Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Informação na rede

OAB e TRF-3 assinam convênio para consulta de processos online

Na abertura da reunião ordinária do conselho da seccional paulista da OAB, na segunda-feira (23/4), o presidente da entidade, Luiz Flávio Borges D´Urso, e a presidente do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, Diva Malerbi, assinaram Termo de Convênio e Cooperação para utilização de meios eletrônicos na prática de atos processuais. O convenio permitirá aos advogados o envio, por rede de computadores, de petições digitalmente assinadas, bem como o acompanhamento do andamento processual pela Internet.

O Convênio estabelece que para fins de peticionamento remoto por meio eletrônico, consideram-se como advogados regularmente inscritos todos os portadores de certificados digitais assinados com chaves de Seccionais, no âmbito da ICP-OAB, e não revogados.

A assinatura de documento eletrônico pelos advogados, com chaves da ICP-OAB,em atos relacionados à sua atuação profissional, é equiparada à a sua assinatura autógrafa. “ Essa medida também permitirá a identificação de eventuais irregulares no exercício profissional da advocacia”, ressalta D´Urso.

O diretor-tesoureiro, Marcos da Costa, que também assinou o Termo, lembra que em 1999, o então presidente da OAB SP, Rubens Approbato Machado, conseguiu que o TJ informatizasse a transmissão dos despachos dos juizes das Comarcas para a Imprensa Oficial. “Isso representou um ganho de algo em torno de 220 dias, quase um ano no tempo do processo. O convênio que se assina hoje muito mais amplo do que isso, quebra-se o paradigma do papel”, diz ele.

Na sua avaliação, o convênio do TRF -3 reconhece que advogado não é funcionário público nem servidor de magistrados.“Não pode ser credenciado por Tribunais. O modelo de assinatura digital não utiliza o credenciamento, mas sim o certificado eletrônico para autenticar o autor. No caso de petição eletrônica, o certificado deve indicar não apenas o titular da chave pública, mas também sua condição de advogado, o que somente a OAB pode fazê-lo. Daí porque pecam ainda alguns Tribunais que pretendem obrigar os advogados a comprar certificados de empresas, quando somente quem pode certificá-los é a própria Ordem, sem qualquer custo para os advogados”, garante Marcos da Costa.

Diva Malerbi deixa a presidência do TRF-3 no próximo dia 2 de maio.


Revista Consultor Jurídico, 26 de abril de 2007, 0h01

Comentários de leitores

1 comentário

Eu gostaria que alguém da Diretoria da OAB/...

Dijalma Lacerda (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Eu gostaria que alguém da Diretoria da OAB/SP e também a Dra. Diva Malerbi viessem na Justiça Especial da Justiça Federal de Campinas (Rua Emílio Ribas - Cambui), e procurassem saber informações de algum processo no qual não possuam procuração, e pedissem vista de tal processo no balcão. Ah ! Como eu gostaria ! Por certo, no caso deles e se o Escrivão reconhecê-los, talvez o processo lhes seja exibido. Para nós comuns dos mortais todavia, simples Advogados, haveríamos de ter procuração nos autos e estarmos c a d a s t r a d o s e termos, ainda, uma famigerada "SENHA". Senão ... É, nossa Lei 8906/94 de nada nos tem adiantado. Gente, será que aquilo tudo que aprendemos em nossoa bancos acadêmicos sobre o princípio da publicidade dos processos foi tudo brincadeira? Já falei com a Dra. Teresa Dóro, Presidente da OAB/Campinas há mais ou menos duas semanas e ela me disse que prontamente iria tomar providências. Até agora, no entanto, não obtive resposta. Por favor, vamos ver se conseguimos fazer algo ! Dijalma Lacerda.

Comentários encerrados em 04/05/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.