?

Tenho a impressão que se o Sr. Ministro Lewando...

Jose Antonio Dias (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Tenho a impressão que se o Sr. Ministro Lewandowski parasse de falar e dar entrevistas sobre o malfadado assunto, se enrolaria menos. Fique quieto Sr. Ministro. O mal já foi feito. Quanto mais o Sr. fala, mais se enrola. O STF está desacreditado. Suas decisões são políticas. Quero ver como vão fazer para absolver os 40 ladrões. Até o presidente desta republiqueta afirma que ninguem ainda foi condenado, o que é correto, mas da forma como afirmou e pelo discurso que fez na assembléia do PT, o aceite da denúncia em face dos 40 ladrões não vale nada. É mera formalidade.

pARABÉNS AO AMIGO Luiz Mendes. cONCORDO INTEIR...

Fábio (Advogado Autônomo)

pARABÉNS AO AMIGO Luiz Mendes. cONCORDO INTEIRAMENTE COM VOCÊ.

Caro Dr. Richard Smith, bom dia! Não foi perda ...

Luís da Velosa (Bacharel)

Caro Dr. Richard Smith, bom dia! Não foi perda de tempo escrever-lhe. Pelo amor de Deus, eu não perderia tempo escrevendo. Perdemos tempo, sim, esperando que o governo brasileiro pusesse, pelo menos, o país nos trilhos. Aproximamo-nos, a cada dia, do final da existência, na angústia imensa dessa espera. Sei todas as intenções de suas palavras, e, como disse, com elas comungo, naquilo que, para mim, é bastante. Escrever, já nos ensinava Luís Borges, "é uma certa forma de imprudência". Mas, podemos ser imprudentes, o que é muito melhor do que sermos comodistas. Ótimo seria, não sermos nenhum dos dois. Agora mesmo, abro o jornal, e as notícias continuam poluindo. Acusam o senador RENAN de lavagem de dinheiro, envolvendo o seu partido PMDB, o que o senador diz ser inverdade. Todavia, a "quaestio", a quarta acusação, instila e instala mais angústia, insegurança, desesperança, estarrecimento, além de arremessar o Senado para além das estrelas. Seria, portanto, de todo procedente, antes que o caldo entorne, que se convocasse a CONCERTAÇÃO NACIONAL. Do contrário, não haverá vitamina K que estanque a hemorragia ético-moral, que leva a nação a todos os tipos de anemia. Precisamos parar - mais ainda - e conversar e conversar, decidir e decidir, agir e agir. Agora, agradeço a você, caro Smith, reciprocar a minha manifestação, desnudando, mais ainda, as suas boas intenções. Não mereço.

"Brega" talvez, mas nunca incoerente ou sem v...

Richard Smith (Consultor)

"Brega" talvez, mas nunca incoerente ou sem vergonha na cara.

Caro Dr. Luis da Velosa: Agradeço muito a ...

Richard Smith (Consultor)

Caro Dr. Luis da Velosa: Agradeço muito a perda do seu tempo com este humilde comentador e folgo em sabê-lo tão próximo ao meu ideário, que não passa muito de um extremado amor à verdade, à coerência, ao bom-senso e à decência, todas infelizmente tão faltas nesse nosso amado rincão, hodiernamente. No mais, caro amigo, as minhas perguntas tiveram mais um caráter puramente retórico, a ressaltar a contradição e leviandade de certos uns que pontificam neste espaço, do que a de qualificá-lo liminarmente, o que, decerto, seria injusto. Um abraço.

Lembro-me de Martin Luther King, o homem da boa...

Luís da Velosa (Bacharel)

Lembro-me de Martin Luther King, o homem da boa causa, sendo perseguido pelo famigerado diretor do FBI, que ordenou, inclusive, bisbilhotar a privacidade do líder que terminaria assassinado na varanda da casa onde se encontrava. Dissabor, também mata. Patrulhamento, também mata.

