Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Crime na Riviera

Thales Schoedl vai continuar no cargo de promotor de Justiça

O Conselho Superior do Ministério Público garantiu o vitaliciamento do promotor Thales Ferri Schoedl, acusado de matar um rapaz e ferir outro. Com a decisão, ele mantém o cargo e o salário de promotor e terá direito a foro privilegiado. Portanto, não será levado a júri popular pelo crime. A decisão foi por maioria de votos.

O crime aconteceu em Riviera de São Lourenço, condomínio de classe média alta em Bertioga, no litoral paulista. Schoedl disparou 12 tiros com uma pistola semi-automática calibre 380 contra os dois rapazes que teriam mexido com sua namorada. Diego Mondanez foi atingido por dois disparos e morreu na hora. Felipe Siqueira foi baleado quatro vezes, mas sobreviveu.

Schoedl foi exonerado do Ministério Público, mas em maio de 2006 conseguiu Mandado de Segurança do Tribunal de Justiça de São Paulo para afastar a exoneração. Os desembargadores reconheceram a nulidade da decisão do Conselho Superior do Ministério Público que determinou o não vitaliciamento e a exoneração do promotor de Justiça.

O TJ paulista confirmou a liminar e permitiu que Schoedl voltasse ao cargo, mas sem exercer suas funções. A ação foi ajuizada pela defesa dele em janeiro do ano passado. No mesmo mês, o desembargador Canguçu de Almeida, vice-presidente do TJ-SP, acolheu o pedido de liminar e o então o promotor voltou a receber os salários e demais vantagens.

A defesa do promotor, representada pelos advogados Rodrigo Otávio Bretas Marzagão e Luís Felipe Bretas Marzagão, alegou que Schoedl agiu em legítima defesa. Seus advogados relatam que as provas produzidas na instrução revelaram que a legítima defesa foi exercida com “impressionante moderação, mesmo no calor dos acontecimentos”.

Conta a defesa que antes de atirar contra as vítimas, Schoedl fez diversos disparos de advertência, para o chão e para cima. “Em vez de inibir os rapazes, terminou, de forma surpreendente e inexplicável, alimentando ainda mais a vontade de agredir o réu, e o grupo foi para cima dele com tudo, destacando-se, mais à frente, Felipe e Diego”, sustentam os advogados.

Depois de se ver perseguido pelos dois jovens que tentaram tirar-lhe das mãos a arma, Schoedl se viu na necessidade de atirar contra os dois para salvar a própria vida. “Com a devida vênia, não há dúvida que os disparos foram de advertência”, ressaltam os advogados.

Ao todo, foram 14 disparos: seis antes da corrida, dois durante a corrida e mais seis. Sobrou apenas uma bala no pente do revólver. Apesar das acusações de que teria “descarregado o revólver nos rapazes”, a defesa faz questão de dizer que isso não aconteceu, haja vista a existência de uma bala não utilizada. E ressalta que ele usou os recursos que tinha na hora para se defender contra os dois oponentes, visivelmente maiores e mais fortes do que ele : a arma.

“Desde que seja em legítima defesa, não há crime”, defende Luís Felipe Bretas Marzagão.

Revista Consultor Jurídico, 29 de agosto de 2007, 18h09

Comentários de leitores

107 comentários

Finalmente começo a ver comentários mais maduro...

Saeta (Administrador)

Finalmente começo a ver comentários mais maduros a respeito do caso. Vejo pessoas ligadas ao Direito e à própria promotoria que comentam seriamente a ocorrência, sem se perder pelos escaninhos falsos da disertação jurídica esnobe que alguns aqui utilizaram. Ainda bem que o rumo mudou, assim os dinamarcos da vida passam a ser minoria e vegetar nas opiniões bajuladoras de tecnocratas de fancaria. Que o promotor pague pelo seu crime, ou caso a Justiça maior deste Estado não veja culpa, que o absolva. Mas, tentar absolve-lo nas colunas do Consultor exarando pareceres infantís sobre direitos de portar arma é ridículo.

Finalmente começo a ver comentários mais maduro...

Saeta (Administrador)

Finalmente começo a ver comentários mais maduros a respeito do caso. Vejo pessoas ligadas ao Direito e à própria promotoria que comentam seriamente a ocorrência, sem se perder pelos escaninhos falsos da disertação jurídica esnobe que alguns aqui utilizaram. Ainda bem que o rumo mudou, assim os dinamarcos da vida passam a ser minoria e vegetar nas opiniões bajuladoras de tecnocratas de fancaria. Que o promotor pague pelo seu crime, ou caso a Justiça maior deste Estado não veja culpa, que o absolva. Mas, tentar absolve-lo nas colunas do Consultor exarando pareceres infantís sobre direitos de portar arma é ridículo.

Finalmente começo a ver comentários mais maduro...

Saeta (Administrador)

Finalmente começo a ver comentários mais maduros a respeito do caso. Vejo pessoas ligadas ao Direito e à própria promotoria que comentam seriamente a ocorrência, sem se perder pelos escaninhos falsos da disertação jurídica esnobe que alguns aqui utilizaram. Ainda bem que o rumo mudou, assim os dinamarcos da vida passam a ser minoria e vegetar nas opiniões bajuladoras de tecnocratas de fancaria. Que o promotor pague pelo seu crime, ou caso a Justiça maior deste Estado não veja culpa, que o absolva. Mas, tentar absolve-lo nas colunas do Consultor exarando pareceres infantís sobre direitos de portar arma é ridículo.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 06/09/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.