Consultor Jurídico

Crime na Riviera

MP decide se promotor que matou continua na carreira

O Órgão Especial do Ministério Público de São Paulo se reúne, na quarta-feira (15/8), para decidir se Thales Ferri Schoedl continuará a ser promotor de Justiça. A cúpula do MP paulista vai julgar se suspende ou não a vitaliciedade do promotor, acusado de matar um jovem e ferir outro.

O crime aconteceu em Riviera de São Lourenço, condomínio de classe média alta em Bertioga, no litoral paulista, em dezembro de 2004. Schoedl disparou 12 tiros com uma pistola semi-automática calibre 380 contra dois rapazes que teriam mexido com sua namorada. Diego Mondanez foi atingido por dois disparos e morreu na hora. Felipe Siqueira, da mesma idade, foi baleado quatro vezes, mas sobreviveu.

No mês de março deste ano, o Conselho Superior do Ministério Público rejeitou a proposta de não vitaliciamento de Schoedl. O pedido foi feito pelo antigo corregedor-geral do MP, Paulo Shimizu. O corregedor recorreu ao Órgão Especial do Conselho de Procuradores do MP de São Paulo, formado por 42 procuradores, a quem caberá a decisão final. Para ser aprovada, a proposta de suspensão da vitaliciedade no cargo terá de receber metade mais um dos votos dos presentes à reunião.

Schoedl havia sido exonerado do Ministério Público, mas em maio de 2006 conseguiu Mandado de Segurança do Tribunal de Justiça de São Paulo para afastar a exoneração. Os desembargadores reconheceram a nulidade da decisão do Conselho Superior do Ministério Público que determinou o não vitaliciamento e a exoneração do promotor de Justiça.

O TJ paulista confirmou a liminar e permitiu que Schoedl voltasse ao cargo, mas sem exercer suas funções. A ação foi ajuizada pela defesa dele em janeiro do ano passado. No mesmo mês, o desembargador Canguçu de Almeida, vice-presidente do TJ, acolheu o pedido de liminar e o então o promotor voltou a receber os salários e demais vantagens.

A reunião que decidirá o futuro de Schoedl acontecerá a partir das 13h30, na sede do Ministério Publico de São Paulo.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 13 de agosto de 2007, 18h21

Comentários de leitores

46 comentários

Não tenho dúvida alguma que o Promotor citada a...

Torre de Vigia (Outros)

Não tenho dúvida alguma que o Promotor citada agiu em estrita e nos limites da legítima defesa. Creio que quem deve deixar o cargo são aqueles promotores que servem à política, sendo secretários, chefes de autarquias, colocando uma pedra sobre a pretendida independencia do MP.

Ser chamado de "bobo" por alguém como o dr. din...

Saeta (Administrador)

Ser chamado de "bobo" por alguém como o dr. dinamarco(sic) realmente não me levou ao desespero. O contraditório é admitido, e cada um pode ter suas opiniões e expressa-las.

Sr. Saeta : se examinou quase todo o processo, ...

acdinamarco (Advogado Autônomo - Criminal)

Sr. Saeta : se examinou quase todo o processo, o senhor não o conhece ; e, antes que me esqueça, deixe de ser bobo. acdinamarco@aasp.org.br

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 21/08/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.