Ministros nomeados, atingindo o ápice de suas c...

mario (Consultor)

Ministros nomeados, atingindo o ápice de suas carreiras com uma (canetada) do presidente e com a aprovação (sabatina) dos políticos teria por acaso a suspeita para julgar os que o nomearam, sabatinaram ? Onde está independência ? Os ministros, juizes e seus pares deveriam conquistar seus cargos por via direta, eleito pelo povo, o mesmo povo que vota nos politicos, seus nomeadores.. Deveriam ter seus mandatos como os dos políticos; cassáveis, reelegíveis e puníveis como qualquer mortal. Tem um ditado popular nos corredores dos tribunais, "OS JUIZES PENSAM QUE SÃO DEUSES, OS MINISTROS E DESEMBARGADORES TEEM CERTEZA"...que vergonha...porque todos tem medo de falar destes brasileiros que são como todos, segundo a constituição, iguais perante a lei ? mario oliveira

Doutor Luiz Guilherme Marques, Juiz de 1ª instâ...

Embira (Advogado Autônomo - Civil)

Doutor Luiz Guilherme Marques, Juiz de 1ª instância. Concordo plenamente com o que o senhor diz sobre os limites da mídia: “Outro limite hoje admitido a esse direito é também tudo o que diz respeito à esfera da vida privada do semelhante”. A mídia cria embaraços ao STF ao bisbilhotar a vida pessoal de Ministros. Erou Grau vai processar Lewandowski, episódio inédito na Corte. Todo esse celeuma, todo esse clima de animosidade porque a mídia resolveu levar o conflito nacional PT x PSDB para dentro da Suprema Corte. Ora, ora. Ainda bem que Lewandowski parece ter um temperamento lhano. Com Nelson Jobim, por exemplo, seria diferente. O Consultor publicou, a respeito de Jobim: “Citando Nelson Rodrigues, o senhor disse que os idiotas perderam a modéstia. Quem são os idiotas? Ah, são diversos. Emitiram opinião sobre tudo. É curioso que fizeram análises, julgamentos das decisões que o Supremo Tribunal Federal andou tomando sem ler nenhuma delas. A irresponsabilidade intelectual no Brasil é brutal. Naquele momento [durante o julgamento dos recursos do ex-deputado José Dirceu no STF], o ministro Sepúlveda Pertence estava sendo acusado de tudo, setores da imprensa diziam que ele não estava doente. Isso mostra irresponsabilidade. E o irresponsável acaba sendo um idiota. Casualmente, os irresponsáveis e os idiotas no Brasil perderam a modéstia.

Essa de faca no pescoço é conversa sem pouca re...

morja (Advogado Autônomo)

Essa de faca no pescoço é conversa sem pouca repercussão, queria saber. Do Ministro e que ele diga quem colocou a faca no seu pescoço, aí ficaria claro para a sociedade, que quer um julgamento justo contra os desmandos do homem público nesse país, para que o contribuinte brasileiro possa saber melhor quando da aplicação dos valores que entrega ao governo. Desse país, e esse mesmo contribuinte já está cansado de ver e ouvir noticias de pessoas que morrem em hospitais por falta de verba. Pois a maioria dos contribuintes antecipa o pagamento de seus tributos a exemplo do Imposto de Renda de Pessoa Física na Fonte, quando nem sabe se os valores retidos seriam no momento da declaração do IR, no final do ano, e mais ainda o que é descontado pelo banco com a CPMF. Deveriam ter mais respeito com o contribuinte do seu país

Caro consultor Ricardo Smith, apesar do ilustre...

Luís da Velosa (Bacharel)

Caro consultor Ricardo Smith, apesar do ilustre consultor haver imaginado uma idéia de meu caráter, pela inquirição que se pemitiu fazer, quero e devo dizer que cultivo pela Imprensa o meu maior respeito e estima, rechaçando, veementemente, as investidas da censura. Agora, se "a arte da tipografia" tem direitos e deveres ilimitados, sinceramente, eu não sabia. Mas, consultor Smith, pode acreditar que comungo com os pensamentos de V. Sa., sem impensar os meus.

