Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Saiu na frente

Alexandre Pires tem placar favorável no TJ-SP em ação contra VIP

O cantor Alexandre Pires está levando a melhor, no Tribunal de Justiça de São Paulo, na briga com a revista VIP, da Editora Abril. A 3ª Câmara de Direito Privado do TJ paulista começou a julgar, no dia 31/7, o recurso do cantor contra a sentença de primeira instância que negou a reparação por danos morais. O placar estava com dois votos favoráveis para Alexandre Pires quando o desembargador Carlos Eduardo Donega pediu vista.

Por enquanto, a indenização está fixada em 50 salários mínimos. Mas, em tese, a decisão pode ser alterada no próprio TJ paulista, se os desembargadores que votaram mudarem de entendimento quando o caso voltar a ser analisado. E depois disso ainda cabe recurso para a revista e para o cantor.

Alexandre Pires alega que se sentiu ofendido com os comentários feitos nas edições em que a sua então namorada Sheila Mello figurou entre as “mulheres mais sexy do mundo”. A revista afirmou na edição de novembro de 2000: “Sheila diversificou suas atividades: agora é dona de uma revista de malhação e sócia de uma boate em São Paulo. Mas, para a nossa infelicidade, assumiu o namoro com um pagodeiro que não gosta de motoqueiros”. Na edição de novembro de 2002, o comentário da VIP era: “ela [Sheila Mello] continua namorando aquele pagodeiro engomadinho que canta em portunhol”.

O cantor alegou que as frases foram ofensivas. A primeira, segundo ele, remeteu o leitor ao acidente em que se envolveu, em 2000, e foi absolvido da acusação de homicídio. No ano de 2003, o juiz da 11ª Vara Cível do Foro Central de São Paulo, Luiz Sérgio de Mello Pinto, rejeitou o argumento. Para ele, a revista fez “no máximo um comentário infeliz”.

O cantor é representado pelos advogados Marco Antônio José Sadeck e Luiz Felipe Deffune de Oliveira, do escritório Sadeck Advogados Associados. A VIP é representada pelos advogados Alexandre Fidalgo e Cynthia Romanos, do escritório Lourival J. Santos Advogados.

Revista Consultor Jurídico, 7 de agosto de 2007, 15h06

Comentários de leitores

5 comentários

Uma personalidade pública dar bola para um come...

ruialex (Advogado Autônomo - Administrativa)

Uma personalidade pública dar bola para um comentário boboca desses, é demais. Alesandre Pires deveria desprezar comentários babacas e deixar por isso mesmo. Afinal deve causar muita inveja, pois faz sucesso e só arruma mulherão. Larga a mão disso Alexandre Pires.

Vai ver o Consultor Jurídico leva "um qualquer"...

Adriano P. Melo (Advogado Autônomo - Trabalhista)

Vai ver o Consultor Jurídico leva "um qualquer" dos envolvidos. Tamanha propaganda não pode resultar de uma casualidade. E a tal da liberdade de imprensa heim... Qualquer jornalista semi-analfabeto pode escrever o que bem entende de qualquer pessoa, que quando é chamado à responder pelas idiotices que escreveu, usa o argumento de que está sendo censurado e etc. Há mais de meio século estamos vendo algumas das maiores publicações do Brasil se safarem judicialmente por reportagens ofensivas e inverdades publicadas. O Judiciário deve dar um basta nisso, senão mais vítimas como as da escola Base sofrerão com isso.

É, o grupo Abril continua abusando do seu direi...

Paulo Jorge Andrade Trinchão (Advogado Autônomo)

É, o grupo Abril continua abusando do seu direito de liberdade de imprensa. Só que tudo tem um limite, e o Senador Renan já deu o pontapé inicial. Nos próximos dias veremos os dedobramentos das sérias acusações do senador contra o grupo Abril, que, pelo que parece, não é nenhum mosteiro...

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 15/08/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.