Texto do sempre coerente Reinaldo Azevedo: "...

Luiz Augusto Mendes (Delegado de Polícia Estadual)

Texto do sempre coerente Reinaldo Azevedo: "A conspiração dos éticos Zé Dirceu já tem um culpado pelo seu processo: a imprensa. Lewandowski, o juiz falastrão, já tem um culpado pelas suas trapalhadas: a imprensa. Os defensores do promotor Tales Ferri Schoedl recomendam: é preciso ignorar a imprensa. O presidente sabe quem resiste às glórias de seu governo: a imprensa. Até os puxa-sacos da imprensa sabem onde estão os inimigos: na imprensa. Quem persegue Renan Calheiros? Ora, é a imprensa. Pelo exposto, resulta que o verdadeiro mal do Brasil é a imprensa. Se ela não existisse, seríamos governados pela conspiração dos éticos."

A propósito de algumas informações veiculadas p...

Luiz Guilherme Marques (Juiz Estadual de 1ª. Instância)

A propósito de algumas informações veiculadas pela Mídia sobre os bastidores da votação do recebimento da denúncia pelo STF contra os acusados de envolvimento com o mensalão, acredito ser conveniente apresentar aos prezados Leitores algumas considerações. A ENCICLOPÉDIA JURÍDICA LEIB SOIBELMAN consigna sobre o direito de informação: (dir. const.) A Declaração Universal dos Direitos do Homem (1948), proclamada pela ONU, no seu art. 10, dá a todo indivíduo o direito de "procurar, receber e difundir informações e idéias por qualquer meio de expressão e sem olhar fronteiras". O direito de livre indagação de informações ou livre acesso a informações, é um postulado democrático e pode até mesmo ser considerado hoje um dos direitos fundamentais da personalidade humana ou direitos personalíssimos (V.). O cidadão tem o direito a ser informado de todas as razões que motivam os atos governamentais, salvo quando a publicidade destas razões colocaria em risco a segurança nacional, entendida esta em sentido rigorosamente jurídico-democrático. Outro limite hoje admitido a esse direito é também tudo o que diz respeito à esfera da vida privada do semelhante. O direito de informação está ligado diretamente à livre manifestação do pensamento e à necessidade de formação de uma opinião pública livre e consciente, informação para poder opinar. B. - Paulo José da Costa Jr., O direito de estar só. Rev. dos Trib. São Paulo, 1970; José Nabantino Ramos. Jornalismo, dicionário enciclopédico. Ibrasa ed. São Paulo, 1970; Antônio Chaves, Lições de direito civil, III. Ed. Bushatsky. São Paulo, 1972. (Nota do atualizador - O direito à informação é uma das expressões da liberdade de comunicação consignada na Constituição Federal em diversos dispositivos (art. 5º, IV, V, IX, XII, XIV, XVI e XXXIII conjuntamente com arts. 220 a 224). Entende-se atualmente que o direito à informação difere da liberdade de informação, mantendo-se entretanto no mesmo e indissociável corolário de idéias. A distinção entre ambos resulta do seguinte: a liberdade de informação é um direito individual de acesso, recebimento e difusão de idéias, ao passo que o direito de informação é o direito que tem a coletividade de ser informada, e é isto o que se dessome do inciso XXXIII do art. 5º da Constituição, quando assegura a todos o direito de receber dos órgãos públicos informações não só sobre o que seja de caráter particular, mas também o que é de interesse coletivo. Imbrincadas no mesmo direito estão as disposições do capítulo V do Título VIII da Constituição Federal, que dispõe sobre normas gerais de comunicação social, vedando a censura e regrando os veículos de comunicação, como quando por exemplo declara que deverão as emissoras de rádio e televisão atender a finalidades informativas e educativas, promover a cultura nacional e regional, valorizar o respeito aos padrões éticos e sociais da pessoa e da família. B. - José Afonso da Silva, Curso de direito Constitucional, Malheiros ed., 8ª edição, São Paulo, 1992.). Evidentemente que é sagrado o direito de informação, mas passando por determinados crivos éticos, sob pena de consagrar-se o direito de enxovalhar impunemente pessoas e instituições respeitáveis. Para embasar o que pretendo dizer, destaco o seguinte trecho: [...] deverão as emissoras de rádio e televisão atender a finalidades informativas e educativas, promover a cultura nacional e regional, valorizar o respeito aos padrões éticos e sociais da pessoa e da família. Por mais que respeite a liberdade de expressão, não consigo compreender como alguns setores da Mídia pretendem ser levados a sério divulgando informações eivadas de dois pecados capitais: 1) sua obtenção por meios questionáveis, com indevida invasão da privacidade; 2) seu caráter fútil, sem nenhuma utilidade educativa, não promovendo a Cultura, não valorizando o respeito aos padrões éticos e sociais, e destinando-se unicamente a ridicularizar pessoas e instituições. Sacrificar-se um repórter para ter acesso, por meios ilícitos, a situações escandalosas, todavia absolutamente inúteis, é jogar por terra toda a dignidade da sagrada profissão dos comunicadores e, ao mesmo tempo, menosprezar a inteligência do público mais sério, que não está interessado em informações tolas.

As pessoas aqui deste site, sempre muito "apaix...

Observador.. (Economista)

As pessoas aqui deste site, sempre muito "apaixonadas" com os temas, procuram trazer para linguagem tecnico-jur'idica algo simples: falou-se alto em p'ublico, algu'em ouviu e publicou.Foi uma "bobeada". Fruto da inexperiencia?! ou soberba, isso jamais saberemos.

Só pode ser brincadeira. Este pessoal não sabe ...

JCláudio (Funcionário público)

Só pode ser brincadeira. Este pessoal não sabe que conversar em público ou com alguém por perto, corre um grande perigo de ter sua conversa publicada ou comentada. O problema é que muita gente perdeu o senso de ridículo e de perigo. Hoje em dia se conversa ao telefone como se estivesse dentro de um quartinho sozinho. Se usa o computador como se fosse um briquedinho e que ninguém está de olho, principalmente dentro de um Tribuna e naquelas circunstância. Se fosse o julgamento de um pé de chinelo com certeza nada disto estaria acontecendo. Manda o Sr. Lewandowski plantar batatas, que é o melhor que faria. Só pode ser piada o seu lamento, dá vontade de chorar, coitado foi enganado, é um ingênuo, que não sabia do risco que corria. Fica demonstrado que apesar de ser um Juízo do STF é um ignorante funcional. Nós estamos na era dos eletronicos, tudo é um risco. É um canal aberto para invasão de todo espécie ou ordem. Será que este senhor lê jornais e informativos sob informatica. Será que ele sabe que tem pessoas ganhando dinheiro na internet e outros dos descuidados. Esta noite vou chorar muito pelo lamento do Sr. Lewandowski. Ou quem sabe, rezar para dar paz ao seu espiríto. Acho que merece uma segunda chance. Mas com um pequeno alerta, tome muito cuidado, vc. está sendo filmado.

Aprende aí, Eneas Goebbels: "Não se pode com...

www.professormanuel.blogspot.com (Bacharel)

Aprende aí, Eneas Goebbels: "Não se pode cometer o delírio de, em nome do direito de privacidade, estabelecer-se uma redoma protetora em torno de uma pessoa para torná-la imune de qualquer veiculação atinente a sua imagem. Se a demandante expõe sua imagem em cenário público, não é ilícita ou indevida sua reprodução pela imprensa, uma vez que a proteção à privacidade encontra limite na própria exposição realizada." (STJ. RESP 58101. Rel Min. Cezar Asfor Rocha)

NÃO ESQUEÇAM DE UMA COISA: LEWANDOWSKI ACATOU 9...

Eneas (Advogado da União)

NÃO ESQUEÇAM DE UMA COISA: LEWANDOWSKI ACATOU 90% DA DENÚNCIA, INCLUSIVE A DE CORRUPÇÃO ATIVA CONTRA ZÉ DIRCEU!!!! José Carlos Portella Jr (Criminal 31/08/2007 - 14:23 A imprensa no Brasil é uma piada! Quando se fala em "liberdade de imprensa" se fala, na verdade, na liberdade dos acionistas em aumentar os lucros às custas da tragédia alheia. Ronaldo de Oliveira (Advogado Autônomo 31/08/2007 - 14:13 Cara Dra. Leila, concordo em gênero, número e grau, só que ñ é uma imprensa marrom, e sim, uma imprensa capitalista selvagem, que visa lucro, visa $$$ de forma irresponsável! Um forte abraço Leila Alves (Procurador da República de 1ª. Instância 31/08/2007 - 13:58 Isso é Brasil! A imprensa não tem limites quando o assunto é destruir honras! A imprensa marrom é uma praga mesmo! Vamos atirem pedras... Eneas (Advogado da União 31/08/2007 - 13:55 CONCORDO PLENAMENTE COM MOREIRA, PAULO HENRIQUE, JOSÉ E KATONI. TODOS SABEM DA BELA HISTÓRIA DE VIDA DO PROFESSOR LEWANDOWSKI. A PARTE PODRE DA IMPRENSA REALMENTE ULTRAPASSA TODOS OS LIMITES QUANDO O ASSUNTO É VENDER JORNAIS E DESTRUIR HONRAS. O MINISTRO ACEITOU 90% DA DENÚNCIA, INCLUSIVE A DE CORRUPÇÃO ATIVA CONTRA ZÉ DIRCEU! ISSO NÃO SE DIVULGA? A IMPRENSA INVESTIGA > ACUSA > JULGA > CONDENA NUMA MESMA MATÉRIA! QUANTA RAPIDEZ! E A MASSA MANIPULADA COMEÇA A JOGAR PEDRAS! QUE TRISTEZA! Embira (Civil 31/08/2007 - 12:27 Doutor Lewandowski, deve ser terrível passar pelo que o senhor passou, tendo duas vezes, em curto espaço de tempo, sua privacidade invadida: primeiro, com a captação de mensagens do seu notebook; em seguida, com a divulgação de sua conversa no celular. Pode haver algo mais pessoal que um “notebook” ou um celular? Muita gente por aí, entretanto, partidária de uma “new age” moral, tem opinião diversa. O caseiro Francenildo mereceu uma sessão de desagravo na OAB por ter tido seu sigilo bancário quebrado. Sei que o senhor não necessita dessa honra, nem a OAB emitirá, sequer, uma nota de solidariedade. O senhor lembrou-se, em razão desses episódios, do livro "O Processo", de Franz Kafka, e da obra "1984", de George Orwell. Eu fui além: lembrei-me, já que o assunto é privacidade, dos “Versos íntimos”, do poeta Augusto dos Anjos: “o homem que nesta terra miserável vive entre feras, sente inevitável necessidade de também ser fera”. Lembrei-me, ainda, da paranóia de Henry Miller, em Trópico de Capricórnio: “Todo homem, até meus amigos mais íntimos, é um assassino potencial. Muitas vezes, não é necessário tirar o revólver, o laço ou o ferro de marcar – eles encontram meios mais sutis e diabólicos de torturar e matar seus semelhantes”. Lamentável: melhor não lembrar nada. Melhor esquecer. A.G. Moreira (Consultor 31/08/2007 - 11:06 Não sabia que a "FOLHA" remunerava, tão bem, os seus funcionários !!! Jantar em lugar, cujos preços (enunciados pela jornalista, que enumerou, com preços, cada item do cardápio do Ministro),... é para quem "tem bala na agulha" !!! Significa que ganha tanto quanto o Ministro, OU convenceu a FOLHA a fazer uma extravagância, para poder FLAGRAR, qualquer conversa do Ministro ( já escrachado, anteriormente, pela GLOBO). Afinal, além do , acima, descrito, COINCIDENTEMENTE, ela usou uma mesa, imediatamente,atrás do Ministro. ***Que será que ela comeu ???? *** drnakatani (Advogado Assalariado 31/08/2007 - 08:50 Concordo com o Paulo Henrique, porém acho que os meios de imprenssa que contrataram a "jornalista" também deveriam ser acionados judicialmente, em especial em razão do dano moral sofriso pelo eminente ministro. Contudo também acho que a partir de eventual condenação em valores que deveriam ser pedagogocamente elevados, o STF poderia odificar seu posicionamento em relação a condenação por danos morais para toda a população, ou seja, elevar o valor de toda e qualquer indenização devida a título de dano moral. José (Outro 31/08/2007 - 08:49 Concordo absolutamente com o Paulo Henrique. Foi repugnante a conduta dessa "jornalista", que muito mais se comportou como uma araponga promovendo escuta ilegal. Paulo Henrique M. de Oliveira (Advogado Autônomo 31/08/2007 - 02:46 Jornalista Vera Magalhães: eis um nome para ser guardado como exemplo de falta de ética. Buscou o seu momento de glória e fama de maneira sórdida, cruel e infame, contra um honrado magistrado, em conversa íntima com o próprio irmão. Isto não é liberdade de imprensa, é corvadia, é indiscrição indevida, é falta de caráter, é sensacionalismo. O Ministro deveria processá-la. É o que penso! Paulo Henrique eduardo (Outros 31/08/2007 - 10:24 Segundo ele esclareceu, ele se referia ao próprio pescoço em referência as fotos de sua conversa com a Ministra, quando trocavam impressões sobre o caso. Isso é o que acontece quando se publica fofocas como notícias (conversas alheias no celular ouvindo apenas o que fala uma das partes). Leila Alves (Procurador da República de 1ª. Instância 30/08/2007 - 15:09 Diz a matéria da jornalista Vera Magalhães: "Lewandowski sentou-se e fez os pedidos: uma garrafa de vinho argentino Santa Júlia, R$ 49 segundo o cardápio, uma porção mista de queijos e outra de presunto, cada uma ao preço de R$ 35. No telão localizado às costas do ministro, eram exibidos DVDs musicais -um show do grupo Simply Red e uma apresentação da cantora Ana Carolina". Ora francamente! Essa é a parte podre da imprensa brasileira. Sensacionalista e sem limites! Invadem a privacidade alheia, fazem elucubrações, investigam, acusam, condenam numa mesma matéria! Ora francamente isto é um absurdo! O Ministro Lewandowsk tem toda razão mesmo. Quem tem sensibilidade pode entender que a mídia realmente faz terrorismo contra tudo e contra todos. Bruno (Juiz Estadual de 1ª. Instância 30/08/2007 - 14:25 Respeitando posições em contrário, concordo com o Dr. Rossi Vieira em seu comentário. Há um completo desrespeito à intimidade do Magistrado, uma vez que sua intimidade está sendo claramente violada. Uma conversa particular, parcialmente ouvida pela jornalista, é publicada e serve para denegrir a imagem do Ministro. A matéria se revela, no mínimo, irresponsável, ao concluir qual era o assunto debatido pelo Ministro, sem, contudo, ter o completo conhecimento do diálogo. Violação à corresposndência eletrônica privada, à ligação telefônica particular, onde vamos parar???? Rossi Vieira (Criminal 30/08/2007 - 13:00 Onde estamos ? Falta pouco algum reporter vai invadir a cama e lençois dos ministros, políticos e advogados e descobrir qual o comportamento sexual de cada qual, se usam remédios, o tempo da satisfação sexual e eventuais elogios de suas parceiras ou parceiros. O que comem antes da cópula, após, se fumam, o que fumam e o quanto gastam nessa atividade... Intolerável, inaceitável e absurdamente inacreditável. Isso só pode ser pegadinha... Otávio Augusto Rossi Vieira, 40 Advogado Criminal em São Paulo

Comentar

Comentários encerrados em 8/09/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.